Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  A pessoa submetida a transplante de fígado: caracterização do estilo de gestão do regime terapêutico
Autores:  Liliana Mota*; Fernanda Santos Bastos**; Maria Alice Correia Brito***
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2017-01-23
Aceite para publicação:  2017-05-14
Secção:  Artigo de Investigação
Ano:  2017
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV17006

Resumo
Enquadramento: A caracterização do estilo de gestão do regime terapêutico pode ajudar a predizer a forma como as pessoas irão gerir os seus regimes terapêuticos, após transplante de fígado.
Objetivos: Caracterizar o estilo de gestão do regime terapêutico das pessoas submetidas a transplante de fígado e compreender o seu impacto nos indicadores de sucesso.
Metodologia: Estudo quantitativo, descritivo e exploratório, utilizando o instrumento de caracterização do estilo de gestão do regime terapêutico.
Resultados: O estilo de gestão do regime terapêutico distribui-se predominantemente num estilo próximo do res¬ponsável (51,3%), e do tipo indefinido (47,4%), apresentando características dos 4 estilos teóricos. Os indicadores qualitativos do sucesso e da intensidade de alteração dos valores analíticos não se correlacionam significativamente com os estilos de gestão do regime terapêutico.
Conclusão: O estilo predominante da amostra é o responsável. Há um fraco impacto dos estilos de gestão do regime terapêutico na intensidade de alteração dos valores analíticos e indicadores qualitativos. A descrição do estilo permite antecipar dificuldades e a implementação de terapêuticas de enfermagem dirigidas às características individuais.



Palavras-chave
transplante de fígado; autocuidado; enfermagem
Backman, K., & Hentinen, M. (1999). Model for the self-care of home-dwelling elderly. Journal of Ad¬vanced Nursing, 30(3), 564-572.
Backman, K., & Hentinen, M. (2001). Factors associat¬ed with the self-care of home-dwelling elderly. Scan¬dinavian Journal Caring Sciences, 15(3), 195-202.
Baldoni, L., De Simone, P., Paganelli, R., Traballoni, L., Elisei, M., Bindi, L., … Filipponi, F. (2008). The “You Are Not Alone” care program for liver transplan¬tation. Transplantation Proceedings,40(6),1983-1985. doi: 10.1016/j.transproceed.2008.05.066.
Bastos, F. (2015). Teoria explicativa sobre a gestão da doen¬ça e do regime terapêutico: A transição para a doença crónica. Porto, Portugal: Novas Edições Acadêmicas.
Bastos, F., Brito, A., & Pereira, F. (2014). Self-manage¬ment in chronic illness: From theory to the practice. Recuperado de http://www.nursinglibrary.org/vhl/handle/10755/335655
Bucuvalas, J., Alonso, E., Magee, J. C., Talwalkar, J., Hanto, D., & Doo, E. (2008). Improving long-term outcomes after liver transplantation in children. American Journal of Transplantation, 8(12), 2506-2513. doi: 10.1111/j.1600-6143.2008.02432.x. Epub 2008 Oct 6.
Jindel, R., Joseph, J., Morris, M. C., Santella, R., & Baines, L. (2003). Noncompliance after kidney transplantation: A sistematic review. Transplantation Proceedings, 35(8), 2868-2872.
Kazley, A., Hund, J., Simpson, K. N., Chavin, K., & Baliga, P. (2015). Health literacy and kidney trans¬plant outcomes. Progress in Transplantation, 25(1), 85-90. doi: 10.7182/pit2015463
Meireles, M. R. (2014). O instrumento de caraterização do estilo de gestão do regime terapêutico: contributo para a validação (Master’s dissertation). Universidade do Porto, Instituto Ciências Biomédicas Abel Salazar, Portugal.
Mendes, K. D., Silva Junior, O., Ziviani, L. C., Rossin, F. M., Zago, M. M., & Galvão, C. M. (2013). Educa¬tional intervention for liver transplantation candidates.
Revista Latino-Americana de Enfermagem, 21(1), 1-7. doi 10.1590/S0104-11692013000100018
Mota, L. (2011). O perfil de autocuidado dos clientes: Exploração da sua influência no sucesso após transplante hepático (Master’s dissertation). Escola Superior de Enfermagem do Porto, Portugal.
Mota, L., Rodrigues, L., & Pereira, I. (2011). A transição no transplante hepático: Um estudo de caso. Revista de Enfermagem Referência, 3(5), 19- 26.
Omachi, T., Sarkar, U., Yelin, E., Blanc, P., & Katz, P. (2013). Lower health literacy is associated with poorer
health status and outcomes in chronic obstructive pulmonary disease. Journal of General Internal Medicine,
28(1), 74-81.
Sequeira, E. (2011). Os perfis de autocuidado dos clientes dependentes: Estudo exploratório numa unidade de saúde familiar (Master’s dissertation). Universidade Católica Portuguesa, Escola Superior de Biotecnologia, Porto, Portugal.
Telles-Correia, D., Mega, I., Barbosa, A., Barroso, E., & Monteiro, E. (2008). Coping nos doentes transplantados.
Acta Médica Portuguesa, 21(2), 141-148.
Yang, L. S., Shan, L. L., & Morris, D. L. (2014). Liver transplantation: A systematic review of long-term quality of life. Liver International, 34(9), 1298-1313.
World Health Organization, Regional Office for South-East Asia (2009). Self-care in the context of primary health care. New Delhi, India: Author.
Zeleznik, D. (2007). Self-care of the home-dwelling elderly people living in Slovenia (Academic dissertation). University of Oulu, Faculty of Medicine, Finland.

Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_Jun2017_19to30_port.pdf
REF_Jun2017_19to30_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]