Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  O cuidado e bom serviço dos enfermeiros em 1821-1822
Autores:  Paulo Joaquim Pina Queirós*; António José de Almeida Filho**; Maria Angélica de Almeida***;
Tânia Cristina Franco Santos****; Marina Baptista Pereira*****; Patrícia Freitas Pereira******
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2018-07-31
Aceite para publicação:  2017-11-17
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2018
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV17064

Resumo
Enquadramento: Após a revolução liberal de 1820 entra em funcionamento a primeira câmara eleita de representantes da nação portuguesa. Num contexto distanciado da profissionalização da enfermagem, do seu ensino, regulamentação e controlo, são várias as referências a enfermeiros.
Objetivos: Analisar o que se discutia sobre enfermeiros e enfermagem em 1821-22 no Soberano Congresso.
Metodologia: Pesquisa histórica nos diários das sessões, com levantamento, análise e interpretação de fontes.
Resultados: Identificados 5 blocos temáticos, a figura de enfermeiro-mor, o Projecto de Regulamento Geral de Saúde Pública, a referência a enfermeiros, a presença de parteiras e sangradores, e a organização de espaços enfermarias e hospitais.
Conclusão: Não há expressamente enfermagem, há enfermeiros. Enfermeiro-mor, diferenciado de enfermeiro. Persistência de sangradores e destaque à organização estruturada das parteiras. Existência de enfermeiro como cuidador, no espaço hospitalar e domiciliário, em processo de diferenciação de outras actividades de assistência ainda longe da profissionalização. Preocupações de higiene, segurança, qualificação, organização da assistência e dos espaços.


Palavras-chave
história; enfermagem; história da enfermagem
Assembleia da República. (1821-1822). Diários das Sessões das Cortes Geraes Extraordinárias da Nação Portugueza (1821-1822). Retrieved from http://debates.parlamento.pt/catalogo/mc/c1821
Bonifácio, M.F. (2010). A Monarquia constitucional 1807- 1910 (3ª ed.). Alfragide, Portugal: Texto Editores.
Filho, A., Fortes, F., Queirós, P., Peres, M., Vidinha, T., & Rodrigues, M. (2015). Trajetória histórica da reforma psiquiátrica em Portugal e no Brasil. Revista de Enfermagem Referência, 4(4),117-125. doi:org/12707/RIV14074
Mattoso, J. (1997). A Escrita da história: Teoria e métodos. Lisboa, Portugal: Editorial Estampa.
Queirós, P., Filho, A., Monteiro, A., Santos, T., & Peres, M. (2017). Debates parlamentares em Portugal de 1821 a 1910: Identificação de fontes para a história da enfermagem. Revista da Escola de Enferma¬gem Anna Nery, 21(1), 1-6. doi: 10.5935/1414- 8145.20170006
Rüsen, J. (2001). Razão histórica. Brasília, Brasil: Editora Universidade de Brasília.
Sousa, G. (2013). História da medicina portuguesa durante a expansão. Lisboa, Portugal: Temas e Deba-tes/Círculo de Leitores.
Subtil, C. (2016). A Saúde pública e os enfermeiros entre o vintismo e a regeneração (1821-1852). Porto, Portugal: Universidade Católica Portuguesa.
Torgal, L. R. (2015). Historia, Que história? Notas críticas de um historiador. Lisboa, Portugal: Temas e Debates/Círculo de Leitores.
Vargues, I. N. (1993). O processo de formação do primeiro movimento liberal: A revolução de 1820. In J. Mattoso (Dir.), História de Portugal (Vol. 5). Lis¬boa, Portugal: Círculo de Leitores.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_mar2017_95to106_port.pdf.pdf
REF_mar2017_95to106_eng.pdf.pdf


[ Detalhes da edição ]