Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Efeito das intervenções breves na redução do consumo de álcool em indivíduos portadores do vírus da imunodeficiência humana
Autores:  Susana Magalhães Patrício*; Deborah S. Finnell**; Teresa Barroso***
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2016-07-06
Aceite para publicação:  2016-10-25
Secção:  Artigo de Investigação
Ano:  2016
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV16052

Resumo
Enquadramento: O consumo de álcool em indivíduos portadores do vírus da imunodeficiência humana (VIH) pode influenciar a progressão da doença pela diminuição da adesão à terapêutica.
Objetivos: Avaliar o efeito das intervenções breves na redução do risco de consumo de álcool nos indivíduos portadores de VIH.
Metodologia: Estudo experimental, com grupo de controlo. Amostragem consecutiva. Realizadas intervenções breves no grupo experimental (31 indivíduos) e ensinos habituais no de controlo (27 indivíduos), após aplicação Alcohol Use Disorders Identification Test (AUDIT).. Recurso também a questionário estruturado para caracterização dos participantes. Avaliação seguinte após 4 a 6 meses.
Resultados: Na avaliação inicial, os grupos eram homogéneos e na avaliação final demonstraram diferenças estatisticamente significativas (p = 0,028) no risco de consumo de álcool. Após a intervenção, 2 indivíduos do grupo experimental diminuíram o risco de consumo de álcool, passando da zona de risco para a de baixo risco.
Conclusão: Embora no limiar da significância, as intervenções breves demonstraram ter efeitos mais positivos, comparativamente aos ensinos habituais, na redução do risco de consumo de álcool.

Palavras-chave
motivação; avaliação de eficácia-efetividade das intervenções; consumo de bebidas alcoólicas; HIV; enfermagem
Babor, T. F., Higgins-Biddle, J. C., Saunders, J. B., & Monteiro, M. G. (2001). The alcohol use disorders identification test: Guidelines for use in primary care (2nd ed.). Geneva, Switzerland: World Health Organization, Department of Mental Health and Substance Dependence.
Balsa, C., Vital, C., & Urbano, C. (2013). III inquérito nacional ao consumo de substâncias psicoactivas na população portuguesa. Lisboa, Portugal: Universidade Nova de Lisboa, Centro de Estudos de Sociologia.
Barroso, T., Castanhola, R., Marta, M., & Claro, M. (2010). Effectiveness of brief interventions by clinical nurse specialists (CNS) in primary settings. Alcoholism Clinical and Experimental Research, 34(8), 128A.
Bonolo, P. D., Gomes, R., & Guimarães, M. (2007). Adesão à terapia anti-retroviral (HIV/aids): Fatores associados e medidas da adesão. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 16(4), 261-278. doi: 10.5123/S1679-49742007000400005
Bryant, K. J., Nelson, S., Braithwaite, S., & Roach, D. (2010). Integrating HIV/AIDS and alcohol research. Aging, 33(3), 167-178. Recuperado de http://pubs.niaaa.nih.gov/publications/arh333/167-178.pdf
Chander, J., Lau, B., & Moore, R. (2006). Hazardous alcohol use: A risk factor for non-adherence and lack of suppression in HIV infection. Journal of Acquired Immune Deficiency Syndromes, 43(4), 411-417. doi: 10.1097/01.qai.0000243121.44659.a4
Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge. (2015). Infeção VIH/SIDA: A situação em Portugal a 31 de dezembro de 2014. Lisboa, Portugal: Autor.
Joint United Nations Programme on HIV/AIDS. (2016). Global aids update. Geneva, Switzerland: Author.
Kaner, E. F., Dickinson, H. O., Beyer, F. R., Campbell, F., Schlesinger, C., Heather, N., . . . Pienaar, E. D. (2007). Effectiveness of brief alcohol interventions for primary care populations. Cochrane Database of Systematic Review, 2(CD004148). doi: 10.1002/14651858.CD004148.pub3
Lingford-Hughes, A., Potokar, J., & Nutt, D. (2002). Treating anxiety complicated by substance misuse. Advances in Psychiatric Treatment, 8(2), 107-116. doi: 10.1192/apt.8.2.107
Machtinger, E. L., & Bangsberg, D. R. (2006). Adherence to HIV antiretroviral therapy. Recuperado de http://hivinsite.ucsf.edu/InSite?page=kb-00&doc=kb-03-02-09
McCambridge, J., & Kypri, K. (2011). Can simply answering research questions change behaviour?: Systematic review and meta analyses of brief alcohol intervention trials. PloS One, 6(10), e23748. doi: 10.1371/journal.pone.0023748
Rosa, N. R., Abreu, Â. M., & Barroso, T. M. (2015). Efeito das IBs na redução do consumo de risco nos utentes em tratamento com metadona. Revista de Enfermagem Referência, 4(6), 27-34. doi: 10.12707/RIV14082
Silva, T., & Quintas, J. (2010). Consumo de álcool em toxicodependentes em tratamento. Toxicodependências, 16(3), 44-58. Recuperado de http://www.scielo.mec.pt/pdf/tox/v16n3/v16n3a05.pdf
Strauss, S., Munoz-Plaza, C., Tiburcio, N. J., & Gwadz, M. (2012). Barriers and facilitators in Implementing “Prevention for Positives” alcohol reduction support: The perspectives of directors and providers in hospital-based HIV care centers. Journal of Association of Nurses in AIDS Care, 23(1), 30-40. doi: 10.1016/j.jana.2011.03.001
Szabo, G., & Zakhari, S. (2011). Mechanisms of alcohol-mediated hepatotoxicity in human-immunodeficiency-virus-infected patients. World Journal of Gastroenterology, 17(20), 2500-2506. doi: 10.3748/wjg.v17.i20.2500
Tran, B. X., Nguyen, L. T., Do, C. D., Nguyen, Q. L., & Maher, R. M. (2014). Associations between alcohol use disorders and adherence to antiretroviral treatment and quality of life amongst people living with HIV/AIDS. BMC Public Health, 14(27), 2-7. doi: 10.1186/1471-2458-14-27
World Health Organization. (2003). Adherence to long-term therapies: Evidence for action. Geneva, Switzerland: Author.
World Health Organization. (2010). Global strategy to reduce the harmful use of alcohol. Geneva, Switzerland: Author.
World Health Organization. (2014). Global status report on alcohol and health: 2014. Geneva, Switzerland: Author.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
04 Rev. Enf. Ref. RIV16052 ING.pdf
04 Rev. Enf. Ref. RIV16052.pdf


[ Detalhes da edição ]