Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Viver e Cuidar Após o Acidente Vascular Cerebral
Autores:  Inês Filipa Guerra da Silva; Conceição Fernandes da Silva Neves; Ana Cláudia Gomes Vilela; Lília Marisa Dias Bastos; Marina Ivone Lamego Silva Henriques
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2015-08-31
Aceite para publicação:  2016-02-01
Secção:  Artigo de Investigação
Ano:  2015
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV15047

Resumo
Enquadramento: O acidente vascular cerebral (AVC) pode provocar alterações permanentes no paciente e no prestador de cuidados (PC) e consequentemente na qualidade de vida (QV).
Objetivos: Avaliar a perceção da QV dos prestadores de cuidados e dos pacientes com AVC internados na Unidade de Acidentes Vasculares Cerebrais do Centro Hospitalar do Baixo Vouga.
Metodologia: Estudo quantitativo, descritivo e transversal, com amostra não probabilística por conveniência.
Resultados: As variáveis sociodemográficas e clínicas influenciam a QV. Dois meses após o AVC, tanto os pacientes como os PC apresentam pior QV.
Conclusão: Ao compararmos a QV do paciente e do PC tanto no momento de internamento como na reavaliação aos 2 meses (após a alta) concluímos que ambos têm pior QV aos 2 meses após o AVC. Concluímos ainda que o PC apresenta melhor QV do que o paciente, no entanto a diferença não é estatisticamente significativa.

Palavras-chave
acidente vascular cerebral; qualidade de vida; cuidadores; enfermagem; paciente
Alves S., Rodrigues, R., Fernandes, S., Vieira, H., & Fragoeiro, I. (2012). Avaliação da depressão pós AVC em pacientes com afasia. Revista Sinapse, 12(1), 239-240.
Batista, M. V. (2012). Generalidades sobre AVC no adulto jovem. Revista Sinapse, 12(1), 206.
Brito, L. (2002). A saúde mental dos prestadores de cuidados a familiares idosos. Coimbra: Quarteto Editora ISBN:9789728717193
Campos, M. O., & Neto, J. F. (2008). Qualidade de vida: Um instrumento para promoção de saúde. Revista Baiana de Saúde Pública, 32(2), 232-240.
Cerveira, J. A., (2011). Independência funcional nos pacientes com AVC: Determinantes sociodemográficas e clínicas (Dissertação de mestrado). Retrieved from http://hdl.handle.net/10400.19/1616
Instituto Nacional de Estatística. (2010). Anuário Estatístico 2010. Retrieved from https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpgid=ine_main&xpid=INE&xlang=pt
Leal, C. (2008). Reavaliar o conceito de qualidade de vida (Dissertação de mestrado). Universidade dos Açores, Ponta Delgada, Portugal.
Marques, F. M. (2012). Independência funcional do paciente pós AVC (Dissertação de mestrado). Retrieved from http://hdl.handle.net/10400.19/1619
Martins, T., Ribeiro, J. L., & Garret, C. (2003). Estudo de Validação do Questionário de Avaliação da Sobrecarga para Cuidadores Informais. Psicologia Saúde & Doenças 4 (1), 131-148.
Ordem dos Enfermeiros, Conselho de Enfermagem. (2009). Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados: Referencial do enfermeiro. Retrieved from http://www.ordemenfermeiros.pt/documentosoficiais/Documents/RNCCI%20-%20v.FINAL%20Referencial%20do%20Enfermeiro%20-%20Abril%202009.pdf
Pinto, E. M. (2011). Independência funcional e regresso ao domicílio: Variável chave para a enfermagem de reabilitação (Dissertação de mestrado). Retrieved from http://hdl.handle.net/10400.19/1617
World Health Organization. (1997). Countries – Portugal Retrieved from http://www.who.int/countries/prt/en/
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_Jan2016_103to111 ENGL.pdf
REF_Jan2016_103to111 PORT.pdf


[ Detalhes da edição ]