Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Desafios e perspectivas na reeducação e ressocialização de adolescentes em regime de semiliberdade: subsídios para a Enfermagem
Autores:  Estela Maria Leite Meirelles Monteiro; Antonio José de Almeida Filho; Waldemar Brandão Neto;
Camila Lima Brady; Roberta Biondi Nery de Freitas; Jael Maria de Aquino
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2010-11-10
Aceite para publicação:  2011-02-04
Secção:  Artigo
DOI:  10.12707/RIII11Per2
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Estudo descritivo-exploratório, qualitativo, que tem como objetivos, investigar as ações socioeducativas oferecidas aos adolescentes infratores em regime de semiliberdade, bem como, apreender opiniões e sugestões desses jovens para mudanças no planejamento das
ações socioeducativas desenvolvidas por essas unidades de atendimento. Participaram 30 adolescentes do sexo masculino nos meses de julho a setembro de 2009. Os depoimentos foram gravados, transcritos e analisados mediante o Discurso do Sujeito Coletivo, sendo os
mesmos, decompostos em três idéias centrais: Atividades e afazeres dos adolescentes que cumprem medida socioeducativa; Atuação da FUNASE (Fundação de Atendimento Socioeducativo) na reeducação e ressocialização dos adolescentes; Sugestões dos adolescentes para
mudanças no planejamento das ações socioeducativas desenvolvidas pela instituição. O estabelecimento das possibilidades de atividades socioeducativas constitui uma ferramenta essencial para o adolescente infrator, pois extrapola as limitações impostas pelas medidas de
privação de liberdade que comprometem o convívio social do mesmo. Essas atividades socioeducativas possibilitam reorientação na formação desse adolescente, que não é apenas infrator, mas vítima da violência social decorrente de um processo de exclusão de medidas
e condições necessárias à promoção do desenvolvimento humano. Destaca-se o papel do enfermeiro que deve agregar ao seu fazer cotidiano, estratégias e práticas comprometidas com a promoção à saúde do adolescente sob medida socioeducativa.

Palavras-chave
adolescente institucionalizado; ação intersetorial; vulnerabilidade social; enfermagem
Texto integral
Total: 1 registo(s)
Artigo em PDF
Página 1 de 1


[ Detalhes da edição ]