Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Construção e validação da Escala de Empowerment Individual no contexto da doença crónica
Autores:  Elisabete Lamy da Luz; Fernanda dos Santos Bastos; Margarida Maria Vieira
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2020-02-15
Aceite para publicação:  2020-07-07
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH ARTICLE (ORIGINAL)
Ano:  2020
DOI:  10.12707/RV20025
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: A avaliação do empowerment poderá ser um indicador determinante para a obtenção
de ganhos em saúde.
Objetivos: Construir e validar uma escala de empowerment individual no contexto da pessoa com
doença crónica.
Metodologia: O instrumento foi construído e aplicado a uma amostra de conveniência de 271 pessoas com doença crónica, com idades compreendidas entre os 18 e os 65 anos residentes em Lisboa. Para avaliar as propriedades métricas da escala recorreu-se à validação da fiabilidade do instrumento.
Resultados: Obteve-se uma escala de 25 itens com 7 dimensões: Autoperceção; Participação nas decisões em saúde; Mestria; Determinação; Identidade; Autonomia e poder; Relação com os profissionais de saúde. A análise fatorial (componentes principais-Varimax) revelou que os que os 25 itens se organizaram em 7 fatores com uma variância explicada total de 65,28% e alfa de Cronbach total de 0,803.
Conclusão: A criação de uma medida válida e fiável de empowerment no contexto da doença crónica poderá ajudará os profissionais de saúde a explorar o impacto deste resultado na autogestão dos regimes terapêuticos

Palavras-chave
doença crónica; empoderamento para a saúde; escalas
Almeida, C., & Ribeiro, P. (2010). Empowerment em adultos na comunidade: Estudo preliminar de adaptação de uma escala para a população portuguesa. Porto, Portugal: Núcleo de Investigação em Saúde e Qualidade de Vida, Escola Superior de Enfermagem do Porto. Recuperado de https://sigarra.up.pt/fpceup/pt/pub_geral.pub_view?pi_pub_base_id=85143
Anderson, R. M., Funnell, M. M., Fitzgerald, J. T., & Marrero, D. G. (2000). The diabetes empowerment scale: A measure of psychosocial self-efficacy. Diabetes Care, 23(6), 739-743. doi:10.2337/diacare.23.6.739
Barr, P. J., Scholl, I., Bravo, P., Faber, M. J., Elwyn, G., & McAllister, M. (2015). Assessment of patient empowerment: A systematic review of measures. PLoS One, 10(5), e0126553. doi:10.1371/journal.pone.0126553
Bastos, F. (2015). A teoria explicativa sobre a gestão da doença crónica e regime terapêutico: A transição para a doença crónica. Porto, Portugal: Novas Edições Académicas.
Bulsara, C., Styles, I., Ward, A. M., & Bulsara, M. (2006). The psychometrics of developing the patient empowerment scale. Journal of Psychosocial Oncology, 24(2), 1-16. doi:10.1300/J077v24n02_01
Cerezo, P. G., Juvé-Udina, M. E., & Delgado-Hito, P. (2016). Concepts and measures of patient empowerment: A comprehensive review. Revista da Escola de Enfermagem USP, 50(4), 667-674. doi:10.1590/S0080-623420160000500018
Fumagalli, L., Radaelli, G., Emanuele, L., Bertele, P., & Masella, C. (2015). Patient empowerment and its neighbours: Clarifying the boundaries and their mutual relationships. Health Policy, 119(3), 384-394. doi:10.1016/j.healthpol.2014.10.017
Faulkner, M. (2001). A measure of patient empowerment in hospital environments catering for older people. Journal of Advanced Nursing, 34(5), 676-686. doi:10.1046/j.1365-2648.2001.01797.x
Herbert, R., Gannon, A., & Rennick, R. (2009). A systematic review of questionnaires measuring health-related empowerment. Research and Theory for Nursing Practice, 23(2), 107-132. doi:10.1891/1541-6577.23.2.107
Köhler, K., Tingström, P., Jaarsma, T., & Nilsson, S. (2018). Patient empowerment and general self-efficacy in patients with coronary heart disease: A cross-sectional study. BMC Family Practice, 19(1), 76. doi:10.1186/s12875-018-0749-y
Luz, E., Bastos, F., Vieira, M., & Mesquita, E. (2017). Contributos para a tradução e validação da escala Adapted Illness Intrusiveness Ratings no contexto português. Revista de Enfermagem Referência, 4(15), 43-54. doi:10.12707/RIV17045
Marôco, J. (2014). Análise de equações estruturais: Fundamentos teóricos, software & aplicações. Lisboa, Portugal: Sílabo.
McAllister, M., Dunn, G., Payne, K., Davies, L., & Todd, C. (2012). Patient empowerment: The need to consider it as a measurable patient-reported outcome for chronic conditions. BMC Health Services Research,12(1), 157. doi:10.1186/1472-6963-12-157
Mota, L., Bastos, F., & Brito, A. (2017). A pessoa submetida a transplante de fígado: Caracterização do estilo de gestão do regime terapêutico. Revista de Enfermagem Referência, 4(13), 19-28. doi:10.12707/RIV17006
Rogers, E. S., Chamberlin, J., Ellison, M. L., & Crean, T. (1997). A consumer-constructed scale to measure empowerment among users of mental health services. Psychiatric Services, 48(8), 1042-1047. doi:10.1176/ps.48.8.1042
Santis, M., Hervas, M., Weinman, A., & Bottarelli, V. (2018). Patient empowerment: Policy brief. Recuperado de http://www.rd-action.eu/wp-content/uploads/2018/09/PATIENT-EMPOWERMENT.pdf
Small, N., Bower, P., Chew-Graham, C., Whalley, D., & Protheroe, J. (2013). Patient empowerment in long-term conditions: Development and preliminary testing of a new measure. BMC Health Services Research, 13(1), 263. doi:10.1186/1472-6963-13-263
Wang, R., Hsu, H., Lee, Y., Shin, S., Lin, K. D., & An, L. W. (2016). Patient empowerment interacts with health literacy to associate with subsequent self-management behaviors in patients with type 2 diabetes: A prospective study in Taiwan. Patient Education and Counseling, 99(10), 1026-1031. doi: 10.1016/j.pec.2016.04.00
World Health Organization Regional Office for Europe. (2012). Health 2020: Policy framework and strategy. Recuperado de http://www.euro.who.int/__data/assets/pdf_file/0020/170093/RC62wd08-Eng.pdf
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_aug2020_e20025_port.pdf
REF_aug2020_e20025_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]