Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Adesão ao regime medicamentoso antes e após intervenção de sensibilização terapêutica
Autores:  Abel José Charneco Martins*; Jacinta Pires Martins**; Susana Alexandra Sevivas dos Santos***
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2017-03-09
Aceite para publicação:  2017-05-05
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2017
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV17021

Resumo
Enquadramento: A não adesão ao regime medicamentoso constitui na atualidade, uma problemática pertinente que afeta grande parte das pessoas que necessitam tomar medicamentos prescritos.
Objetivos: Descrever a adesão ao regime medicamentoso por via oral dos indivíduos residentes numa freguesia rural do concelho de Chaves.
Metodologia: Estudo observacional, descritivo, correlacional, longitudinal, amostra por conveniência, não-probabilística de 228 indivíduos. Para a recolha de dados recorreu-se a um formulário de caracterização sociodemográfica e teste de medida de adesão terapêutica.
Resultados: Verificou-se que o nível de adesão ao regime medicamentoso aumentou no segundo momento, após a nossa intervenção, sendo que a média, no primeiro momento, foi de 5,14 ± 0,74 e no segundo momento foi de 5,69 ± 0,36. Apenas 16,9% dos indivíduos apresentaram adesão total ao regime medicamentoso.
Conclusão: A equipa de saúde, nomeadamente o enfermeiro, envolvendo a pessoa e a família, poderá delinear estratégias que promovam a adesão ao regime medicamentoso, a todos os níveis: educacional, comportamental e motivacional.


Palavras-chave
enfermagem; adesão à medicação; educação para a saúde
Administração Regional de Saúde. (2012). Perfil local de saúde 2012: ACeS Alto Tâmega e Barroso. Porto, Portugal: Autor. Recuperado de http://portal.arsnorte.min-saude.pt/ARSNorte/dsp/ACES/PLS2012_1925_Alto-TamegaBarroso.pdf
Bianchi, J. (2002). Métodos e teoria de investigação. Vila Real, Portugal: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.
Conselho Internacional de Enfermeiros. (2011). CIPE® versão 2: Classificação para a prática de enfermagem. Lisboa, Portugal: Ordem dos Enfermeiros.
Davies, N. (2010). Improving self-management for patients with long-term conditions. Nursing Standard, 24(25), 49-56. doi: 10.7748/ns2010.02.24.25.49.c7562
Delgado, A. B., & Lima, M. L. (2001). Contributo para a validação concorrente de uma medida de adesão aos tratamentos. Psicologia Saúde & Doenças; 2(2), 81-100. Recuperado de http://www.scielo.mec.pt/pdf/psd/v2n2/v2n2a06.pdf
Direção-Geral da Saúde. (2013). Plano Nacional de Saúde 2012-2016. Lisboa, Portugal: Autor.
Ferreira, R. S., Graça, L. C., & Calvinho, M. L. (2016). Adesão ao regime terapêutico de pessoas com hipertensão arterial em cuidados de saúde primários. Revista de Enfermagem Referência, 4(8), 7-15. doi:10.12707/RIV15070
Henriques, M. A. (2011). Adesão ao regime medicamentoso em idosos na comunidade: Eficácia das intervenções de enfermagem (Doctoral thesis). Recuperado de http://hdl.handle.net/10451/3801
Monterroso, L. E., Joaquim, N., & Sá, L. O. (2015). Adesão do regime terapêutico medicamentoso dos idosos integrados nas equipas domiciliárias de cuidados continuados. Revista de Enfermagem Referência, 4(5), 9-16. doi: 10.12707/RIV14047
Paúl, C. (2005). Envelhecimento e ambiente. In. L. Soczka (Org.), Contextos humanos e psicologia ambiental (pp. 247-268). Lisboa, Portugal: Fundação Calouste Gulbenkian.
Pestana, M., & Gageiro, J. (2005). Análise de dados para as ciências sociais: A complementaridade do SPSS. Lisboa, Portugal: Edições Sílabo.
Soares, M. A. (2009). Avaliação da terapêutica potencialmente inapropriada no doente geriátrico (Doctoral thesis). Recuperado de http://hdl.handle.net/10451/279
Ribeiro, C. A. (2014). Farmacologia no idoso. In Geriatria fundamental: Saber e praticar (pp. 119-135). Lisboa, Portugal: Lidel, Edições Técnicas.
World Health Organization. (2003). Adherence to longterm therapies: Evidence for action. Recuperado de http://www.who.int/chp/knowledge/publications/adherence_full_report.pdf?ua=1
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_Sept2017_9to16_eng.pdf
REF_Sept2017_9to16_port.pdf


[ Detalhes da edição ]