Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Evolução das pessoas dependentes no autocuidado acompanhadas na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados
Autores:  Fernando Alberto Soares Petronilho*; Cidália Maria Batista Coutinho Pereira**; Ana Isabel da Costa Magalhães***; Dora Marina Freitas Carvalho****; Jorge Miguel Costa Oliveira*****; Paula Ricardina Costa Vieira de Castro******; Maria Manuela Pereira Machado*******
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2017-03-22
Aceite para publicação:  2017-05-29
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2017
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV17027

Resumo
Enquadramento: A Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados surgiu como resposta ao crescente envelhecimento da população portuguesa e ao consequente aumento do número de pessoas dependentes no autocuidado.
Objetivos: Avaliar o potencial de reconstrução de autonomia, e a evolução do compromisso nos processos corporais e da dependência no autocuidado das pessoas dependentes admitidas na Rede.
Metodologia: Estudo descritivo e exploratório, com uma amostra de conveniência constituída por 891 pessoas dependentes, realizado em 10 prestadores de cuidados da Rede da área de abrangência de uma Equipa Coordenadora Local da região Minho de Portugal.
Resultados: O potencial de reconstrução de autonomia situa-se entre reduzido a moderado. Verificou-se uma evolução positiva no compromisso nos processos corporais e no nível de dependência no autocuidado. Maior potencial de reconstrução de autonomia está associado a menor compromisso nos processos corporais e a maior independência.
Conclusão: O estudo revela ganhos em saúde efetivos na condição de saúde das pessoas dependentes acompanhadas nas diferentes tipologias de cuidados da Rede, o que demonstra a sua utilidade.


Palavras-chave
autonomia pessoal; constituição corporal; autocuidado; assistência de longa duração
Administração Central do Sistema de Saúde. (2015). Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI): 1º semestre de 2015. Lisboa, Portugal: Autor.
Conselho Internacional de Enfermeiros. (2005). Classificação internacional para a prática de enfermagem: Versão 1.0. Lisboa, Portugal: Ordem dos Enfermeiros.
Costa, A. C. (2013). Famílias que integram pessoas dependentes no autocuidado: Estudo exploratório de base populacional no concelho do Lisboa (Doctoral thesis). Recuperado de http://hdl.handle.net/10400.14/13420
Decreto-Lei n.º 101/06 de 6 de junho. Diário da República nº 109/06 - I Série A. Ministério da Saúde e do Trabalho e da Solidariedade Social. Lisboa, Portugal.
Filipe, M. M. (2015). Contributos para um modelo de contratualização de cuidados em contexto domiciliário: Estudo exploratório sobre os custos de funcionamento das ECCI (Doctoral thesis). Universidade Católica Portuguesa, Instituto de Ciências da Saúde, Porto, Portugal. Recuperado de http://hdl.handle.net/10400.14/20705
Gonçalves, P. J. (2013). Famílias que integram pessoas dependentes no autocuidado: Estudo exploratório de base populacional no concelho do Porto (Doctoral thesis). Universidade Católica Portuguesa, Recuperado de http://hdl.handle.net/10400.14/18580
Instituto Nacional de Estatística. (2011). Censos de 2011: Resultados definitivos: Portugal. Lisboa, Portugal:Author.
Koç, Z. (2015). The investigation of factors that influenceself-care agency and daily life activities among the elderly in the northern region of Turkey. Collegian, 22(3), 251-258. doi: 10.1016/j.colegn.2014.01.002
Machado, M. M., Vieira, M., & Almeida, S. (2016). Health and self-care profile of older people: A descriptive study in nursing homes, in northern Portugal. Quality in Primary Care, 24(1), 12-16. Recuperado de http://primarycare.imedpub.com/ health-and-selfcare-profile-of-older-people-a-descriptive-study-in-nursing-homes-in-northern-portugal.pdf
Maciel, E. A. (2013). O potencial de reconstrução da autonomia no autocuidado: Estudo exploratório acerca da sua concretização numa amostra de clientes, três meses após a alta hospitalar (Master’s dissertation). Recuperado de http://hdl.handle.net/10400.26/9453
Observatório Português dos Sistemas de Saúde. (2015). Acesso aos cuidados de saúde.: Um direito em risco?: Relatório de Primavera 2015. Recuperado de http://www.opss.pt/sites/opss.pt/files/RelatorioPrimavera2015.pdf
Paúl, C. (2012). Tendências atuais e desenvolvimentos futuros da gerontologia. In C. Paúl & Ó. Ribeiro (Eds.), Manual de gerontologia (pp. 1-40). Lisboa,Portugal: LIDEL.
Petronilho, F. A. (2013). A alta hospitalar do doente dependente no autocuidado: Decisões, destinos, padrões de assistência e de utilização dos recursos: Estudo exploratório sobre o impacte nas transições do doente e do familiar cuidador (Doctoral thesis). Recuperado de http://repositorio.ul.pt/handle/10451/10572
Petronilho, F. A., Pereira, F. M., & Silva, A. A. (2017). Evolução e destino das pessoas dependentes no autocuidado: Estudo longitudinal. Revista Investigação em Enfermagem,18, 33-43.
Ribeiro, O. M., Pinto, C. A., & Regadas, S. C. (2014). A pessoa dependente no autocuidado: Implicações para a enfermagem. Revista de Enfermagem Referência, 4(1), 25-36. doi: 10.12707/RIII12162
Sacco-Peterson, M., & Borell, L. (2004). Struggles for autonomy in self-care: The impact of the physical and socio-cultural environment in a longterm care setting. Scandinavian Journal of Caring Sciences, 18(4), 376-386. doi: 10.1111/j.1471- 6712.2004.00292.x
Schumacher, K. L., Stewart, B. J., Archbold, P. G., Dodd, M. J., & Dibble, S. L. (2000). Family caregiving skill: Development of the concept. Research in Nursing & Health, 23(3), 191-203. doi:10.1002/1098-240X(200006)23:33.0.CO;2-B
Shyu, Y. I., Chen, M. C., Chen, S. T., Wang, H. P., & Shao, J. H. (2008). A family caregiver-oriented discharge planning program for older stroke patients and their family caregivers. Journal of Clinical Nursing, 17(18), 2497-2508. doi: 10.1111/j.13652702.2008.02450.x
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_Sept2017_39to48_eng.pdf
REF_Sept2017_39to48_port.pdf


[ Detalhes da edição ]