Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Vivências maternas em situação de morte fetal
Autores:  Ana Maria Casalta Miranda; Maria Otília Brites Zangão
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2020-03-19
Aceite para publicação:  2020-06-04
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH ARTICLE (ORIGINAL)
Ano:  2020
DOI:  10.12707/RV20037
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: Portugal regista uma taxa de mortalidade perinatal de 3,5% em 2019, verificando-se assim, um dos valores mais baixos nos últimos 10 anos. A morte fetal é uma das experiências mais traumáticas que a mulher pode experimentar.
Objetivo: Analisar os sentimentos/vivências das mulheres em situação de morte fetal.
Metodologia: Assenta num estudo transversal, descritivo com uma abordagem qualitativa. Amostragem não probabilística, de conveniência. Incluiu 10 entrevistas semiestruturadas a mulheres que vivenciaram morte fetal. Utilizado software IRaMuTeQ , versão 0.7 alpha 2.
Resultados: As mulheres encaram a morte fetal como uma experiência dolorosa, é evidenciada a transmissão da notícia da morte fetal, como fria e pouco humana. Demonstram satisfação nos cuidados prestados pelos enfermeiros EESMO ao salientarem a componente relacional. As mulheres ressaltaram a falta de informação e de preparação para a alta.
Conclusão: Desenvolvimento de atividades formativas direcionadas aos enfermeiros que contactam com situações de mulheres que vivenciam morte fetal, no sentido de realizarem uma prática baseada em evidências científicas, nomeadamente no que concerne à comunicação e relação interpessoal.

Palavras-chave
enfermeiras obstétricas; período pós-parto; mulheres; morte fetal
Alves, S. I. (2018). Perda perinatal: Perspetiva da díade parental (Dissertação de mestrado). Recuperado de http://web.esenfc.pt/?url=XnW222o0
Binnie, C. (2020). Breaking the silence. British Journal of Midwifery, 28(3), 144-145. doi: 10.12968/bjom.2020.28.3.144
Camarneiro, A. P., Maciel, J. C., & Silveira, R. M. (2015). Vivências da interrupção espontânea da gravidez em primigestas no primeiro trimestre gestacional: Um estudo fenomenológico. Revista de Enfermagem Referência, 4(5), 109-117. doi: 10.12707/RIV14064
Catlin, A. (2017). Creation of interdisciplinary guidelines for care of women presenting to the emergency department with pregnancy loss. Journal of Perinatology, 37, 757-761. doi: 10.1038/jp.2017.61
Ferreira, F. M. (2019). Diferentes modelos de maternidade e suas implicações: Motivações, expectativas e realidades de mães portuguesas (Tese de doutoramento). Recuperado de https://hdl.handle.net/10216/120929
International Council of Nurses. (2019). ICNP Browser. Recuperado de https://www.icn.ch/what-we-do/projects/ehealth/icnp--browser
Jansson, C., & Adolfsson, A. (2011). Application of Swanson’s Middle Range Caring Theory in Sweden after miscarriage. International Journal of Clinical Medicine, 2(2), 102-109. doi: 10.4236/ijcm.2011.22021
Lei nº 156/2015 de 16 de setembro. Diário da República nº 181/2015- 1.ª Série. Assembleia da República. Lisboa, Portugal. Recuperado de https://dre.pt/application/conteudo/70309896
Marôco, J. (2018). Análise estatística com o SPSS Statistic (7ª ed.). Lisboa, Portugal: Gráfica Manuel Barbosa & Filho.
Pontes, V. V. (2016). Trajetórias interrompidas: Perdas gestacionais, luto e reparação. doi: 10.7476/9788523220099
Pordata. (2020). Taxa de mortalidade perinatal e neonatal. Recuperado de https://www.pordata.pt/Portugal/Taxa+de+mortalidade+perinatal+e+neonatal-529
Quintans, É. T. (2018). Eu também perdi meu filho: Luto paterno na perda gestacional/neonatal (Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de Psicologia, Brasil). Recuperado de https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/34141/34141.PDF
Rios, T. S., Silveira dos Santos, C. S., & Dell’Aglio, D. D. (2016). Elaboração do processo de luto após uma perda fetal: Relato de experiência. Revista de Psicologia da IMED, 8(1), 98-107. doi:10.18256/2175-5027/psico-imed.v8n1p98-107
Rocha, L. (2016). Cuidados à mulher que vivencia o óbito fetal: Um desafio para equipe de enfermagem (Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil). Recuperado de http://www.scielo.mec.pt/pdf/aogp/v12n3/v12n3a15.pdf
Sequeira, C. (2016). Comunicação clínica e relação de ajuda. Lisboa, Portugal: Lidel.
Serrano, F., Centeno, M., & Ramalho, C. (2018). Estudo das situações de morte fetal após as 24 semanas. Acta Obstétrica e Ginecológica Portuguesa, 12(3), 240-244. Recuperado de http://www.scielo.mec.pt/pdf/aogp/v12n3/v12n3a15.pdf
World Health Organization. (2016). The WHO application of ICD-10 to deaths during the perinatal period: ICD-PM. Recuperado de https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/249515/9789241549752-eng.pdf
Xavier, S., Nunes, L., & Basto, M. L. (2014). Competência emocional do enfermeiro: A significação do constructo. Pensar Enfermagem, 18(2), 3-19. Recuperado de http://pensarenfermagem.esel.pt/files/Artigo1_3_19.pdf
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_aug2020_e20037_port.pdf
REF_aug2020_e20037_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]