Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Gestão do regime terapêutico - construção de fluxograma de apoio à tomada de decisão: estudo qualitativo
Autores:  Liliana Andreia Neves da Mota*; Maria Adelaide Sousa Cruz**; Catarina Alexandra Oliveira Costa***
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2016-07-27
Aceite para publicação:  2016-11-28
Secção:  Artigo de Investigação
Ano:  2016
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV16056

Resumo
Enquadramento: O transplante hepático é uma modalidade terapêutica em situações de doença hepática avançada e cujo sucesso depende do modo como o doente incorpora no seu quotidiano um novo regime terapêutico complexo.
Objetivos: Desenvolver um fluxograma de apoio à decisão clínica de enfermagem no âmbito da gestão do regime terapêutico da pessoa submetida a transplante hepático.
Metodologia: Estudo qualitativo, longitudinal, realizado num centro de transplantação, com recurso à análise de conteúdo retrospetiva aos registos de enfermagem e reuniões de consenso com os enfermeiros. Realizou-se de janeiro a dezembro de 2013.
Resultados: O fluxograma agrega as áreas do regime medicamentoso, regime dietético, hábitos de vida e as complicações. As especificações das intervenções agregadas nas áreas referidas reuniram consenso em mais de 90% dos enfermeiros, tendo em vista a continuidade dos cuidados.
Conclusão: A sistematização da informação num fluxograma permite o melhor reconhecimento das necessidades dos doentes tendo em vista a preparação do regresso a casa, a continuidade e qualidade dos cuidados.

Palavras-chave
autocuidado; transplante de fígado; enfermagem
Acurcio, F. A., Silva, A., Ribeiro, A., Rocha, N., Silveira, M., Klein, C., & Rozenfeld, S. (2009). Complexidade do regime terapêutico prescrito para idosos. Revista Associação Médica Brasileira, 55(4), 468-474. doi: 10.1590/S0104-42302009000400025
Bardin, L. (2008). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.
Bastos, F. (2013). A pessoa com doença crónica: Uma teoria explicativa sobre a problemática da gestão e do regime terapêutico (Tese de doutoramento). Recuperado de http://hdl.handle.net/10400.14/11990
Flick, U. (2005). Métodos qualitativos na investigação científica. Lisboa, Portugal: Monitor.
Forsberg, A., Backman, L., & Svensson, E. (2002). Liver transplant recipients`ability to cope during the first 12 months after transplantation: A prospective study. Scandinavian Journal of Caring Sciences, 16(4), 345-352 doi: 10.1046/j.1471-6712.2002.00100.x
Conselho Internacional de Enfermeiros. (2011). CIPE versão 2: Classificação internacional para a prática de enfermagem. Lisboa, Portugal: Lusodidacta.
Conselho Internacional de Enfermeiros. (2015). CIPE: Classificação internacional para a prática de enfermagem. Lisboa, Portugal: Lusodidacta.
Fry, N., & Bates, B. G. (2012). The tasks of self-managing hepatitis C: The significance of disclosure. Psichology & Health, 27(4), 460-474. doi: 10.1080/08870446.2011.592982
Lorig, K. R., & Holman, H. R. (2003). Self-management education: History, definition, outcomes and mechanisms. Annals of Behavioral Medicine, 26(1), 1-7. doi: 10.1207/S15324796ABM2601_01
Morais, J. P. (2010). Preparação do regresso a casa: Do hospital ao contexto familiar (Dissertação de mestrado). Recuperado de http://hdl.handle.net/10400.14/9210
Moreno, M. F. (2012). Adesão à terapêutica em doentes submetidos a transplante hepático e renal (Dissertação de mestrado). Recuperado de http://hdl.handle.net/10362/9707
Mota, L. A. (2010). Sistemas de informação de enfermagem: Um estudo sobre a relevância da Informação para os médicos (Dissertação de mestrado). Recuperado de http://hdl.handle.net/10216/55361
Mota, L. (2011). O perfil de autocuidado dos clientes: Exploração da sua influênca no sucesso após transplante hepático (Dissertação de mestrado). Recuperado de http://hdl.handle.net/10400.26/9234
Mota, L., Pereira, F., & Sousa, P. (2014). Sistemas de informação de enfermagem: Exploração da informação partilhada com os médicos. Revista de Enfermagem Referência, 4(1), 85-91. doi: 10.12707/RIII12152
NANDA International. (2003). Nursing diagnoses: Definitions & classification. Philadelphia, PA: Author.
Ordem dos Enfermeiros. (2007). Sistema de informação em enfermagem: Princípios básicos da arquitetura e principais requisitos técnico-funcionais. Lisboa, Portugal: Autor.
Pereira, F. M. (2007). Informação e qualidade do exercício profissional dos enfermeiros: Estudo empírico sobre um resumo mínimo de dados de enfermagem (Tese de doutoramento). Recuperado de http://hdl.handle.net/10216/7182
Redman, B. K. (2004). Patient selfmanagement of chronic disease: The health care provider´s challenge. Sudbury, MA: Jones & Bartlett Publishers.
Telles-Correia, D., Barbosa, A., Mega, I., Barroso, E., & Monteiro, E. (2007). Adesão nos doentes transplantados. Acta Médica Portuguesa, 20(1), 73-85. Recuperado de http://repositorio.chlc.min-saude.pt/bitstream/10400.17/622/1/AMP%202007%2073.pdf
Telles-Correia, D., Barbosa, A., Mega, I., Barroso, E., & Monteiro, E. (2008). Coping nos doentes transplantados. Acta Médica Portuguesa, 21(2), 141-148. Recuperado de http://repositorio.chlc.min-saude.pt/bitstream/10400.17/625/1/AMP%202008%20141.pdf
Texto integral
Total: 0 registo(s)
07 Rev. Enf. Ref. RIV16056 ING.pdf
07 Rev. Enf. Ref. RIV16056.pdf


[ Detalhes da edição ]