Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Relação entre o Sistema de Triagem de Manchester em doentes com AVC e o desfecho final
Autores:  Marisa Sofia Monteiro Pereira*; Helisamara Mota Guedes**; Luís Miguel Nunes de Oliveira***; José Carlos Amado Martins****
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2016-11-21
Aceite para publicação:  2017-03-03
Tipo:  Artigo de Investigação
Ano:  2017
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV16079

Resumo
Enquadramento: O acidente vascular cerebral (AVC) é uma das principais causas de morte em Portugal, e a principal causa de incapacidade nos idosos. Torna-se necessário definir estratégias para amenizar os danos.
Objetivos: Relacionar a prioridade definida pelo Sistema de Triagem de Manchester para doentes com AVC e o desfecho final (alta/óbito/internamento).
Metodologia: Estudo observacional que analisou dados do software ALERT® em todos os doentes com AVC que entraram num serviço de urgência polivalente português entre 2010 e 2012, totalizando 864 casos.
Resultados: A maioria dos doentes foi triada com elevada prioridade, sendo as idades diferentes entre homens e mulheres. Prioridades mais elevadas (cor vermelha e laranja) foram atribuídas aos mais idosos, aos que faleceram e aos que foram inter¬nados (p < 0,001). Houve reduzida ativação da Via Verde-AVC (14%).
Conclusão: Doentes internados e os que faleceram foram triados com prioridades mais elevadas, existindo relação estatística significativa entre as prioridades mais altas (vermelha e laranja), a taxa de internamento e a mortalidade (p < 0,001).


Palavras-chave
acidente vascular cerebral; enfermagem; serviços médicos de emergência; triagem; evolução clínica
Alto Comissariado da Saúde, Coordenação Nacional para as Doenças Cardiovasculares. (2007). Recomendações clínicas para o enfarte agudo do miocárdio (EAM) e o acidente vascular cerebral (AVC). Lisboa, Portugal: Autor.
Alto Comissariado da Saúde. (2008). Campanha nacional sobre enfarte e AVC. Recuperado de http://www.min-saude.pt/portal/conteudos/a+saude+em+portugal/noticias/arquivo/2008/1/campanha+avc.htm
Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra. (2014). Protocolo de actuação: Via verde do AVC intra-hospitalar: Diretrizes internas de conduta. Coimbra, Portugal: Autor.
Delfim, L. V., Melo, C. L., Chaves, R. S., Duarte, L. M., & Brito, M. P. (2012). A percepção de enfermeiros sobre o atendimento de pacientes com acidente vascular encefálico agudo. Journal of Nursing UFPE on Line, 6(9), 2204-2212. doi:10.5205/reuol.2570-20440-1-LE.0609201226
Direção-Geral da Saúde. (2013). Portugal: Doenças cérebro-cardiovasculares em números: 2013: Programa nacional para as doenças cérebro-cardiovasculares. Lisboa, Portugal: Autor.
European Stroke Organization Executive Committee, European Stroke Organization Writing Committee. (2008). Recomendações para o tratamento do AVC isquémico e do acidente isquémico transitório 2008. Recuperado de http://www.congrex-switzerland.com/fileadmin/files/2013/eso-stroke/pdf/ESO08_Guidelines_Portuguese.pdf
Gabriel, J. P., Velon, A., Valério, C., Marcos A., Pimenta F., Vaz S., … Silva, M. (2007). Triagem intra-hospitalar das admissões por acidente vascular cerebral isquémico através do sistema de triagem de prioridades de Manchester. Sinapse, 1(7), 28-35.
Guedes, H. M., Martins, J. C., & Chianca, T. C. (2015). Predictive value of the ManchesterT system: Evaluation Evaluation of patients’clinical outcomes. Revista Brasileira de Enfermagem, 68(1), 45-51. doi:10.1590/0034-7167.2015680107p
Guedes, H. M., Souza, K. M., Lima, P. O., Martins, J. C., & Chianca, T. C. (2015). Relationship between complaints presented by emergency patients and the final outcome. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 23(4), 587-594. doi:10.1590/0104-1169.0227.2592
Hacke, W., Kaste, M., Bluhmki, E., Brozman, M., Dávalos, A., Guidetti, D., … Toni, D. (2008). Thrombolysis with alteplase 3 to 4.5 hours after acute ischemic stroke. The New England Journal of Medicine, 359(13), 1317-1329. doi:10.1056/NEJMoa0804656
Instituto Nacional de Estatística. (2014). Dados estatísticos: Taxa de mortalidade por doenças cerebrovasculares por 100 000 habitantes (n.º) por local de residência (NUTS - 2002), sexo e grupo etário: Anual. Recuperado de http://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_indicadores&indOcorrCod=0003726&con-texto=bd&selTab=tab2
Jauch, E. C., Saver, J. L., Adams, H. P., Jr., Bruno, A., Connors, J. J., Demaerschalk, B. M., … Yonas, H (2013). Guidelines for the early management of patients with acute ischemic stroke: A guideline for healthcare professionals from the American Heart Association/American Stroke Association. Stroke, 44(3), 870-947. doi:10.1161/STR.0b013e318284056a
Kurz, M. W., Kurz, K. D., & Farbu, E. (2013). Acute ischemic stroke: From symptom recognition to thrombolysis. Acta Neurologica Scandinavica, 127(196), 57-64. doi:10.1111/ane.12051
Mackway-Jones, K., Marsden, J., & Windle, J. (2010). Sistema Manchester de classificação de risco. Belo Horizonte, Brasil: Grupo Brasileiro de Classificação de Risco Editora.
Sá, M. J. (2009). AVC: Primeira causa de morte em Portugal. Revista da Faculdade de Ciências da Saúde, 6, 12-19. Recuperado de http://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/1258/2/12-19_FCS_06_-2.pdf
Santos, A. P., Freitas, P., & Martins, H. M. (2014). Manchester triage system version II and resource utilisation in emergency department. Emergency Medicine Journal, 31(2), 148-152. doi:10.1136/emermed-2012-201782
Souza, C. C., Toledo, A. D., Tadeu, L. F., & Chianca, M. C. (2011). Risk classification in an emergency room: Agreement level between a Brazilian institutional and the Manchester protocol. Revista Latinoamericana de Enfermagem 19(1), 26-33.
Van der Wulp, I., Van Baar, M. E., & Schrijvers, A. J. (2008). Realiability and validity of the Manchester Triage System in a general emergency department patient population in the Netherlands: Results of a simulation study. Emergency Medicine Journal, 25(7), 431-434. doi:10.1136/emj.2007.055228
Vaz, M. F. (2011). Tempos de actuação na via verde do AVC. (Dissertação de mestrado). Universidade de Coimbra, Faculdade de Medicina, Portugal. Recuperado de http://hdl.handle.net/10316/31270
World Health Organization. (2016). Stroke, cerebrovascular accident. Recuperado de http://www.who.int/topics/cerebrovascular_accident/en/

Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_Jun2017_93to102_port.pdf
REF_Jun2017_93to102_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]