Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Vivências e necessidades dos pais no internamento do filho adolescente com comportamento autolesivo
Autores:  Maria Edite de Miranda Trinco*; José Carlos Santos**; António Barbosa***
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2017-01-27
Aceite para publicação:  2017-04-17
Tipo:  Artigo de Investigação
Ano:  2017
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV17008

Resumo
Enquadramento: A família é um agregado especialmente destinado à realização dos seus elementos, ajudando o adolescente a crescer num sincronismo harmonioso, visto serem os comportamentos autolesivos mais frequentes nesta etapa da vida, particularmente entre as raparigas.
Objetivos: Identificar as vivências/necessidades dos pais dos adolescentes com idade entre os 13 e os 18 anos com comportamento autolesivo, e que ficaram internados no serviço de urgência de um hospital pediátrico.
Metodologia: Estudo qualitativo, exploratório-descritivo, com abordagem fenomenológica, numa amostra de conveniência constituída por 38 pais. Foi utilizada a entrevista semiestruturada com posterior análise de conteúdo.
Resultados: Da análise, emergiram 4 categorias (Impacto da noticia, Sentimentos/Emoções, Pensamentos, Necessidades). Sendo que a categoria Sentimentos/Emoções apresenta duas subcategorias (Negativo/Positivo).
Conclusão: Os resultados obtidos evidenciaram que esta situação provoca Sentimentos/Emoções ambivalentes nos pais que manifestaram o ensejo de falarem com o enfermeiro sobre o sucedido e poderem ter orientação de como lidar com o filho mas, sobretudo, sem serem criticados/estigmatizados assim como o adolescente.



Palavras-chave
família; adolescente; comportamento autodestrutivo; acontecimentos que mudam a vida; necessidades; hospitalização
Alarcão, M. (2006). (Des)equilíbrios familiares (3ª ed.). Coimbra, Portugal: Quarteto.
Arbuthnott, A. E., & Lewis, S. P. (2015). Parents of youth who self-injure: A review of the literature and implications for mental health professionals. Child and Adolescent Psychiatry and Mental Health, 9(35). doi:10.1186/s13034-015-0066-3
Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Almedina.
Buus, N., Caspersen, J., Stenager, E., & Fleischer, E. (2014). Experiences of parents whose sons or daughters have (had) attempted suicide. Journal of Advanced Nursing, 70(4), 823–832. doi:10.1111/jan.12243
Campos, D., & Campos, M. (2016). A comunidade familiar. In O. Guilherme (Ed.), Textos de direito da família: Para Francisco Pereira Coelho (pp. 9-30). Coimbra, Portugal: Imprensa da Universidade de Coimbra. doi.org/10.14195/978-989-26-1113-6_1
Carvalho, C. B., Castilho, P., Motta, C., Caldeira, S., & Pinto-Gouveia, J. (2015). Mapping non suicidal self-injury in adolescence: Development and confirmatory factor analysis of the Impulse, Self-harm and Suicide Ideation Questionnaire for Adolescents (ISSIQ-A). Psychiatry Research, 227(2-3), 238-245. doi:10.1016/j.psychres.2015.01.031
Dias, M. O. (2011). Um olhar sobre a família na perspetiva sistémica: O processo de comunicação no sistema familiar. Gestão e Desenvolvimento, 19, 139-156. Retrieved from http://z3950.crb.ucp.pt/Biblioteca/GestaoDesenv/GD19/gestaodesenvolvi¬mento19_139.pdf
Direção-Geral da Saúde. (2013). Plano nacional de pre¬venção do suicídio 2013/2017. Retrieved from http:// www.portaldasaude.pt/NR/rdonlyres/BCA196AB-74F4-472B-B21E6386D4C7A9CB/0/i018789.pdf
Ferrey, A., Hughes, N., Simkin, S., Locock, L., Stewart, A., Kapur, N., & Hawton, K. (2016). The impact of self-harm by young people on parents and families: A qualitative study. BMJ Open, 6(1), e009631. doi:10.1136/bmjopen-2015-009631
Fortin, M. (2009). Fundamentos e etapas do processo de investigação. Loures, Portugal: Lusociência.
Greene-Palmer, F., Wagner, B., Neely, L., Cox, D., Kochanski, K., Perera, K., & Ghahramanlou-Holloway, M. (2015) How parental reactions change in response to adolescent suicide attempt. Archives of Suicide Research, 19(4), 414-421. doi:10.1080/13811118.2015.1094367
Guerreiro, D. F., Sampaio, D., & Figueira, M. L. (2014). Relatório de investigação “Comportamentos autolesivos em adolescentes: Características epidemiológicas e análise de fatores psicopatológicos, temperamento afectivo e estratégias de coping”. Retrieved from http://www.spsuicidologia.pt/generalidades/biblioteca/143-
Hanson, S. (2005). Enfermagem de cuidados de saúde à família: Teoria, prática e investigação (2ª ed.). Loures, Portugal: Lusociência.
Hawton, K., Saunders, K., & Connor, R. (2012). Self-harm and suicide in adolescents. The Lancet, 379(9834), 2373-2382. doi:10.1016/S0140-6736(12)60322-5
Meleis, A., Sawyer, L., Im, E., Hilfinger Messias, D., & Schumacher, K. (2000). Experiencing transitions: An emerging middle-range theory. Advances in Nursing Science, 23(1), 12-28. doi:10.1097/00012272-200009000-00006
Morgan, S., Rickard, E., Noone, M., Boylan, C., Carthy, A., Crowley, S., & Fitzpatrick, C. (2013). Parents of young people with self-harm or suicidal behaviour who seek help: A psychosocial profile. Child Adolesc Psychiatry Ment Health, 7(1), 13. doi:10.1186/1753-2000-7-13
Ordem dos Enfermeiros. (2010). Guias orientadores da boa prática em enfermagem de saúde infantil e pediatrica. Lisboa, Portugal: Autor.
Relvas, A. P. (2004). O ciclo vital da família: Perspectiva sistémica (3ª ed.). Porto, Portugal: Edições Afrontamento.
Trinco, E., & Santos, J. C. (2015). O adolescente com alteração do comportamento no serviço de urgência: Estudo de um quadriénio. Revista Investigação em Enfermagem, 13(2).
Zetterqvist, M. (2015). The DSM-5 diagnosis of nonsuicidal self-injury disorder: a review of the empirical literature. Child and Adolescent Psychiatry and Mental Health. 9:31 doi: 10.1186/s13034-015-0062-7.


Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_Jun2017_115to124_port.pdf
REF_Jun2017_115to124_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]