Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  A Adesão à Terapêutica Imunossupressora na Pessoa Transplantada Renal: Revisão Integrativa da Literatura
Autores:  Pedro Ricardo Coelho Gonçalves; Anaísa Ferreira Reveles; Helena Isabel Fernandes Martins; Inês Lourenço Rodrigues; Susana Margarida Miranda Rodrigues
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2014-09-15
Aceite para publicação:  2015-04-06
Tipo:  Artigo de Revisão
Ano:  2015
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV14063

Resumo
Enquadramento: O transplante renal exige da pessoa uma estrita adesão à terapêutica imunossupressora. A não-adesão é um problema multifatorial e comum entre as pessoas transplantadas renais.
Objetivos: Identificar os fatores que influenciam a adesão à terapêutica imunossupressora na pessoa transplantada renal.
Metodologia: Trata-se de uma revisão integrativa da literatura. Após estabelecimento dos critérios de inclusão e exclusão e análise dos investigadores foram selecionados 10 artigos primários, publicados entre 2009-2014 e pesquisados nas plataformas eletrónicas EBSCOhost e Biblioteca do Conhecimento Online que deram resposta à questão de revisão.
Resultados: Os principais fatores que contribuem para a adesão à terapêutica imunossupressora são os socioeconómicos e culturais (idade, sexo, escolaridade, situação profissional), relacionados com a pessoa (esquecimento, rotinas diárias), com a doença (tempo de transplante, depressão) e com o tratamento (complexidade do regime terapêutico).
Conclusão: O facto de se conhecerem os fatores que influenciam a adesão permite delinear intervenções de enfermagem (educacionais e comportamentais) que promovam a adesão à terapêutica imunossupressora, com ganhos em saúde para a pessoa.

Palavras-chave
adesão à medicação; fatores de risco; transplante de rim
Bleser, L., Matteson, M., Dobbels, F., Russell, C., & Geest, S. (2009). Interventions to improve medication-adherence after transplantation: A systematic review. Transplant International, 22, 780-797.
Botelho, L., Cunha, C. & Macedo, M. (2011). O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e Sociedade, 5(11), 121-136.
Bugalho, A., & Carneiro, A. V. (2004). Intervenções para aumentar a adesão terapêutica em patologias crónicas. Lisboa, Portugal: Centro de Estudos de Medicina Baseada na Evidência.
Cabral, M. V., & Silva, P. A. (2010). A adesão à terapêutica em Portugal: Atitudes e comportamentos da população portuguesa perante as prescrições médicas. Retrieved from https://www.apifarma.pt/estudos/siteestudos/Documents/Conclus%C3%B5es%20Ades%C3%A3o%20%C3%A0%20Terap%C3%AAutica%20PT.pdf.
Chisholm-Burns, M. A., Spivey, C. A., & Wilks, S. E. (2010). Social support and immunosuppressant therapy adherence among adult renal transplant recipients. Clinical Transplantation, 24, 312-320.
Chisholm-Burns, M., Pinsky, B., Parker, G., Johnson, P., Arcona, S., Buzinec, P.,… Cooper, M. (2012). Factors related to immunosuppressant medication adherence in renal transplant recipients. Clinical Transplantation, 26, 706-713.
Dias, A. M., Cunha, M., Santos, A. M. M., Neves, A. P. G., Pinto, A. F. C., Silva, A. S. A., & Castro, S. A. (2011). Adesão ao regime terapêutico na doença crónica: Revisão da literatura. Millenium, 40, 201-219.
Fine, R. N., Becker, Y., Geest, S., Eisen, H., Ettenger, R., Evans, R., & Dobbels, F. (2009). Nonadherence consensus conference summary report. American Journal of Transplantation, 9, 35-41.
Griva, K., Davenport, A., Harrison, M., & Newman, S. P. (2012). Non-adherence to immunosuppressive medications in kidney transplantation: Intent vs. forgetfulness and clinical markers of medication intake. Annals of Behavioral Medicine, 44, 85-93.
International Council of Nurses. (2009). Estabelecer parcerias com os indivíduos e as famílias para promover a adesão ao tratamento: Catálogo da classificação internacional para a prática de enfermagem (CIPE®). Lisboa, Portugal: Ordem dos Enfermeiros.
International Council of Nurses. (2011). CIPE® Versão 2: Classificação internacional para a prática de enfermagem. Lisboa, Portugal: Ordem dos Enfermeiros.
Ministério da Saúde. Direção-Geral da Saúde. (2012). Tratamento conservador médico da insuficiência renal crónica estádio 5. Lisboa, Portugal: Autor.
Ordem dos Enfermeiros. Conselho de Enfermagem. (2012). Padrões de qualidade dos cuidados de enfermagem: Enquadramento conceptual, enunciados descritivos. Lisboa, Portugal: Author.
Steele, E., Bialocerkowski, A., & Grimmer, K. (2003). The postural effects of load carriage on young people: A systematic review. BioMed Central, 4(12), 1-7.
Weng, F. L., Chandwani, S., Kurtyka, K. M., Zacker, C., Chisholm-Burns, M. A., & Demissie, K. (2013). Prevalence and correlates of medication non-adherence among kidney transplant recipients more than 6 months post-transplant: A cross-sectional study. BMC Nephrology, 14(261).
World Health Organization. (2003). Adherence to long-term therapies: Evidence for action. Geneva, Switzerland: Author.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_Jan2016_121to131 ENGL.pdf
REF_Jan2016_121to131 PORT.pdf


[ Detalhes da edição ]