Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Enfermeiros entre os funcionários dos Hospitais da Universidade de Coimbra, 1779 a 1797: particularidades e implicações
Autores:  Paulo Joaquim Pina Queirós; Patricia Domínguez-Isabel; Blanca Espina-Jerez; Elisabete Pinheiro Alves Mendes Fonseca; Sagrário Gómez-Cantarino
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2020-02-13
Aceite para publicação:  2020-05-18
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO HISTÓRICA (ORIGINAL)/HISTORICAL RESEARCH ARTICLE
Ano:  2020
DOI:  10.12707/RV20027
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Contexto: Os Hospitais da Universidade de Coimbra resultam da concentração de pequenos hospitais e são, nesta época, uma instituição de dimensões significativas. Nos finais do século XVIII, em pleno iluminismo, os hospitais vivenciaram um processo de transição para a modernidade.
Objetivos: Descrever os funcionários que existiam nos Hospitais da Universidade de Coimbra nos finais do século XVIII. Analisar a evolução dos ofícios em presença e os seus posicionamentos relativos, com o foco nos enfermeiros.
Metodologia: Análise histórica, partindo de fontes publicadas, considerando os contextos e as linhas evolutivas de longa duração, construindo uma síntese interpretativa.
Resultados: Estamos em presença de quatro agrupamentos profissionais - cuidadores do corpo (enfermeiros, médicos e cirurgiões), cuidadores da alma (capelões e sacristãos), serviços de apoio (ajudantes, serventes, cozinheiros, roupeira, lavadeira, despenseiro), e Serviços de segurança (porteiros, guardas e tronqueiro).
Conclusão: Verificou-se a presença de enfermeiros num processo de transição entre linhas de continuidade medieval, com enfermeiros-sangradores e enfermeiros-cozinheiros, e a diferenciação ascendente com enfermeira dos partos e descendente com ajudantes das enfermarias.

Palavras-chave
história da enfermagem; hospitais; assistência pública
Cabral, J. M. (2016, Maio 9). A primeira médica portuguesa [Web log post]. Recuperado de https://portugaldeantigamente.blogs.sapo.pt/a-primeira-medica-portuguesa-32869:
Carvalho, A. (2016). O Infirmarius. Precursor medieval do enfermeiro. Pensar Enfermagem, 20(1), 63-78. Recuperado de http://pensarenfermagem.esel.pt/files/Artigo5_63_78.pdf
Coelho, M. H. (1996). A assistencia em Coimbra em tempos Manuelinos: O Hospital Novo. Biblos, 72, 223-258
Espina-Jerez, B., Dominguez-Isabel, P., Gomez-Cantarino, S., Queiros, P., & Bouzas-Mosquera, C. (2019). Una excepcion en la trayectoria formativa de las mujeres: Al-Andalus en los siglos VIII-XII. Cultura de los Cuidados, 23(54), 194-205. doi:10.14198/cuid.2019.54.1 doi:10.14198/cuid.2019.54.17
Ferraz, I. (2019). Enfermidades, enfermos, enfermeiros. Dos primórdios ao século XIX. Lisboa, Portugal: Autor
Foucault, M. (1984). Microfísica do poder (4a ed.). Rio de Janeiro, Brasil: Edicoes Graal. Recuperado de http://www.cidadaniaereflexao.com.br/uems2018/Microfsica%20do%20Poder.pdf
Gouveia, A. C. (1993). Estrategias de interiorizacao da disciplina, pp. 415-440. In J. Mattoso (dir.), História de Portugal (vol. 4, pp. 415-440). Rio de Mouro, Portugal: Circulo de Leitores.
Lopes, M. A. (2019). Enfermeiros e enfermeiras nos hospitais portugueses dos séculos XVIII e XIX: Continuidades e ruturas. In A. Esteves (Coord.) Homens, Instituições e Políticas (séculos XVI-XX). Braga, Portugal: Universidade do Minho.
Lopes, M. A. (2000). Pobreza, assistência e controlo social em Coimbra (1750-1850), (2 vols.). Viseu, Portugal: Palimage.
Neto, M. L. (1989). Assistencia publica. In J. Serrao, Dicionário de História de Portugal (vol. I.). Porto, Portugal: Livraria Figueirinhas.
Oliveira, A. R. (2015). O dia-a-dia em Portugal na Idade Média. Lisboa, Portugal: A Esfera dos Livros.
Olmo, A. & Vidal, F. (2012). Dos modelos de mujeres “sabias” andalusies en la Loja nazari. In IV Congreso Virtual sobre Historia de las Mujeres. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4715145
Ordem Regia (1776, 12 de dezembro). In Oliveira, E.F. (1911). Elementos para a História do Município de Lisboa (t. 17, p. 558). Lisboa, Portugal: Typographia Universal.
Queiros, P., Almeida-Filho, A., Monteiro, A. P., Santos, T., & Peres, M. A. (2017). Debates parlamentares em Portugal de 1821 a 1910: Identificacao de fontes para a historia da enfermagem. Escola Anna Nery, 21(1), 1-6
Ramos, L. (2001). A Revolucao das Luzes. In R. Carneiro, A. Matos (Coords.), Memória de Portugal. O Milénio Português (pp. 374-423). Rio de Mouro, Portugal: Circulo de Leitores.
Ramos, R. (Coord.) (2010). História de Portugal (3a ed.). Lisboa, Portugal: A Esfera dos Livros. Rossa, W. (2001). Divercidade – urbanografia do espaço de Coimbra até ao estabelecimento definitivo da Universidade (Tese de doutoramento). Universidade de Coimbra, Portugal.
Santos, L. F. (2012). Uma história de enfermagem em Portugal (1143-1973): A constância do essencial num mundo em evolução permanente (Tese de doutoramento). Universidade Catolica Portuguesa, Portugal. Recuperado de https://repositorio.ucp.pt/handle/10400.14/12265
Silva, A. (2015). Físicos e cirurgiões medievais portugueses. Contextos socioculturais, práticas e transmissão de conhecimentos (1192-1340) (Dissertacao de mestrado). Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Portugal.
Souto Cabo, J. A. (2003). Documentos galego-portugueses dos seculos XII e XIII. Revista Galega de Filoloxia: Monografia 5. Recuperado de https://www.academia.edu/2627155/Documentos_galego-portugueses_dos_s%C3%A9culos_XII_e_XIII_1139-1270_
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_jul2020_e20027_port.pdf
REF_jul2020_e20027_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]