Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Gestão do cuidado de enfermagem ao paciente oncológico num hospital geral: uma Teoria Fundamentada nos Dados
Autores:  Caroline Cechinel Peiter*; Maria Eduarda Pereira Caminha**; Gabriela Marcellino de Melo Lanzoni***;
Alacoque Lorenzini Erdmann****
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2016-05-24
Aceite para publicação:  2016-09-28
Tipo:  Artigo
Ano:  2016
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV16044

Resumo
Enquadramento: Verifica-se o crescente aumento na incidência de cancro, sendo atualmente a segunda doença não transmissível que mais mata no mundo.
Objetivos: Compreender o significado da gestão do cuidado de enfermagem aos pacientes oncológicos internados num hospital geral.
Metodologia: Pesquisa qualitativa. Utilizou-se a Teoria Fundamentada nos Dados. Realização de entrevistas semiestruturadas a 14 sujeitos (6 enfermeiros, 5 técnicos de enfermagem, 1 nutricionista, 1 psicóloga e 1 familiar) de agosto a outubro de 2010.
Resultados: Após análise alcançaram-se 13 categorias, revelando-se a categoria central Perceber a superação do profissional e a importância da interdisciplinaridade ao contrastar a gestão do cuidado de enfermagem humanístico e humanitário preconizado ao paciente oncológico com o vivenciado pelos profissionais de saúde e familiares, numa unidade de internamento hospitalar geral.
Conclusão: A gestão do cuidado de enfermagem ao paciente oncológico é considerada estratégia para efetivação de um cuidado direcionado. A enfermagem é percebida como o principal apoio do paciente e família. O cuidado multiprofissional e capacitação permanente são identificados como potencializadores do cuidado ao paciente oncológico.

Palavras-chave
enfermagem oncológica; oncologia; gerenciamento clínico; teoria fundamentada nos dados
Amador, D., Gomes, I., Coutinho, S., Costa, T., & Collet, N. (2011). Nurses’ conceptions about pediatric oncology care training. Texto & Contexto Enfermagem, 20(1), 94-101. doi:10.1590/S0104-07072011000100011
COFEN. Conselho Federal de Enfermagem. Decreto 94.406/87. (2016) Recuperado de http://www.cofen.gov.br/decreto-n-9440687_4173.html
Cristo, L., & Araújo, T. (2011). Comunicação e oncologia: Levantamento de estudos brasileiros. Brasília Médica, 48(1), 50-57.
Cubero, D., & Giglio, A. (2014). Entendendo a síndrome de burnout na cancerologia. Revista Brasileira Medica, 71(nº esp.m 2), 3-8. doi:S0034-72642014018200001
Fernandes, M., & Komessu, J. (2013). Desafios do enfermeiro diante da dor e do sofrimento da família de pacientes fora de possibilidades terapêuticas. Revista Escola Enfermagem da USP, 47(1), 250-257. doi:10.1590/S0080-62342013000100032
França, J., Costa, S., Lopes, M., Nóbrega, M., & França, I. (2013). Importância da comunicação nos cuidados paliativos em oncologia pediátrica: Enfoque na teoria humanística de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 21(3), 780-786. doi:10.1590/S0104-11692013000300018
Infante, S. (2011). Iatrogenic cancer pain and its prevention. Revista Dor, 12(1), 54-57. doi:10.1590/S1806-00132011000100012
Matos, E., Pires, D., & Gelbcke, F. (2012). Implicações da interdisciplinaridade na organização do trabalho da enfermagem: Estudo em equipe de cuidados paliativos. Revista Eletrônica Enfermagem, 14(2), 230-239. doi:10.5216/ree.v14i2.13237
Mesquita, M., Paes, G., Silva, M., Duarte, S., Erdmann, A., & Leite, J. (2015). Gerência do cuidado de enfermagem ao homem com câncer. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, 7(3), 2949-2960.
Ministério da Saúde, Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. (2015). Estimativa 2016: Incidência de câncer no Brasil. Recuperado de http://www.inca.gov.br/estimativa/2016/estimativa-2016-v11.pdf
Oliveira, M., & Firmes, M. (2012). Sentimentos dos profissionais de enfermagem em relação ao paciente oncológico. REME: Revista Mineira de Enfermagem, 16(1), 91-97. doi:S1415-27622012000100013
Portaria n.º 2.439/GM de 8 de dezembro. (2005). Recuperado de http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/Legislacao/portaria_2439.pdf
Pradebon, V., Erdmann, A., Leite, J., Lima, S., & Prochnow, A. (2011). Complexity theory in the daily experience of the nurse manager. Acta Paulista de Enfermagem, 24(1), 13-22. doi:10.1590/S0103-21002011000100002
Regulamento nº 124/11 de 18 de Fevereiro. Diário da República nº 35/11, II Série. Ordem dos Enfermeiros. Lisboa, Portugal.
Santos, J., Lima, M., Pestana, A., Colomé, I., & Erdmann, A. (2016). Estratégias utilizadas pelos enfermeiros para promover o trabalho em equipe em um serviço de emergência. Revista Gaúcha de Enfermagem, 37(1), e50178. doi:10.1590/1983-1447.2016.01.50178
Silva, M., & Moreira, M. (2011). Standardization of nursing care in a palliative care oncology setting: Perceptions of nurses. Acta Paulista de Enfermagem, 24(2), 172-178. doi:10.1590/S0103-21002011000200003
Silva, M., Moreira, M., Leite, J., & Erdmann, A. (2012). Analysis of nursing care and the participation of families in palliative care in cancer. Texto & Contexto Enfermagem, 21(3), 658-666. doi:10.1590/S0104-07072012000300022
Soares, M., Resck, Z., Terra, F., & Camelo, S. (2015). Sistematização da assistência de enfermagem: Facilidades e desafios do enfermeiro na gerência da assistência. Escola Anna Nery, 19(1), 47-53. doi:10.5935/1414-8145.20150007
Strauss, A., & Corbin, J. (2008). Pesquisa qualitativa: Técnicas e procedimentos para o desenvolvimento da teoria fundamentada (2ª ed.). Porto Alegre, Brasil: Artmed.
World Health Organization. (2014). Global status report: On noncommunicable diseases 2014. Geneva, Switzerland: Author.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
06 Rev. Enf. Ref. RIV16044 ING.pdf
06 Rev. Enf. Ref. RIV16044.pdf


[ Detalhes da edição ]