Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  A Alimentação da criança com paralisia cerebral: dificuldades dos pais
Autores:  Joana Mendes Marques*; Luís Octávio Sá**
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2016-05-17
Aceite para publicação:  2016-10-14
Secção:  Artigo de Investigação
Ano:  2016
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV16041

Resumo
Enquadramento: O estado nutricional das crianças com paralisia cerebral (PC) é uma problemática onde o enfermeiro tem uma enorme responsabilidade com as crianças e pais.
Objetivos: Conhecer o peso, altura e índice de massa corporal das crianças com PC; Conhecer a perceção dos pais relativamente ao estado nutricional do seu filho com PC; Identificar as dificuldades dos pais na alimentação da criança; Conhecer a relação entre a funcionalidade da família e o peso da criança.
Metodologia: Estudo misto. Amostra de 104 crianças e seu pai ou mãe (104). Aplicação do Questionário de Avaliação Antropométrica e Questionário aos pais.
esultados: Cerca de 45% das crianças encontrava-se no percentil <5. A maioria dos pais tinha a perceção do défice estaturo- -ponderal do seu filho. As dificuldades centram-se na perda de alimento pela boca, engasgamento e vómitos frequentes.
Conclusão: Há uma elevada percentagem de crianças com PC com défice estaturo-ponderal. Os pais têm a perceção desta problemática, enumerando dificuldades na alimentação dos seus filhos. As famílias de crianças com défice estaturo-ponderal são as famílias mais disfuncionais.

Palavras-chave
criança; paralisia cerebral; pais; alimentação
Andrada, M., Batalha, I., Calado, E., Carvalhão, I., Duarte, J., Ferreira, C., & Folha, T. (2012). Paralisia Cerebral aos 5 Anos de idade em Portugal. Crianças com paralisia cerebral nascidas entre 2001-2013. Lisboa, Portugal: APPC.
Augusto, C. (2012). A família da criança com paralisia cerebral: Perspetivar o papel do enfermeiro na construção da resiliência familiar. Revista Sinais Vitais, 101, 23-25.
Bardin, L. (2009). Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.
Camargos, A., Lacerda, T., Viana, S., Pinto, L., & Fonseca, M. (2009). Avaliação da sobrecarga do cuidador de crianças com paralisia cerebral através da escala Burden Interview. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 9(1), 31-37.
Campos, A. (2013, Março 19). Há mais casos de paralisia cerebral nas pequenas e nas grandes maternidades. Jornal Público. Recuperado de https://www.publico.pt/sociedade/noticia/ha-mais-casos-de-paralisia-cerebral-nas-pequenas-e-nas-grandes-maternidades-1588372
Chagas, P. S., Deffilipo, E. C., Lemos, R., Mancini M., Frônio, J., & Carvalho, R. (2008). Classificação da função motora e do desempenho funcional de crianças com paralisia cerebral. Revista Brasileira de Fisioterapia, 12(5), 409-416.
Clawson, E., Kuchinski K. S., & Bach, R. (2007). Use of behavioral interventions and parent education to address feeding difficulties in young children with spastic diplegic cerebral palsy. NeuroRehabilitation, 22, 397-406.
Direção-Geral de Saúde. (2015). Nutrição e deficiência(s). Programa nacional para a promoção da alimentação saudável. Lisboa, Portugal: Autor.
Felicíssimo, A. (2009). Conhecer a convivência da família com o doente psicótico: Intervenções psicoeducativas na linha comportamental de Fallon. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, 1, 23-32.
Folha, T. (2010). Paralisia Cerebral na Região de Lisboa e Vale do Tejo: Factores de risco, caracterização multidimensional, inclusão escolar (Dissertação de mestrado). Universidade Nova de Lisboa, Escola Nacional de Saúde Pública, Portugal.
Issã, R. (2014). Avaliação do estado nutricional e ingestão energética em indivíduos com paralisia cerebral (Dissertação de mestrado). Universidade do Porto, Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação, Portugal.
Macedo, L., Festas, C., & Vieira, M. (2012). Perceções parentais sobre estado nutricional, imagem corporal e saúde em crianças com idade escolar. Revista de Enfermagem Referência, 3(6), 191-200
Magnus, M. O., Andersen, G .L., Andrada, M. G., Arnaud, C., Balu, R., Dela Cruz, J.,... Vik, T. (2012). Gastrostomy tube feeding of children with cerebral palsy: Variation across six European countries. Developmental Medicine & Child Neurology, 54(10), 938-944.
Ordem dos Enfermeiros, Comissão de Especialidade de Enfermagem de Saúde Infantil e Pediátrica. (2012). Guias orientadores de boa prática em enfermagem de saúde infantil e pediátrica: Entrevista ao adolescente e promover o desenvolvimento infantil na criança. Lisboa, Portugal: Autor.
Pruitt, D. & Tsai, T. (2009). Common medical comorbidities associated with cerebral palsy. Physical Medicine & Rehabilitation Clinics North America, 20(3), 453-467.
Rogers, B. (2004). Feeding method and health outcomes of children with cerebral palsy. Pediatrics, 145(Supl. 2), S28-32.
Patel, M. R., Piazza, C. C., Layer, S. A., Coleman, R., & Swartzwelder, D. M. (2005). A systematic evaluation of food textures to decrease packing and increase oral intake in children with pediatric feeding disorders. Journal of Applied Behavior Analysis, 38(1), 89-100.
Sullivan, P. (2009). Feeding and nutrition in children with neurodevelopmental disability. London, England: Mac Keith Press.
Wilson, E. M., & Hustad, K. C. (2009). Early feeding abilities in children with cerebral palsy: A parental report study. Journal of Medical Speech-Language Pathology, 17(1), 31-44. Recuperado de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2688002/pdf/nihms57357.pdf
Texto integral
Total: 0 registo(s)
01 Rev. Enf. Ref. RIV16041 ING.pdf
01 Rev. Enf. Ref. RIV16041.pdf


[ Detalhes da edição ]