Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Construção do formulário de avaliação da competência de autocuidado na pessoa com ostomia de eliminação intestinal
Autores:  Carla Regina Rodrigues da Silva*; Teresa Maria Silva Cardoso**; Ana Maria Rodrigues Gomes***;
Célia Samarina Vilaça de Brito Santos****; Maria Alice Correia de Brito*****
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2016-04-28
Aceite para publicação:  2016-11-07
Secção:  Artigo de Investigação
Ano:  2016
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV16036

Resumo
Enquadramento: A criação de uma ostomia intestinal impõe à pessoa múltiplas e significativas mudanças que tendem a ser superadas através do desenvolvimento da competência de autocuidado ao estoma. Conhecer as necessidades específicas da pessoa a vivenciar este processo de adaptação auxiliará na tomada de decisão dos enfermeiros, imprimindo maior rigor ao processo de diagnóstico de enfermagem, com repercussões na melhoria e na continuidade da assistência a este grupo populacional.
Objetivos: Construir um instrumento de avaliação da competência de autocuidado na pessoa com ostomia intestinal.
Metodologia: Estudo metodológico que consistiu na construção de um formulário. A validade de conteúdo foi garantida pela avaliação de peritos através de um focus group. O formulário foi aplicado a uma amostra de conveniência de 180 participantes.
Resultados: Formulário com 45 indicadores de medida, agrupados em 6 domínios, apresentando muito boa consistência interna (alfa de Cronbach global > 0,90) e reconhecida validade de conteúdo.
Conclusão: O formulário construído mostrou ser fidedigno e de fácil aplicação na avaliação do desenvolvimento da competência de autocuidado à pessoa com ostomia intestinal.

Palavras-chave
autocuidado; ostomia; colostomia; ileostomia; jejunostomia; cuidados de enfermagem
Beitz, J., Gerlach, M., Ginsburg, P., Ho, M., McCann, E., Schafer, V., … Turnbull, G. (2010). Content validation of a standardized algorithm for ostomy care. Ostomy Wound Management, 56(10), 22-38. Recuperado de http://www.o-wm.com/content/content-validation-standardized-algorithm-ostomy-care
Bowling, A. (2014). Research methods in health: Investigating health and health services (4th ed.). New York, USA: McGraw-Hill Education.
Freixo, M. (2011). Metodologia científica, fundamentos, métodos e técnicas (3ª ed.). Lisboa, Portugal: Instituto Piaget.
Guerreiro, M., Silva, A., Botelho, M., Leitão, O., Castro-Caldas, A., & Garcia, C. (1994). Adaptação à população portuguesa da tradução do Mini Mental State Examination. Revista Portuguesa de Neurologia, 1(9), 9-10.
Hulley, S., Cummings, S., Browner, W., & Grady, D. (2015). Delineando a pesquisa clínica (4ª ed.). Porto Alegre, Brasil: Armed.
Iarossi, G. (2011). O poder da concepção em inquéritos por questionário. Lisboa, Portugal: Fundação Calouste Gulbenkian.
Jayasekara, R. (2012). Focus groups in nursing research: Methodological perspectives. Nursing Outlook, 60(6), 411-416. doi:10.1016/j.outlook.2012.02.001
Law, L., Akroyd, K., & Burke, L. (2010). Improving nurse documentation and record keeping in stoma care. British Journal of Nursing, 19(21), 1328-1332. doi:10.12968/bjon.2010.19.21.80002
Marconi, M., & Lakatos, E. (2010). Fundamentos de metodologia científica (7ª ed.). São Paulo, Brasil: Editora Atlas.
Martins, L., Ayello, E., Claessens, I., Steen Hansen, A., Hentze Poulsen, L., Sibbald, R., & Jemec, G. (2010). The ostomy skin tool: Tracking peristomal skin changes. British Journal of Nursing, 19(15), 961-964. doi:10.12968/bjon.2010.19.15.77691
Metcalf, C. (1999). Stoma care: Empowering patients through teaching practical skills. British Journal of Nursing, 8(9), 593-600. doi:10.12968/bjon.1999.8.9.6621
Moorhead, S., Johnson, M., Maas, M., & Swanson, E. (2010). NOC: Classificação dos resultados de enfermagem (4th ed.). Rio de Janeiro, Brasil: Mosby Elsevier.
O’Connor, G. (2005). Teaching stoma-management skills: The importance of self-care. British Journal of Nursing, 14(6), 320-324. doi:10.12968/bjon.2005.14.6.17800.
O’Connor, G., Coates, V., & O’Neill, S. (2010). Exploring the information needs of patients with cancer of the rectum. European Journal of Oncology Nursing, 14(4), 271-277. doi:10.1016/j.ejon.2010.01.024
Pinto, I., Santos, C., Brito, M., & Queirós, S. (2016). Propriedades psicométricas do formulário Desenvolvimento da competência de autocuidado da pessoa com ostomia de eliminação intestinal. Revista de Enfermagem Referência, 4(8), 75-84. doi:10.12707/RIV15044
Ribeiro, J. (2010). Metodologia de investigação em psicologia e saúde (3ª ed.). Porto, Portugal: Legis Editora/Livpsic.
Registered Nurses’ Association of Ontario. (2009). Ostomy care and management: Clincal best practice guidelines. Toronto, Canada: Author.
Santos, V. (2005). A estomaterapia através dos tempos. In V. Santos & I. Cesaretti (Eds.), Assistência em estomaterapia, cuidando do ostomizado (pp.1-17). São Paulo, Brasil: Atheneu.
Schumacher, K., Stewart, B., Archbold, P., Dodd, M., & Dibble, S. (2000). Family caregiving skill: Development of the concept. Research in Nursing & Health, 23(3),191-203. doi:10.1002/1098-240X(200006)23:3<191::AID-NUR3>3.0.CO;2-B
Texto integral
Total: 0 registo(s)
02 Rev. Enf. Ref. RIV16036 ING.pdf
02 Rev. Enf. Ref. RIV16036.pdf


[ Detalhes da edição ]