Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Cuidar da Pessoa com Doença Avançada na Comunidade: Estudo Fenomenológico
Autores:  Maria Amélia Leite Ferreira; Alexandra Manuela Nogueira de Andrade Pereira; José Carlos Amado Martins
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2015-06-05
Aceite para publicação:  2016-01-11
Secção:  Artigo de Investigação
Ano:  2015
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV15029

Resumo
Enquadramento: O envelhecimento demográfico e o aumento da prevalência de doenças crónicas, progressivas e incapacitantes fundamentam a importância do cuidador na comunidade.
Objetivos: Descrever e analisar o significado da experiência vivida pelos cuidadores da pessoa com doença avançada na comunidade.
Metodologia: Estudo fenomenológico, segundo método de Giorgi, recorrendo a entrevista semiestruturada. Entrevistaram-se 8 cuidadores que residem na região interior do norte de Portugal, de janeiro a maio de 2013.
Resultados: Identificaram-se 8 temas: Ser cuidador de pessoa com doença avançada em contexto comunitário; comunicação; respeito pela dignidade humana; fatores dificultadores e fatores facilitadores; mecanismos de coping; sentimentos positivos e negativos.
Conclusão: Os cuidadores das pessoas com doença avançada na comunidade vivenciam experiências diversas com repercussões positivas e negativas na sua vida e saúde. Embora surjam dificuldades e sentimentos negativos, como medo e tristeza, os fatores facilitadores do cuidado e sentimentos positivos, como satisfação e esperança, são também percetíveis nos discursos dos cuidadores. Sugere-se uma reflexão acerca da organização dos cuidados, e da formação e atuação dos profissionais de saúde neste contexto.

Palavras-chave
comunidade; cuidados paliativos; cuidadores
Benzein, E., Norberg, A., & Saveman, B. (2001). The meaning of the lived experience of hope in patients with cancer in palliative home care. Palliative Medicine, 15(2), 117-126. doi: 10.1191/026921601675617254
Bocchi, S. C. (2004). Vivenciando a sobrecarga ao vir-a-ser um cuidador familiar de pessoa com acidente vascular cerebral (AVC): Uma análise de conhecimento. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 12(1), 115-121. doi: 10.1590/S0104-11692004000100016
Cerqueira, M. (2012). O cuidador e o doente paliativo no Alto Minho: Necessidades/dificuldades dos cuidadores no domicilio. In A. Barbosa (Coord.), Investigação qualitativa em cuidados paliativos (pp. 169-188). Lisboa, Portugal: Universidade de Lisboa, Faculdade de Medicina, Centro de Bioética, Núcleo de Cuidados Paliativos.
Cohen, C., Colantonio, A., & Vernich, L. (2002). Positive aspects of caregiving: Rounding out the caregiver experience. International Journal of Geriatric Psychiatry, 17(2), 184-188. doi: 10.1002/gps.561
Cruz, D. C., Loureiro, H. A., Silvia, M. A., & Fernandes, M. M. (2010). As vivências do cuidador informal do idoso dependente. Revista de Enfermagem Referência, 3(2), 127-136. doi: 10.12707/RIII1018
Currow, D., Burns, C., Agar, M., Phillips, J., McCaffrey, N., & Abernethy, A. (2011). Palliative caregivers who would not take on the caring role again. Journal of Pain and Symptom Management, 41(4), 661-672. doi:10.1016/j.jpainsymman.2010.06.017
Funk, L., Stajduhar, K., Toye, C., Aoun, S., Grande, G., & Todd, C. (2010). Part 2: Home-based family caregiving at the end of life: A comprehensive review of published qualitative research (1998-2008). Palliative Medicine, 24(6), 594-607. doi: 10.1177/0269216310371411
Hudson, P., Thomas, T., Quinn, K., Cockayne, M., & Braithwaite, M. (2009). Teaching family carers about home-based palliative care: Final results from a group education program. Journal of Pain and Symptom Management, 38(2), 299-308. doi:10.1016/j.jpainsymman.2008.08.010
Madureira, M. (2012). Cuidar do cuidador informal da pessoa em situação terminal. In A. Barbosa (Coord.), Investigação qualitativa em cuidados paliativos (pp. 147-167). Lisboa, Portugal: Universidade de Lisboa, Faculdade de Medicina, Centro de Bioética, Núcleo de Cuidados Paliativos.
Marques, M., Teixeira, H., & Souza, D. (2012). Cuidadoras informais de Portugal: Vivências do cuidar de idosos. Trabalho, Educação & Saúde, 10(1), 147-159. doi: 10.1590/S1981-77462012000100009
Oliveira, W. T., Antunes, F., Inoue, L., Reis, L. M., Araújo, C. R., & Marcon, S. S. (2012). Vivência do cuidador familiar na prática do cuidado domiciliar ao doente crônico dependente. Ciência, Cuidado e Saúde, 11(1), 129-137. doi: 10.4025/cienccuidsaude.v11i1.18869
Pavarini, S. C., Melo, L. C., Silva, V. M., Orlandi, F. S., Zazzeta de Mendiondo, M. S., Filizola, C. L., & Barham, E. J. (2008). Cuidando de idosos com Alzheimer: A vivência de cuidadores familiares. Revista Electrónica de Enfermagem, 10(3), 580-590.
Payne, S. (2010). White paper on improving support for family carers in palliative care: Part 1: Recommendations from the European Association for Palliative Care (EAPC) Task Force on Family Carers. European Journal of Palliative Care, 17(5), 238-245.
Proot, I., Abu-Saad, H., Crebolder, H., Goldsteen, M., Luker, K., & Widdershoven, G. (2003). Vulnerability of family caregivers in terminal palliative care at home: Balancing between burden and capacity. Scandinavian Journal of Caring Sciences, 17(2), 113-121. doi: 10.1046/j.1471-6712.2003.00220.x
Sequeira, C. (2013). Difficulties, coping strategies, satisfaction and burden in informal Portuguese caregivers. Journal of Clinical Nursing, 22(3-4), 491-500. doi: 10.1111/jocn.12108
Souza, N. R., Oliveira, A. A., Oliveira, M. M., Santos, C. V., Silva, A. C., Benemérita, A., & Vilela, A. (2005). Olhar sobre o cuidador de idosos dependentes. Revista Saúde.Com, 1(1), 51-59.
Stajduhar, K., Funk, L., & Outcalt, L. (2013). Family caregiver learning: How family caregivers learn to provide care at the end of life: A qualitative secondary analysis of four datasets. Palliative Medicine, 27(7), 657-664. doi: 10.1177/0269216313487765
Streubert, H. J., & Carpenter, D. R. (2002). Investigação qualitativa em enfermagem: Avançando o imperativo humanista (2ª ed.). Loures, Portugal: Lusociência.
Surribas, M. B., & Fontanella, J. C. (2006). La información sanitaria y la participación activa de los usuarios. Barcelona, Espanha: Fundació Víctor Grífols i Lucas.
Worldwide Palliative Care Alliance (2014). Global atlas of palliative care at the end of life. London, England: World Health Organization.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_Jan2016_45to53 ENGL.pdf
REF_Jan2016_45to53 PORT.pdf


[ Detalhes da edição ]