Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Fatores de risco e proteção para o desenvolvimento de doenças crónicas em profissionais de enfermagem
Autores:  Luciane Peter Grillo* ; Nadine Rodrigues de Albuquerque**; Nathalia Corrêa Vieira***; Tatiana Mezadri**** ;
Leo Lynce Valle de Lacerda*****
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2018-03-01
Aceite para publicação:  2018-06-15
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2018

Resumo
Enquadramento: Os profissionais de enfermagem, por terem longas jornadas de trabalho e exercerem as suas atividades em turnos, estao sujeitos a desenvolver doenças crónicas.
Objetivo: Identificar os fatores de risco e proteçao para o desenvolvimento das doenças crónicas em profissionais de enfermagem, segundo os turnos de trabalho.
Metodologia: Aplicou-se um questionário composto por questoes sociodemográficas e relativas a fatores de risco e proteçao para as doenças crónicas nao transmissíveis, em profissionais de enfermagem de um hospital universitário.
Resultados: Participaram no estudo 75 profissionais, com predominância do sexo feminino (86,7%) e estado civil casado/uniao de facto (56%), sendo que o índice de massa corporal dos profissionais do turno da noite era significativamente superior ao dos profissionais do turno diurno (p = 0,045). Em relaçao aos fatores de risco para doenças crónicas, verificou-se prevalencia significativamente superior no turno da noite para a variável tabagismo (p = 0,034).
Conclusão: Os resultados poderao subsidiar o desenvolvimento de estratégias para a adesao de hábitos saudáveis, propiciando melhores condiçoes de vida e trabalho aos enfermeiros


Palavras-chave
promoção da saúde; doença crónica; enfermagem; fatores de risco; trabalho noturno
Antunes, L. C., Levandovski, R., Dantas, G., Caumo, W., & Hidalgo, M. P. (2010). Obesity and shift work: Chronobiological aspects. Nutrition Research Reviews, 23(1), 155-168. doi:10.1017/S0954422410000016
Araújo, S. N. (2015). Os riscos enfrentados pelos profissionais de enfermagem no exercício da atividade laboral. Revista Enfermagem Contemporânea, 4(2), 237-243. doi:10.17267/2317-3378rec.v4i2.522
Baumgartel, C., Onofrei, M., Lacerda, L. L., Grillo, L. P., & Mezadri, T. (2016). Fatores de risco e proteção de doenças crônicas em adultos: Estudo de base populacional em uma cidade de médio porte no sul do Brasil. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 11(38), 1-13. Recuperado de https://www. rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/1248/828
Coelho, M. P., Pinto, O. O., Mota, M. C., & Crispim, C. A. (2014). Prejuízos nutricionais e distúrbios no padrão de sono de trabalhadores da enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, 67(5), 832-842. doi:10.1590/0034-7167.2014670523
Fernandes, B. K., Ribeiro, A. C., Borges, C. L., de Galiza, F. T., & Joventino, E. S. (2017). Influencias do trabalho noturno no sono dos trabalhadores de enfermagem: Revisao integrativa. Revista Enfermagem Atual, 81, 97-103. Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/317926885_Influencias_do_trabalho_noturno_no_sono_dos_trabalhadores_de_enfermagem_revisao_integrativa_Influences_of_night_shifts_in_sleeping_of_nursing_workers_integrative_review
Lima, E. D., Borges, J. V., Oliveira, E. R., Velten, A. P., Primo, C. C., & Leite, F. M. (2013). Qualidade de vida no trabalho de enfermeiros de um hospital universitário. Revista Eletrônica de Enfermagem, 15(4), 1000-1006. doi:10.5216/ree.v15i4.19546
Machado, D. A., Figueiredo N. M., Velasques L. S., Bento C. A., Machado W. C., & Vianna L. A. (2018). Cognitive changes in nurses working in intensive care units. Revista Brasileira de Enfermagem, 71(1), 73-79. doi:10.1590/0034-7167-2016-0513
Machado, L. S., Rodrigues, E. P., Oliveira, L. M., Laudano, R. C., & Nascimento Sobrinho, C. L. (2014). Agravos a saúde referidos pelos trabalhadores de enfermagem em um hospital público da Bahia. Revista Brasileira de Enfermagem, 67(5), 684-691. doi:10.1590/0034-7167.2014670503
Magalhaes, F. J., Mendonça, L. B., Rebouças, C. B., Lima, F. E., Custódio, I. L., & Oliveira, S. C. (2014). Fatores de risco para doenças cardiovasculares em profissionais de enfermagem: Estratégias de promoçao da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 67(3), 394-400. doi:10.5935/0034-7167.20140052
Malta, D. C., Campos, M. O., Oliveira, M. M. , Iser, B. P. , Bernal, R. T., Claro, R. M., ... Reis, A. A. (2015). Prevalencia de fatores de risco e proteção para doenças crônicas não transmissíveis em adultos residentes em capitais brasileiras, 2013. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 24(3), 373-387. doi:10.5123/S1679-49742015000300004
Ministério da Saúde. (2017). Vigitel brasil 2016: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília, Brasil: Autor. Recuperado de http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/ pdf/2018/marco/02/vigitel-brasil-2016.pdf
Pepłońska, B., Burdelak, W., Krysicka, J., Bukowska, A., Marcinkiewicz, A., Sobala, W., ... Rybacki, M. (2014).
Night shift work and modifiable lifestyle factors. International Journal of Occupational Medicine and Environmental Health, 27(5), 693-706. doi:10.2478/s13382-014-0298-0
Pimenta, A. M., Kac, G., Souza, R. R., Ferreira, L. M., & Silqueira, S. M. (2012). Trabalho noturno e risco cardiovascular em funcionários de universidade pública. Revista da Associação Médica Brasileira, 58(2), 168-177. doi:10.1590/S0104-42302012000200012
Porto, A. R., Rodrigues, S. D., Joner, L. R., Noguez, P. T., Thofehrn, M. B., & Dal Pai, D. (2013). Autoavaliação de saúde e doenças crônicas entre enfermeiros de Pelotas/RS. Revista Eletrônica de Enfermagem, 15(3), 763-771. doi:10.5216/ree.v15i3.18008
Rodrigues, L. F., & Araújo, J. S. (2016). Absenteísmo entre os trabalhadores de saúde: Um ensaio à luz da medicina do trabalho. Revista Ciência e Estudos Acadêmicos de Medicina, 1(5), 10-21. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/revistamedicina/article/view/1130/1369
Silva, L. A., Schmidt, S. M., Noal, H. C., Signor, E., & Gomes, I. E. (2016). Avaliação da educação permanente no processo de trabalho em saúde. Trabalho, Educação e Saúde, 14(3), 765-781. doi:10.1590/1981-7746-sol00015
Silveira, C. D., Urbanetto, J. S., Silva, P. C., Magnago, T. S., & Poli-de-Figueiredo, C. E. (2013). Perfil de sobrepeso e obesidade em trabalhadores de enfermagem em unidades de cuidado intensivo e emergência. Revista Ciência & Saúde, 6(3), 157-162. doi:10.15448/1983-652X.2013.3.14550
Siqueira, K., Griep, R. H., Rotenberg, L., Costa, A., Melo,E., & Fonseca, M. D. (2015). Inter-relações entre o estado nutricional, fatores sociodemográficos, características de trabalho e da saúde em trabalhadores de enfermagem. Ciência & Saúde Coletiva, 20(6), 1925-1935. doi:10.1590/1413-81232015206.00792014.
World Health Organization. (2014). Global status report on noncommunicable diseases. Geneva, Switzerland: Author. Recuperado de http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/148114/9789241564854_eng.pdf;jsessionid=B2BCC5E0D3D68EA6AB-697C89BD24CEC8?sequence=1
World Health Organization. (2017). Noncommunicable diseases progress monitor. Geneva, Switzerland: Author. Recuperado de http://www.who.int/nmh/publications/ncd-progress-monitor-2017/en/
Luciane Peter Grillo* ; Nadine Rodrigues de Albuquerque**; Nathalia Corrêa Vieira***; Tatiana Mezadri**** ;
Leo Lynce Valle de Lacerda*****
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_sep2018_63to72_eng.pdf.pdf
REF_sep2018_63to72_port.pdf.pdf


[ Detalhes da edição ]