Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Escala de Observação do Risco de Lesão da Pele em Neonatos: validação estatística com recém-nascidos
Autores:  Cláudia Olho Azul Martins*; Maria Alice dos Santos Curado**
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2016-11-24
Aceite para publicação:  2017-01-31
Secção:  Artigo de Investigação
Ano:  2017
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV16082

Resumo
Enquadramento: A pele do recém-nascido é caracterizada como delicada, fina e frágil. Estas características, associadas à imaturidade dos sistemas e à utilização de dispositivos médicos, imprescindíveis à sua sobrevivência, aumentam o risco de lesão da pele. Esta predisposição para o aparecimento de lesões exige dos profissionais de saúde uma rigorosa observação e avaliação do risco, com instrumentos validados especificamente para esta população.
Objetivos: Fazer a adaptação cultural e linguística e avaliação das qualidades psicométricas da Neonatal Skin Risk Assessment Scale (NSRAS).
Metodologia: Estudo quantitativo, numa amostra de 131 recém-nascidos. Na estimação da sensibilidade, validade e fiabilida-de da NSRAS recorreu-se à análise fatorial confirmatória e alfa de Cronbach.
Resultados: Os índices de qualidade de ajustamento são indicadores de um bom ajustamento (2χ(8)=28,415; X2/df = 3,55; p<0,001; 23,55;dfχ=CFI=0,959; GFI=0,965; TLI=0,923 e RMSEA=0,099; P(RMSEA ≤0,05)<0,001; n=131).
Conclusão: O estudo das qualidades psicométricas da NSRAS revela adequada estrutura fatorial na avaliação do risco de lesões por pressão nos recém-nascidos pré-termo e, consequentemente, um bom instrumento para investigação.



Palavras-chave
recém-nascido; pele; escala; estudos de validação
Association of Women’s Health, Obstetric and Neonatal Nurses. (2007). Neonatal skin care: Evidence-based clinical practice guideline (2ª ed.). Washington, USA: Author.
Barel, O., Paye, M., & Maibach, I. (2009). Handbook of cosmetic science and technology. Nova Iorque, USA: Informa Healthcare.
Blume-Peytavi, U., Hauser, M., Stamatas, G. N., Pathi¬rana, D., & Garcia, B. N. (2012). Skin care practices for newborn and infants: Review of the clinical evi¬dence for best practices. Pediatric Dermatology, 29(1), 1-14. doi:10.1111/j.1525-1470.2011.01594.x
Butler, C. T. (2007). Pediatric skin care: Guidelines for assessment, prevention and treatment. Dermatology Nursing, 19(5), 471-486.
Curado, M. A., Teles, J., & Marôco, J. (2014). Analysis of variables that are not directly observable: Influence on decision-making during the research process. Revis¬ta da Escola de Enfermagem da USP, 48(1), 146-152. doi:10.1590/S0080-623420140000100019
Direção Geral de Saúde. (2011). Escala de Braden: Versão adulto e pediátrica. Lisboa, Portugal: Autor. Re¬cuperado de http://www.dgs.pt/upload/membro.id/ficheiros/i015800.pdf
European Pressure Ulcer Advisory Panel, National Pres¬sure Ulcer Advisory Panel. (2013). Prevention and treatment of pressure ulcers: Quick reference guide. Washington, USA: Author.
Fernandes, L. M., & Caliri, M. H. (2008). Uso da escala de Braden e de Glasgow para identificação do risco para úlceras de pressão em pacientes internados em centro de terapia intensiva. Revista Latino-America¬na de Enfermagem, 16(6), 973-978. doi:10.1590/S0104-11692008000600006
Ferreira, P., Miguéns, C., Gouveia, J., & Furtado, K. (2007). Risco de desenvolvimento de úlceras de pressão: Implementação nacional da escala de Braden. Coim¬bra. Portugal: Lusociência.
Fujii, K., Sugama, J., Okuwa, M., Sanada, H., & Mi¬zokami, Y. (2010). Incidence and risk factors of pres¬sure ulcers in seven neonatal intensive care units in Japan: A multisite prospective cohort study. Interna¬tional Wound Journal, 7(5), 323-328. doi:10.1111/j.1742-481X.2010.00688.x
Hill, M., & Hill, A. (2009). Investigação por questionário. Lisboa, Portugal: Silabo.
Huffines, B., & Lodgson, M. C. (1997). The neonatal skin risk assessment scale for predicting skin breakdown in neonates. Issues on Comprehensive Pediatrics Nursing, 20(2), 103-114. doi:10.3109/01460869709026881
Marôco, J. (2010a). Análise estatística com SPSS. Pêro Pi¬nheiro, Portugal: Report Number.
Marôco, J. (2010b). Análise de equações estruturais: Fun¬damentos teóricos, software e aplicação. Pêro Pinhei¬ro, Portugal: ReportNumber.
Marôco, J., & Garcia-Marques, L. (2006). Qual a fiabi¬lidade do alfa de Cronbach?: Questões antigas e so¬luções modernas. Laboratório de Psicologia, 4(1), 65-90. Recuperado de http://publicacoes.ispa.pt/index.php/lp/article/viewFile/763/706
Martins, C., & Tapia, C. (2009). A pele do recém-nasci¬do prematuro sob a avaliação do enfermeiro: Cuida¬do norteando a manutenção da integridade cutânea. Revista Brasileira de Enfermagem, 62(5), 778-783. doi:10.1590/S0034-71672009000500023
Ordem dos Enfermeiros. (2001). Padrões de qualidade dos cuidados de enfermagem. Lisboa, Portugal: Autor.
Ordem dos Enfermeiros. (2007). Resumo mínimo de da¬dos e core de indicadores de enfermagem para o repositó¬rio central de dados da saúde. Lisboa, Portugal: Autor.
Organização Mundial de Saúde. (2007). International statistical classification of diseases and related health problems (10ª rev.). Recuperado de http://www.who.int/classifications/apps/icd/icd100nline/
Sanada, H., Miyachi, Y., Ohura, T., Moriguchi, T., Tokunaga, K., Shido, K., & Nakagami, G. (2008). The Japanese pressure ulcer surveillance study: A ret¬rospective cohort study to determine prevalence of pressure ulcers in Japan. Wounds, 20(7). Recuperado de http://www.woundsresearch.com/article/8883
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_Jun2017_43to52_port.pdf
REF_Jun2017_43to52_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]