Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Como as famílias portuguesas percecionam a transição para a aposentação 
Autores:  Helena Maria Almeida Macedo Loureiro*; Margareth Ângelo**;
Margarida Alexandra N. C. G. M. Moreira da Silva***; Ana Teresa Martins Pedreiro****
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2014-10-28
Aceite para publicação:  2015-02-04
Secção:  Artigo
Ano:  2015
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV14073

Resumo
Enquadramento: A aposentação é um evento de vida transicional que origina mudanças às quais os indivíduos se têm que adaptar, associadas às vulnerabilidades biofisiológicas, psicológicas e sociológicas. Desconhece-se se esta transição interfere na dinâmica sistémica das suas famílias.
Objetivos: Compreender as perceções das famílias Portuguesas relativamente à sua experiência de transição para a aposentação.
Metodologia: Estudo qualitativo, com 14 famílias de indivíduos que se aposentaram recentemente e experimentaram alterações e/ou dificuldades nessa transição. Os dados foram recolhidos por meio de entrevistas e as informações foram analisadas utilizando o NVivo10®.
Resultados: A aposentação não interfere apenas na vida dos indivíduos recém-aposentados mas também na sua sistémica familiar. Todos os elementos da sua família percecionam esta transição simultaneamente como ganhos e perdas e a uma necessidade de reaprender a Ser, Sentir e Estar em família.
Conclusão: Cuidar na passagem à reforma deve obedecer a um modelo muito próprio de intervenção de enfermagem que harmonize a singularidade de famílias e a especificidade das mudanças que essa experiência suscita.

Palavras-chave
aposentadoria; família; saúde; enfermagem.
Alarcão, M. (2006). (Des)Equilibrios familiares: Uma visão sistémica (3ª ed.). Coimbra, Portugal: Quarteto.
Bronfenbrenner, U. (1986). Ecology of the family as a context for human development: Research perspectives. Developmental Psychology, 22(6), 723-42.
Bushfield, S., Fitzpatrick, T., & Vinick, B. (2008). Perceptions of “impingement” and marital satisfaction among wives of retired husbands. Journal Women Aging, 20(3-4), 199-213.
Fernandes, A. (2008). Questões demográficas. Lisboa, Portugal: Edições Colibri.
Fonseca, A. (2011). Reforma e reformados. Coimbra, Portugal: Almedina.
Hanson, S. (2005). Enfermagem de cuidados de saúde à família (2ª ed). Lisboa, Portugal: Lusociência.
Hermon, D., & Lent, J. (2012). Transition from career to retirement: A psychoeducational group design. Career Planning and Adult Development Journal, 3, 33-57.
Loureiro, H. (2014). “Passagem à reforma”: Uma vivência a promover em cuidados de saúde primários. In A. Fonseca (org), Envelhecimento, saúde e doença: Novos desafios para a prestação de cuidados a idosos (pp. 123-151). Lisboa, Portugal: Coisas de Ler.
Loureiro, H., Fonseca A., & Veríssimo M. (2012). Evolução dos comportamentos e do estado de saúde na passagem à reforma. Revista de Enfermagem Referência, 3(8), 44-56. Recuperado de http://www.scielo.gpeari.mctes.pt/pdf/ref/vserIIIn8/serIIIn8a05.pdf
Loureiro, H. (2011). Cuidar na “entrada na reforma”: Uma intervenção conducente à promoção da saúde de indivíduos e de famílias (Tese de doutoramento, Universidade de Aveiro, Portugal).
Marmot, M., Allen, J., Bell, R., Bloomer, E., & Goldblatt, P. (2012). WHO European review of social determinants of health and the health divide. Lancet, 380, 1011–29.
Meleis, A. (2010). Transition’s theory: Middle range and situation specific theories in research and practice. New York, USA: Springer.
Mintzer, D., & Taylor, R. (2012). Working with Couples in “Retirement Transition”. Career Planning and Adult Development Journal, 28(2), 46-57.
Nuss, E., & Schroeder, C. (2002). Life planning: Preparing for transitions and retirement. New Directions for Student Services, 98, 83-94.
Ribeiro, M. (2005). Casais de meia-idade: Estudos com casais portugueses numa perspectiva sistémica. Psicologia, 19(1-2), 57-85.
Smilkstein, G (1978). The family APGAR: A proposal for a family function test and it’s used by physicians. The Journal Family Practice, 6(6), 12-31.
Wright, L., & Leahey, M. (2012). Nurses and families: A guide to family assessment and intervention (6ª ed.). Philadelphia, USA: F.A. Davis.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
05 Rev. Enf. Ref. RIV14073 english.pdf
05 Rev. Enf. Ref. RIV14073 portuguese.pdf


[ Detalhes da edição ]