Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Stresse e stressores em motoristas de autocarros
Autores:  Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros*; Jael Maria de Aquino**; Iracema da Silva Frazão***; Estela Maria Leite Meirelles Monteiro****; Maria Sandra Andrade*****; Marlene Gomes Terra******; Betânia da Mata Ribeiro Gomes*******
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2017-03-02
Aceite para publicação:  2017-06-25
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2017
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV17017

Resumo
Enquadramento: O stresse ocupacional é uma das principais desordens patológicas desencadeadas por processos inadequados no trabalho.
Objetivos: Investigar o stresse e stressores em motoristas de autocarros.
Metodologia: Estudo descritivo, exploratório de abordagem quantitativa, desenvolvido com 321 motoristas, utilizando o Inventário de Sintomas de Estresse de Lipp, sendo analisado através dos testes de qui-quadrado, fisher e a razão de verossimilhança (IC = 95%).
Resultados: Dos stressados, 75,6% estão na fase de resistência e 18,6% na fase de exaustão. Houve associação do stresse e das suas fases com o tempo de trabalho na empresa (p = 0,016), tempo de descanso durante o horário de trabalho (p < 0,001), qualidade do sono (p = 0,001) e autoavaliação da saúde (p < 0,001).
Conclusão: O stresse está relacionado com o tempo de serviço, excessiva carga horária diária, inexistência de horário para o descanso e a péssima qualidade de sono.


Palavras-chave
esgotamento profissional; saúde mental; saúde do trabalhador
Alquimim, A. F., Barral, A. B., Gomes, K. C., & Rezende, M. C. (2012). Avaliação dos fatores de risco laborais e físicos para doenças cardiovasculares em motoristas de transporte urbano de ônibus em Montes Claros (MG). Ciência & Saúde Coletiva, 17(8), 2151-2158.
Baltazar, C. C., Maia, E. R., Figueiredo, F. J., Correia, B. R., & Holanda, S. A. (2008). Motorista de ônibus urbano e intermunicipal do triângulo de Crajubar: Uma abordagem ergonômica. Saúde& Saúde Coletiva, 9(2). Recuperado de http://coletanea2008.no.comunidades.net/index. php?pagina=1225359146
Bravo Ortiz, C. M., & Marziale M. H. (2010). El consumo de alcohol en personal administrativo y de servicios de una universidad del Ecuador. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 18(nº esp.), 487-495.
Goulart Junior, E., & Lipp, M. E. (2008). Estresse entre professoras do ensino fundamental de Escolas Públicas Estaduais. Psicologia em Estudo, 13(4), 847-857.
Guterres, A., Duarte D., Siqueira, F. V., & Silva, M. C. (2011). Prevalência e fatores associados a dor nas costas dos motoristas e cobradores do transporte coletivo da cidade de Pelotas-RS. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, 16(3), 240-245.
Lipp, M. E., & Guevara, A. J. (1994). Validação empírica do inventário de sintomas de stress. Estudos de Psicologia, 1(3), 43-49.
Lipp, M. E. (2000) Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp (ISSL). São Paulo, Brasil: Casa do Psicólogo.
Lipp, M. E. (Org.). (2004) O stress no Brasil: Pesquisas
avançadas. São Paulo, Brasil: Papirus.
Lipp, M. E. (2014). Manual do Inventário dos Sintomas de Stress para Adultos de Lipp. São Paulo, Brasil: Casa do Psicólogo.
Martins, F. F., Lopes, R. M., & Farina, M. (2014). Nível de estresse e principais estressores do motorista de transporte coletivo. Boletim: Academia Paulista de Psicologia, 34(87), 523-536.
Matos, M. G., Moraes, L. F., & Pereira, L. Z. (2015). Análise do estresse ocupacional em motoristas de coletivo urbano na cidade de Belo Horizonte. Revista
Gestão & Tecnologia, 15(1), 256-275. Nóbrega, A. C., Castro, R. R., & Souza, A. C. (2007). Estresse mental e hipertensão arterial sistêmica. Revista Brasileira de Hipertensão, 14(2), 94-97.
Pinheiro, C. R., & Lipp, M. E. (2009). Stress ocupacional e qualidade de vida em clérigos(as). Boletim: Academia Paulista de Psicologia, 29(1), 126-141.
Prange, A. P. (2011). “Quem dá mais, cobra mais!”: uma análise das normas antecedentes do ofício dos motoristas de ônibus em um contexto específico. Estudos e Pesquisa em Psicologia, 11(2), 551-565.
Selye, H. (1959). Stress: A tensão da vida. São Paulo, Brasil: Ibrasa.
Silva, A. M., Keller, B., & Coelho, B. W. (2013). Associação entre pressão arterial e estresse percebido em motoristas de ônibus. Journal of The Health Sciences Institute, 31(1), 75-78.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_Sept2017_101to110_eng.pdf
REF_Sept2017_101to110_port.pdf


[ Detalhes da edição ]