Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Tradução e adaptação da Phlebitis Scale para a população portuguesa
Autores:  Luciene Muniz Braga*; Anabela de Sousa Salgueiro-Oliveira**; Maria Adriana Pereira Henriques***;
Manuel Alves Rodrigues****; Cláudia Jesus Vidal Rodrigues*****; Sónia Alexandra Graça Pereira******; Pedro Miguel dos Santos Dinis Parreira*******
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2016-06-14
Aceite para publicação:  2016-11-16
Tipo:  Artigo de Investigação
Ano:  2016
DOI:  http://dx.doi.org/10.12707/RIV16048

Resumo
Enquadramento: Para avaliação da flebite é indicada a utilização de uma escala como a Phlebitis Scale, que possibilita padronizar a avaliação e documentar a efetividade dos cuidados.
Objetivos: Traduzir, adaptar e avaliar as propriedades psicométricas da Phlebitis Scale para a população portuguesa.
Metodologia: Estudo metodológico de tradução e avaliação das propriedades psicométricas da Phlebitis Scale numa amostra não probabilística com 110 doentes portadores de 526 cateteres venosos periféricos. Realizou-se análise fatorial exploratória em componentes principais com rotação Varimax para análise de validade de constructo e análise da consistência interna da escala através do Alpha de Cronbach.
Resultados: Observou-se uma incidência de 35,5% de flebite nos doentes. A análise fatorial evidenciou 2 graus de severidade da flebite, o primeiro responsável por 41,5% de variância. A consistência interna foi 0,78 e 0,90.
Conclusão: A Escala Portuguesa de Flebite demonstrou equivalência linguística em relação à original e consistência interna adequada na avaliação da flebite. No entanto, propõe-se nova estrutura da escala para melhorar a interpretação dos graus de flebite em termos de discriminação.

Palavras-chave
enfermagem; flebite; cateterismo periférico; tradução; análise fatorial
Abolfotouh, M. A, Salam, M., Bani-Mustafa, A., White, D., & Balkhy, H. H. (2014). Prospective study of incidence and predictors of peripheral intravenous catheter-induced complications. Therapeutics and Clinical Risk Management, 10, 993-1001. doi: 10.2147/TCRM.S74685
Athayde, A. G., & Oliveira, A. D. (2006). Estudo da integração de sinais na avaliação da severidade de flebite associada à cateterização venosa periférica. Revista Referência, 2(3), 7-19. Recuperado de http://web.esenfc.pt/pa3/public/index.php?module=rr&target=publicationDetails&&id_artigo=28&pesquisa=
Ferreira, L. R., Pedreira, M. L., & Diccini, S. (2007). Flebite no pré e pós-operatório de pacientes neurocirúrgicos. Acta Paulista de Enfermagem, 20(1), 30-36. doi: 10.1590/S0103-21002007000100006
Ferrete-Morales, C., Vázquez-Pérez, M. Á., Sánchez-Berna, M., Gilabert-Cerro, I., Corzo-Delgado, J. E., Pineda-Vergara, J. A., ... Gómez-Mateos, J. (2010). Incidence of phlebitis due to peripherally inserted venous catheters: Impact of a catheter management protocol. Enfermería Clínica, 20(1), 3-9. doi: 10.1016/j.enfcli.2009.10.001
Furtado, L. C. (2011). Incidence and predisposing factors of phlebitis in a surgery department. British Journal of Nursing, 20(Suppl. 7), S16-S25. doi: 10.12968/bjon.2011.20.Sup7.S16
Gabriel, C. S., Melo, M. R., Rocha, F. L., Bernardes, A., Miguelaci, T., & Silva, M. L. (2011). Utilização de indicadores de desempenho em serviço de enfermagem de hospital público. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19(5), 9 telas. doi: 10.1590/S0104-11692011000500024
Gallant, P., & Schultz, A. A. (2006). Evaluation of a visual infusion phlebitis scale for determining appropriate discontinuation of peripheral intravenous catheters. Journal of Infusion Nursing, 29(6), 338-345. doi: 10.1097/00129804-200611000-00004
Groll, D. L., Davies, B., MacDonald, J., Nelson, S., & Virani, T. (2010). Evaluation of the psychometric properties of the phlebitis and infiltration scales for the assessment of complications of peripheral vascular access devices. Journal of Infusion Nursing, 33(6), 385-390. doi: 10.1097/NAN.0b013e3181f85a73
Ho, K. H., & Cheung, D. S. (2012). Guidelines on timing in replacing peripheral intravenous catheters. Journal of Clinical Nursing, 21(11-12), 1499-1506. doi: 10.1111/j.1365-2702.2011.03974.x
Infusion Nurses Society. (2006). Phlebitis. Journal of Infusion Nursing, 29(1 Suppl.), S58-S59.
LaRue, G. D., & Peterson, M. (2011). The impact of dilution on intravenous therapy. Journal of Infusion Nursing, 34(2),117-123. doi: 10.1097/NAN.0b013e31820b7899
Maki, D. G., & Ringer, M. (1991). Risk factors for infusion-related phlebitis with small peripheral venous catheters: A randomized controlled trial. Annals of Internal Medicine, 114(10), 845-854. doi: 10.7326/0003-4819-114-10-845
Oliveira, A. S. (2014). Intervenção nas práticas dos enfermeiros na prevenção de flebites em pessoas portadoras de cateteres venosos periféricos: Um estudo de investigação-ação (Tese de doutoramento). Recuperado de http://hdl.handle.net/10451/12149
Pasalioglu, K. B., & Kaya, H. (2014). Catheter indwell time and phlebitis development during peripheral intravenous catheter administration. Pakistan Journal of Medical Sciences, 30(4), 725-730. doi: 10.12669/pjms.304.5067
Ray-Barruel, G., Polit, D. F., Murfield, J. E., & Rickard, C. M. (2014). Infusion phlebitis assessment measures: A systematic review. Journal of Evaluation in Clinical Practice, 20(2),191-202. doi: 10.1111/jep.12107
Royal College of Nursing. (2010). Standards for infusion therapy: The RCN IV Therapy Forum (3rd ed.). Recuperado de http://www.bbraun.it/documents/RCN-Guidlines-for-IV-therapy.pdf
Sena, C. A., Krempser, P., Silva, R. N., & Oliveira, D. V. (2013). Punção de vasos e paleta cromática: Subsídio para pesquisa e prática clínica de enfermeiros. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, 3(1), 488-497. doi: 10.19175/recom.v0i0.309
Sousa, V. D., & Rojjanasrirat, W. (2011). Translation, adaptation and validation of instruments or scales for use in cross-cultural health care research: A clear and user-friendly guideline. Journal of Evaluation in Clinical Practice, 17(2), 268-274. doi: 10.1111/j.1365-2753.2010.01434.x
Webster, J., McGrail, M., Marsh, N., Wallis, M. C., Gillian Ray-Barruel, G., & Rickard, C. M. (2015). Postinfusion phlebitis: Incidence and risk factors. Nursing Research and Practice, 2015, 1-3. doi: 10.1155/2015/691934
White, W., & Stein C. (2010). Histórico, definições e opiniões atuais. In A. Kopf & N. B. Patel (Eds.), Guia para o tratamento da dor em contextos de poucos recursos (pp. 1-5). Recuperado de http://www.iasp-pain.org/files/Content/ContentFolders/Publications2/FreeBooks/GuidetoPainManagement_Portuguese.pdf
Texto integral
Total: 0 registo(s)
10 Rev. Enf. Ref. RIV16048 ING.pdf
10 Rev. Enf. Ref. RIV16048.pdf


[ Detalhes da edição ]