Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Efetividade de um programa de formação na gestão emocional dos enfermeiros perante a morte do doente
Autores:  Nelson Jacinto Pais; Cristina Raquel Batista Costeira; Armando Manuel Marques Silva; Isabel Maria Pinheiro Borges Moreira
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2020-02-17
Aceite para publicação:  2020-05-25
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH ARTICLE (ORIGINAL)
Ano:  2020
DOI:  10.12707/RV20023
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: A morte é uma realidade frequente, em contexto hospitalar, exigindo aos enfermeiros a apropriação de estratégias eficazes de gestão das emoções.
Objetivos: Avaliar a efetividade de um programa de formação (PF) na gestão emocional em enfermeiros perante a morte do doente.
Metodologia: Estudo pré-experimental de grupo único com avaliação pré e pós intervenção, realizado numa amostra de 20 enfermeiros de serviços de internamentos de oncologia. O instrumento de colheita de dados foi o questionário. Este integrava Escala de Avaliação do Perfil de Atitudes acerca da Morte (EAPAM), Escala de Coping com a Morte (ECM) e Escala de Avaliação de Implementação de Programas (EAIP), aplicado em três momentos distintos.
Resultados: O PF levou a mudanças das atitudes nas dimensões: medo e neutralidade (EAPAM) e verificaram-se diferenças significativas no coping com a própria morte e com a morte dos outros (ECM), revelando uma capacitação nesta área. O PF foi classificado como muito bom (EAIP).
Conclusão: A implementação do programa evidencia ser uma estratégia interventiva de empoderamento nestes enfermeiros, na autogestão emocional perante a morte.

Palavras-chave
enfermeiros; morte; programa de formação; ajuste emocional; educação
Ariès, P. (2011). Sobre a história da morte no Ocidente. Rio de Janeiro, Brasil: Editorial Teorema.
Becker, C., Wright, G., & Schmit, K. (2017). Perceptions of dying well and distressing death by acute care nurses. Applied Nursing Research, 33, 149-154. doi:10.1016/j.apnr.2016.11.006
Camarneiro, A., & Gomes, S. (2015). Tradução e validação da Escala de Coping com a Morte: Um estudo com enfermeiros. Revista de Enfermagem Referência, 4(7), 113-122. doi:10.12707/RIV14084
Campbell, D., & Stanley, J. (2005). Diseños experimentales y cuasi experimentales en la investigación social. Buenos Aires, Argentina: Amorrortu.
Carvalho, K., Lunardi, V. L., Silva, P. A., Vasques, T. C., & Amestoy, S. C. (2017). Educational process in palliative care and the thought reform. Investigación y Educación en Enfermería, 35(1), 17-25. doi:10.17533/udea.iee.v35n1a03
Finley, B., & Sheppard, K. (2017). Compassion fatigue: Exploring early-career oncology nurses’ experiences. Clinical Journal of Oncology Nursing, 21(3), E61-E66. doi:10.1188/17.CJON.E61-E66 .
Folkman, S. (1984). Personal control and stress and coping processes: A theoretical analysis. Journal of Personality and Social Psychology, 46(4), 839-852. doi: 10.1037//0022-3514.46.4.839.
Gómez-Díaz, M., Delgado-Gómez, M., & Gómez-Sánchez, R. (2017). Education, emotions and health: Emotional education in Nursing. Procedia: Social and Behavioral Sciences, 237, 492-498. doi:10.1016/j.sbspro.2017.02.095
Göriş, S., Tasci, S., Özkan, B., Ceyhan, O., Kartin, P. T., Çeliksoy, A. … Eser, B. (2017). Effect of terminal patient care training on the nurses’ attitudes toward death in an oncology hospital in Turkey. Journal of Cancer Education, 32(1), 65-71. doi:10.1007/s13187-015-0929-6
Jardim, J., & Pereira, A. (2006). Competências pessoais e sociais: Guia prático para a mudança positiva. Porto, Portugal: Edições ASA.
Limonero, J., Reverte, M., Gómez-Romero, M., & Gil-Moncayo, M. (2018). The role of emotions in palliative care. Palliative Medicine and Hospice Care, 4(1), 7-9. doi: 10.17140/PMHCOJ-4-127
Loureiro, L. (2010). Tradução e adaptação da versão revista da Escala de Avaliação do Perfil de Atitudes acerca da Morte (EAPAM). Revista de Enfermagem Referência, 3(1), 102-108. doi:10.12707/RII1012
Martins, M., Chaves, C., & Campos, S. (2014). Coping strategies of nurses in terminal ill. Procedia: Social and Behavioral Sciences, 113, 171-180. doi: 10.1016/j.sbspro.2014.01.024
Pais, N. (2019). Impacto de um programa de formação na gestão emocional dos enfermeiros perante a morte (Dissertação de mestrado). Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Portugal.
Santos Souza, M., Sousa, J., Lago, D., Borges, M., Ribeiro, L., & Guilhem, D. (2017). Avaliação do perfil de atitudes acerca da morte: Estudo com graduandos da área da saúde. Texto & Contexto Enfermagem, 26(4), e3640016. doi:10.1590/0104-07072017003640016.
Silva, R., Lage, I., & Macedo, E. (2018). Nurses’ experiences about death and dying in intensive care: A phenomenological reflection. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, 20, 34-42. doi:10.19131/rpesm.0224
Sulzbacher, M., Reck, A., Stumm, E., & Hildebrandt, L. (2009). Nurses in Intensive Care Unit living and facing death and dying situations. Scientia Medica, 19(1), 11-16. Recuperado de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/scientiamedica/article/view/3873/7817
Tranter, S., Josland, E., & Turner, K. (2016). Nurses’ bereavement needs and attitudes towards patient death: A qualitative descriptive study of nurses in a dialysis unit. Journal of Renal Care, 42(2), 101-106. doi:10.1111/jorc.12147
Wong , P., Reker , G., & Gesser, G. (1994). Death Attitude Profile Revised: A Multidimensional Measure of Attitudes Toward Death. In R. A. Neimeyer (Eds.), Death Anxiety Handbook: Research, Instrumentation, and Application (pp. 121-148). Washington, USA: Taylor & Francis.
Zheng, R., Lee, S., & Bloomer, M. (2016). How new graduate nurses experience patient death: A systematic review and qualitative meta-synthesis. International Journal of Nursing Studies, 53, 320-330. doi: 10.1016/j.ijnurstu.2015.09.013
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_jul2020_e20023_port.pdf
REF_jul2020_e20023_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]