Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Vivências paternas na realização da posição canguru com recém-nascidos de baixo peso
Autores:  Luisamara Leal Lopes; Alessandra Vaccari; Fernanda Araújo Rodrigues; Silvani Herber
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2020-03-11
Aceite para publicação:  2020-07-07
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH ARTICLE (ORIGINAL)
Ano:  2020
DOI:  10.12707/RV20033
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: A posição canguru consiste em manter o recém-nascido em contacto pele a pele com mãe, pai ou cuidador eleito pela família. Os seus benefícios envolvem melhoria clínica e ganho de peso do recém-nascido.
Objetivo: Descrever a vivência paterna durante a realização da posição canguru com o seu recém-nascido de baixo peso.
Metodologia: Pesquisa de caráter exploratório-descritivo, com abordagem qualitativa, realizada em neonatologia, na região sul do Brasil. As informações foram colhidas por meio de entrevistas semiestruturadas e submetidas à análise de conteúdo temática.
Resultados: Participaram 5 pais. Foram construídas 3 categorias, que contemplaram a ambivalência de sentimentos; as facilidades e as dificuldades vivenciadas; e o fortalecimento do vínculo pai-filho.
Conclusão: É possível transcender os resultados deste estudo e pensar na posição canguru como uma estratégia para o estímulo da interação e do vínculo entre pai e filho, pode efetivamente ser o desencadeador para o desenvolvimento da paternidade.


Palavras-chave
método canguru; paternidade; recém-nascido; enfermagem neonatal
Abade, F., & Romanelli, G. (2018). Paternidade e paternagem em famílias patrifocais. Revista Estudos Feministas, 26(2), e50106. doi:10.1590/1806-9584-2018v26n250106
Barcellos, A. A., & Zani, A. V. (2017). Vivências do pai em face do nascimento do filho prematuro: Revisão integrativa. Journal of Health & Biological Sciences, 5(3), 277-285. doi:10.12662/2317-3076jhbs.v5i3.1198.p277-285.2017
Carvalho, L. D., & Pereira, C. D. (2017). As reações psicológicas dos pais frente à hospitalização do bebê prematuro na UTI neonatal. Revista da SBPH, 20(2), 101-122. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rsbph/v020n2/v20n2a07.pdf
Dal-Rosso, G. R., Silva, S. O., Pieszak, G. M., Ebling, S. B., & Silveira, V. N. (2019). Experiências narradas por homens no exercício da paternidade: Rompendo paradigmas. Revista de Enfermagem da UFSM, 19(3). doi:10.5902/2179769228653
Darrif, L. D., Bortolin, D., & Tabaczinski, C. (2020). Prematuridade paternidade: Um estudo de revisão sistemática. Revista de Psicologia, 11(1), 93-99. doi: 10.36517/revpsiufc.11.1.2020.9
Jesus, N. C., Vieira, B. D., Alves, V. H., Rodrigues, D. P., Souza, R. M., & Paiva, E. D. (2015). The experience of the kangaroo method: The perception of the father. Journal of Nursing UFPE, 9(7), 8542-8550. doi:10.5205/1981-8963-v9i7a10626p8542-8550-2015
Medeiros, F. B., & Piccinini, C. A. (2015). Relação pai-bebê no contexto da prematuridade: Gestação, internação do bebê e terceiro mês após a alta hospitalar. Estudos de Psicologia, 32(3), 475-485. doi:10.1590/0103-166X2015000300012.
Fernandes, N. G., & Silva, E. M. (2015). Vivência dos pais durante a hospitalização do recém-nascido prematuro. Revista de Enfermagem Referência, 4(4), 107-115. doi: dx.doi.org/10.12707/RIV14032.
Lopes, T. R., Santos, V. E., & Carvalho, J. B. (2019). A presença do pai no método canguru. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 23(3), e20180370. doi:10.1590/2177-9465-ean-2018-0370.
Minayo, M. C. (2014). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde (14ª ed.). São Paulo, Brasil: Hucitec.
Ministério da Saúde. (2014). Atenção à saúde do recém-nascido: Guia para os profissionais de saúde: Cuidados com o recém-nascido pré-termo. Brasília, Brasil: Autor. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_saude_recem_nascido_v4.pdf
Ministério da Saúde. (2017). Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso-método canguru manual técnico. Brasília, Brasil: Autor.Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_humanizada_metodo_canguru_manual_3ed.pdf
Ministério da Saúde. (2018). Guia do pré-natal do parceiro para profissionais de saúde. Brasília, Brasil: Autor. Recuperado de http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/agosto/22/PNP.pdf
Palmeira, H. M., & Scorsolini-Comin, F. (2018). Reconhecimento tardio de paternidade e suas repercussões no desenvolvimento dos filhos. Vínculo-Revista do NESME, 15(2). doi:75d323ad-165443c59fb-33bc
Resolução no 510/2016, de 07 de Abril. (2016). Diário Oficial da União. Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde. Brasília, Brasil. Recuperado de https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf
Rolim, K. M., Santos, M. S., Magalhães, F. J., Albuquerque, F. H., Frota, M. A., Fernandes, H. I., & Pinto, M. M. (2018). A relevância do método mãe-canguru na formação do vínculo afetivo: Percepção paterna. Recuperado de https://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2018/article/view/1928
Shorey, S., He, H. G., & Morelius, E. (2016). Skin-to-skin contact by fathers and the impact on infant and paternal outcomes: An integrative review. Midwifery, 40, 207-217. Recuperado de https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0266613816301115
Soares, R. L., Christoffel, M. M., Rodrigues, E. C., Machado, M. E., & Cunha, A. L. (2015). Ser pai de recém-nascido prematuro na unidade de terapia intensiva neonatal: Da parentalidade a paternidade. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 19(3), 409-416. doi:10.5935/1414-8145.20150054.
Tamez, R. N., & Silva, M. J. (2017). Enfermagem na UTI Neonatal: Assistência ao recém-nascido de alto risco. Rio de Janeiro, Brasil: Guanabara Koogan.
Tong, A., Sainsbury, P., & Craig, J. (2007). Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): A 32-item checklist for interviews and focus groups. International Journal for Quality in Health Care, 19(6), 349-357. doi:10.1093/intqhc/mzm042
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_sep2020_e20033_port.pdf
REF_sep2020_e20033_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]