Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Biotecnologia: revolução digital e conhecimento estético em enfermagem
Autores:  Ana Paula Teixeira de Almeida Vieira Monteiro*; Manuel Curado**; Paulo Queirós***
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2017-03-07
Aceite para publicação:  2017-05-15
Secção:  Artigo de Revisão/Artigos Teóricos-Ensaios
Ano:  2017
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV17020

Resumo
Enquadramento: O conhecimento estético em enfermagem é uma dimensão que tem sido colocada em causa com a afirmação das biotecnologias de ponta nos processos de cuidar.
Objetivos: Este artigo tem como objetivo analisar reflexivamente as novas possibilidades de pensamento e conhecimento em enfermagem trazidas pelas biotecnologias e revolução digital, a partir da perspetiva de Bárbara Carper sobre o conhecimento estético em enfermagem.
Principais tópicos em análise: Biotecnologias, conhecimento estético em enfermagem; relação empática.
Conclusão: A componente estética do cuidar, enquanto âncora organizadora, dá sentido e sustenta a praxis clínica de enfermagem, em contextos de hibridismo tecnológico. A ideia de uma tecnologia encarnada aponta para uma outra forma de sistematizar o conhecimento que permita a superação dicotómica entre a tecnologia agressiva e o cuidado humanizado em enfermagem.



Palavras-chave
epistemologia; cuidados de enfermagem; desenvolvimento tecnológico; conhecimento; estético
Bal, M. (1991). Reading Rembrandt: Beyond the word-image opposition. Cambridge, England: Amsterdam Academic Archive.
Billay, D., Myrick, F., Luhanga, F., & Yonge, O. (2007). A pragmatic view of intuitive knowledge in nursing practice. Nursing Forum, 42(3),147-155. doi:10.1111/j.1744-6198.2007.00079.x
Boff, L. (2008). Saber cuidar: Ética do humano: Compaixão pela terra (15ª ed.). Petrópolis, Brasil: Vozes.
Carper, B. (2006). Fundamental patterns of knowing in nursing. In L. C. Andrist, P. K. Nicholas & K. A. Wolf (Eds.), A history of nursing ideas (pp. 129-137). Sudbury, Canada: Jones and Bartlett Publishers.
Chinn, P., & Kramer, M. K. (2011). Integrated theory & knowledge development in nursing (8 th Ed.). River¬port Lane, USA: Elsevier Mosby.
Ford, M. (2016). Robôs: A ameaça de um futuro sem emprego. Lisboa, Portugal: Bertrand Editora.
Ghassemi, M., Celi, L. A., & Stone, D. J. (2015). State of the art review: The data revolution in critical care. Critical Care, 19(1),118. doi:10.1186/s13054-015-0801-4
Grant, A. J., & Radcliffe, M. A. (2015). Resisting technical rationality in mental health nurse higher education: A duoethnography. The Qualitative Report, 20(6), 815-825. Recuperado de http://www.nova.edu/ssss/QR/QR20/6/grant6.pdf
Heidegger, M. (1996). Basic writings. London, England: Routledge.
Lapum, J., Fredericks, S., Beanlands, H., McCay, E., Schwind, J., & Romaniuk, D. (2012). A cyborg ontology in health care: Traversing into the liminal space between technology and person-centred practice. Nursing Philosophy, 13(4), 276-288. doi:10.1111/j.1466-769X.2012.00543.x
Levinas, E. (2012). Deus, a morte e o tempo. Lisboa, Portugal: Edições 70.
Manning, E. (2013). Always more than one: Individuation’s dance. London, England: Duke University Press.
Meierhoffer, L. L. (1995). High-touch versus high-tech: Can the caring profession survive in a health care system being driven by technology? American Nurse, 27(6),1-12.
Monteiro, A. P., & Curado, M. (2016). Por uma nova epistemologia da enfermagem: Um cuidar post-humano? Revista de Enfermagem Referência, 4(8), 141-148. doi:10.12707/RIV15069
Paterson, J., & Zderad, L. (1988). Humanistic nursing. Recuperado de http://www.gutenberg.org/eb¬ooks/25020
Queirós, P. (2016). Enfermagem, uma ecologia de saberes. Cultura de los Cuidados, 20(45), 137-146. Recuperado de https://rua.ua.es/dspace/bits¬tream/10045/57360/1/CultCuid_45_15.pdf
Santos, B. (2007). Para além do pensamento abissal: Das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais, 78, 3-46. Recuperado de http://www.ces.uc.pt/myces/UserFiles/
livros/150_Para%20alem%20do%20pensamen¬to%20abissal_RCCS78.pdf
Santos, M. P. (2013). Enfermagem à procura de si: Integrando modalidades terapêuticas não convencionais no processo de cuidados (vol. 1). Loures, Portugal: Lusociência.
Siles-González, J., & Solano-Ruiz, C. (2016). Sublimity and beauty: A view from nursing aesthetics. Nursing Ethics, 23(2), 154-166. doi:10.1177/0969733014558966
Whelton, B. J. (2015). Being human in a global age of technology. Nursing Philosophy, 17(1), 28–35. doi:10.1111/nup.12109

Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_Jun2017_139to146_port.pdf
REF_Jun2017_139to146_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]