Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Identificação do paciente por pulseira eletrónica numa unidade de terapia intensiva geral adulta
Autores:  Mirian Carla de Souza Macedo*; Luana Ferreira de Almeida**; Luciana Guimarães Assad***; Ronilson Gonçalves Rocha****; Gabriella da Silva Rangel Ribeiro*****; Larissa Maria Vasconcelos Pereira******
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2016-12-22
Aceite para publicação:  2017-03-23
Tipo:  Artigo de Investigação
Ano:  2017
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV16087

Resumo
Enquadramento: A segurança do paciente (SP) é foco de debate pela Organização Mundial da Saúde. Uma das metas é a identificação correta do paciente, com vista a prevenir eventos adversos relacionados com a SP.
Objetivos: Analisar os procedimentos de identificação de pacientes críticos pelo uso da pulseira. Caracterizar os registos realizados pelos profissionais de enfermagem quanto à localização, integridade e legibilidade.
Metodologia: Estudo descritivo, observacional, documental, quantitativo, realizado numa unidade de terapia intensiva (UTI) no Brasil. Os dados foram colhidos através de uma checklist com perguntas objetivas, relacionadas com o uso da pulseira pelo paciente e com os registos de enfermagem. Para análise, utilizou-se a estatística simples. Estudo aprovado pela Comissão de Ética em pesquisa do Hospital Universitário Pedro Ernesto, CAAE: 1.517.652.
Resultados: Em 96% das observações, os pacientes estavam com a pulseira de identificação e em 75% dos prontuários haviam anotações sobre a presença da pulseira.
Conclusão: A adesão ao uso da pulseira é relevante na UTI. É necessária capacitação da equipa focada na necessidade dos registos médicos dos pacientes.



Palavras-chave
enfermagem; sistemas de identificação de pacientes; segurança do paciente
Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2013a). Assistência segura: Uma reflexão teórica aplicada à prática. Brasília, Brasil: Autor.
Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2013b). Protocolo de identificação do paciente. Brasília, Brasil: Autor.
Beccaria, L. M., Pereira, R. A., Contrin, L. M., Lobo, S. M., & Trajano, D. H. (2009). Eventos adversos na assistência de enfermagem em uma unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 21(3), 276-282. doi: 10.1590/S0103-507X2009000300007
Conselho Regional de Enfermagem do Estado de São Paulo, Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente, Polo São Paulo. (2010). 10 passos para a segurança do paciente. São Paulo, Brasil: Autor.
Fassarella, C. S., Bueno, A. A., & Souza, E. C. (2013). Segurança do paciente no ambiente hospitalar: Os avanços na prevenção de eventos adversos no sistema de medicação. Rede de Cuidados em Saúde, 7(1), 1-8. Recuperado de http://publicacoes.unigranrio.br/index.php/rcs/article/view/1897/907
Hoffmeister, L. V. (2012). Uso de pulseiras de identificação em pacientes internados no Hospital de Clínicas de Porto Alegre (Trabalho de conclusão de curso). Recuperado de http://hdl.handle.net/10183/69753
Ministério da Saúde. (2014). Documento de referência para o Programa Nacional de Segurança do Paciente. Brasília, Brasil: Autor.
Neves, L. A., & Tavares, M. R. (2011). A identificação do paciente como indicador de qualidade (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.
Portaria nº 529/13 de 1 de Abril. Diário Oficial da União República Federativa do Brasil nº 62 - 2 de Abril de 2013. Poder Executivo. Brasília, Brasil.
Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente, Polo Rio Grande do Sul. (2013). Estratégias para a segurança do paciente: Manual para profissionais da saúde. Porto Alegre, Brasil: Autor.
Souza, R. F., & Silva, L. D. (2014). Estudo exploratório das iniciativas acerca da segurança do paciente em hospitais do Rio de Janeiro. Revista de Enferma¬gem da UERJ, 22(1), 22-28. Recuperado de http://www.facenf.uerj.br/v22n1/v22n1a04.pdf
Tase, T. H., Lourenção, D. C., Bianchini, S. M., & Trouchin, D. M. (2013). Identificação do paciente nas organizações de saúde: Uma reflexão emergen¬te. Revista Gaúcha de Enfermagem, 34(2), 196-200. doi: 10.1590/S1983-14472013000300025
Zambon, L. S. (2014). Segurança do paciente em terapia intensiva: Caracterização de eventos adversos em pacientes críticos, avaliação de sua relação com mortalidade e identificação de fatores de risco para a sua ocorrência (Tese de doutoramento). Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5165/tde-04082014-085402/pt-br.php
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_Jun2017_63to70_port.pdf
REF_Jun2017_63to70_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]