Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Design emocional e as suas contribuições para a tecnologia educacional digital na saúde e na enfermagem: revisão integrativa
Autores:  Luciana Mara Monti Fonseca*; Min Lun Tsai**; Danielle Monteiro Vilela Dias***; Carmen Garcinda Silvan Scochi****; Ananda Maria Fernandes*****; José Carlos Amado Martins******; Manuel Alves Rodrigues*******
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2015-01-22
Aceite para publicação:  2015-05-07
Secção:  Artigo
Ano:  2015
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV14011

Resumo
Contexto: Na educação, as tecnologias digitais têm elevada utilidade. Entre outros, o design emocional é central na satisfação do utilizador.
Objetivos: Identificar as contribuições do design emocional na tecnologia educacional para saúde e enfermagem.
Metodologia: Revisão integrativa nas bases LILACS, MEDLINE, PsycINFO e IndexPsi, de 2001 a 2011, procurando publicações sobre design, emoção, tecnologia educacional, saúde e enfermagem. Construído o protocolo da revisão e realizada a categorização temática.
Resultados: Pelos critérios de inclusão e exclusão foram considerados 5 estudos primários, em que 40% destes foram classificados como muito bons e 60% bons, de acordo com a capacidade de responder à questão norteadora. A maioria apresenta baixo nível de evidência. Da metassíntese qualitativa levantamos que o design da tecnologia auxilia na motivação do estudante e feedback da aprendizagem, possibilita a interação entre os estudantes e mediadores da aprendizagem e potencializa a ligação entre teoria e prática.
Conclusão: Apesar de importante, a análise e discussão acerca do design emocional na tecnologia educacional é incipiente na saúde e enfermagem, sendo fundamental mais investigação.

Palavras-chave
instrução por computador; design; emoção; tecnologia educacional.
Beecham, S., Baddoo, N., Hall, T., Robinson, H., & Sharp, H. (2008). Motivation in software engineering: A systematic literature review. Information and Software Technology, 50(9-10), 860-878. doi: 10.1016/j.infsof.2007.09.004
Buccini, M., & Padovani, S. (2005). Uma introdução ao design experiencial. Estudos em Design, 13(2), 63-75.
Buzzell, P. R., Chamberlain, V. M., & Pintauro, S. J. (2002). The effectiveness of webbased, multimedia tutorials for teaching methods of human body composition 17 analysis. Advances in Physiology Education, 26(1), 21-29. doi: 10.1152/advan.00007.2001
Costa, C. R., & Cardoso, A. V. (2010). Aprendizagem científica e tecnológica no ensino: Uma experiência de design de material didático em 3D. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 17(5), 147-155.
Damazio, V. (2005). Artefatos de memória da vida cotidiana: Um olhar interdisciplinar sobre as coisas que fazem bem lembrar (Tese de doutoramento não publicada). Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Brasil
Desmet, P., & Hekkert, P. (2007). Framework of product experience. International Journal of Design, 1(1), 57-66.
Griffin, J. D. (2003). Technology in the teaching of neuroscience: Enhanced student learning. Advances in Physiology Education, 27(3), 146-155. doi: 10.1152/advan.00059.2002
International Council of Societies of Industrial Design. (2008). Definition of desing. Retrieved from http://www. icsid.org/about/about/articles31.htm
Joanna Briggs Institute. (2012). Education and Learnning. Retrieved from http//www.joannabriggs.org/
Kamin, C., O’sullivan, P., Deterding, R., & Youger, M. (2003). A comparison of critical thinking in groups of third-year medical students in text, video, and virtual PBL case modalities. Academic Medicine, 78(2), 204- 211.
Kitchenham, B. (2007). Procedures for Performing Systematic Reviews. Joint Technical Report, TR/SE-0401 and NICTA 0400011T.1, Keele University. Retrieved from http://www.idi.ntnu.no/emner/empse/papers/kitchenham_2004.pdf
Moran, J. M., Macrae, C. N., Heatherton, T. F., Wyland, C. L., & Kelley, W. M. (2006). Neuromatical evidence for distinct cognitive and affective components of self. Journal of Cognitive Neuroscience, 18(9), 1586-1594. doi: 10.1162/jocn.2006.18.9.1586
Oates, J. B., & Capper G. (2009). Using systematic reviews and evidence-based software engineering with masters students. In Proceedings of the International Conference on Evaluation & Assessment in Software Engineering, Durham University, United Kingdom, 20-21 April 2009 (pp. 79-87). Swinton, United Kingdom: British Computer Society.
Padalino, Y., & Peres, H. H. (2002). Elearning: Estudo comparativo da apreensão do conhecimento entre enfermeiros. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 15(3), 397-403. doi: 10.1590/S0104-11692007000300006
Rawson, R. E., & Quinlan, K. M. (2002). Evaluation of a computer-based approach to teaching acid/base physiology. Advances in Physiology Education, 26(2), 85-97. doi: 10.1152/advan.00042.2001
Reynolds, P. A., Harper, J., Mason, R., Cox, M. J., & Eaton, K. (2008). An intricate web : Designing and authoring a web-based course. British Dental Journal, 204(9), 519-524. doi: 10.1038/sj.bdj.2008.351
Scolari, S. H. (2008). Design e emoção : Um modelo de círculos de referências de emoções em produtos (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, São Paulo, Brasil.
Struchiner, M., & Ricciardi, R. M. (2003). Princípios, modelos e tecnologias de informação e comunicação em processos educativos das ciências biomédicas e da saúde. Revista Rio de Janeiro, 11(5), 56-63.
Zimmer L. (2006). Qualitative meta-synthesis: A question of dialoging with texts. Journal of Advanced Nursing, 53(3), 311-18. doi: 10.1111/j.1365-2648.2006.03721.x
Texto integral
Total: 0 registo(s)
14 Rev. Enf. Ref. RIV14011 english.pdf
14 Rev. Enf. Ref. RIV14011 portuguese.pdf


[ Detalhes da edição ]