Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Perceção das mães sobre as práticas dos enfermeiros na promoção do aleitamento materno
Autores:  Raquel José Silva Castro*; Ernestina Maria Batoca Silva**; Daniel Marques Silva***
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2015-11-14
Aceite para publicação:  2015-06-01
Secção:  Artigo
Ano:  2015
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV14077
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: Amamentar é um ato cujo sucesso depende de fatores históricos, socioculturais e psicológicos da mãe, assim como do compromisso e conhecimento técnico-científico dos profissionais de saúde na promoção e apoio ao aleitamento materno.
Objectivos: Identificar a perceção das mães sobre as práticas dos enfermeiros na promoção do aleitamento materno.
Metodologia: Estudo quantitativo, descritivo-correlacional, numa amostra não probabilística intencional de 88 mães de crianças entre os 2 dias e 3 anos. Utilizámos 1 questionário aplicado em maio de 2012.
Resultados: As práticas dos enfermeiros experienciadas por 43,2% das mães foram consideradas pelos investigadores como razoáveis e em 29,5% das mães as práticas foram consideradas como más. A escolaridade, o local e tempo dedicado à atividade laboral estão relacionadas com a perceção das mães sobre as práticas na promoção do aleitamento materno.
Conclusão: Os enfermeiros deverão refletir sobre as suas práticas e sua formação em aleitamento materno, motivando as mães não apenas numa perspetiva técnica e normativa mas também numa vertente psicossocial, adequando as suas práticas às necessidades de cada mulher.

Palavras-chave
aleitamento materno; mães; conhecimentos, atitudes e práticas em saúde; papel do enfermeiro.
Andrade, M. P., Oliveira, M. I., Bezerra Filho, J. G., Bezerra, M. G., Almeida, L. S., & Veras, M. A. (2009). Desmame precoce: Vivência entre mães atendidas em unidade básica de saúde em Fortaleza-Ceará. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 10(1), 104-113.
Araújo, O. D., Cunha, A. L., Lustosa, L. R., Nery, I. S., Mendonça, R. C., & Campelo, S. M. (2008). Aleitamento materno: Fatores que levam ao desmame precoce. Revista Brasileira de Enfermagem, 61(4), 489-92.
Azevedo, D., Reis, A., Freitas, L., Costa, P., Pinheiro, P., & Damasceno, A. (2010). Conhecimento de primíparas sobre os benefícios do aleitamento materno. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 11(2), 53-62.
Bassichetto, K., & Réa, M. (2008). Aconselhamento em alimentação infantil: Um estudo de intervenção. Jornal de Pediatria, 84(1), 75-82.
Brito, H., Alexandrino, A. M., Godinho, C., & Santos, G. (2011). Experiência do aleitamento materno. Acta Pediátrica Portuguesa, 42(5), 209-214.
Brown, A., Raynor, P., & Lee, M. (2011). Young mothers who choose to breast feed: The importance of being part of a supportive breast-feeding community. Midwifery, 27(1), 53-59.
Costa, L. O., Queiroz, L. C., Queiroz, R. C., Ribeiro, T. F., & Fonseca, M. S. (2013). Importância do aleitamento materno exclusivo: Uma revisão sistemática da literatura. Revista de Ciências da Saúde, 15(1), 39-46.
Cunha, A. C., Santos, C., & Gonçalves, R. M. (2012). Concepções sobre maternidade, parto e amamentação em grupo de gestantes. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 64(1), 139-155.
Direção Geral de Saúde. (2012). Registo do aleitamento materno: Relatório julho 2010 - junho de 2011. Lisboa, Portugal: Autor.
Kronborg, H., Vaeth, M., Olsen J., Iversen, L., & Harder, I. (2007). Effect of early postnatal breastfeeding support: A cluster-randomized community based trial. Acta Paediatrica 96(7), 1064-70.
Lourenço, R. (2009). Aleitamento materno, uma prioridade para o século XXI. Revista Portuguesa de Clínica Geral, 25(3) , 344-346.
Parizotto, J., & Zorzi, N. T. (2008). Aleitamento Materno: Fatores que levam ao desmame precoce no município de Passo Fundo, RS. O Mundo da Saúde, 32(4), 466-474.
Pinto, T. (2008). Promoção, protecção e apoio ao aleitamento materno na comunidade. Revisão das estratégias no período pré-natal e após a alta. Arquivos de Medicina, 22(2/3), 57-68.
Pinto, S. A. & Silva, E. B. (2013). Qualidade e satisfação com o serviço de urgência pediátrica: A perspetiva dos acompanhantes das crianças. Referência, 3(9), 95-103.
Rebimbas, S., Pinto, C., & Pinto, R. (2010). Aleitamento materno: Análise da situação num meio semi-urbano. Nascer e crescer, 19(2), 68-73.
Rocha, A., Leal, I., & Maroco, J. (2008). Efeito do aleitamento materno na saúde, bem estar e desenvolvimento infantil: Um estudo preliminar. International Journal of Developmental and Educational Psychology, 1(1), 55-62.
Silvestre, P. K., Carvalhaes, M. A., Venâncio, S. I., Tonete, V. L., & Parada, C. M. (2009). Conhecimentos e práticas de profissionais de saúde sobre aleitamento materno em serviços públicos de saúde. Revista Latina-Americana de Enfermagem, 17(6). Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/rlae/v17n6/pt_05
Takushi, S., Tanaka, A., Gallo, P., & Machado, M. (2008). Motivação de gestantes para o aleitamento materno. Revista de Nutrição, 21(5), 491-502.
UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância. (2014). Comissão Nacional: Iniciativa hospitais amigos dos bebés. Retrieved from http://www.unicef.pt/artigo.php?mid=18101114&m=5&sid=1810111414&cid=5376.
World Health Organization. (2009). Infant and young child feeding: Model Chapter for textbooks for medical students and allied health professionals. Geneve, Switzerland: Author.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
07 Rev. Enf. Ref. RIV14077 portuguese.pdf
07 Rev. Enf. Ref. RIV14077 english.pdf


[ Detalhes da edição ]