Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Viver com uma ileostomia: um estudo de caso sobre o processo de transição
Autores:  Carla Regina Rodrigues da Silva*; Florbela Sousa**; Jorge Luís Machado Vale Lima***; Maria do Carmo Pinto****; Maria Alice Correia de Brito*****; Inês Maria da Cruz******
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2017-03-06
Aceite para publicação:  2017-05-17
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2017
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV17015

Resumo
Enquadramento: A confeção de uma ileostomia constitui um evento capaz de afetar a identidade da pessoa, levando-a a experimentar um processo de transição. As respostas humanas envolvidas nas transições, como objeto de estudo da enfermagem, necessitam de ser exploradas, na pessoa e no contexto de quem as vive.
Objetivos: Descrever e compreender o fenómeno de transição vivido por uma pessoa com ileostomia com polipose adenomatosa familiar, a partir do modelo de transição de Afaf Meleis.
Metodologia: Estudo de caso único, do tipo instrumental, conduzido sob o paradigma de investigação qualitativo. O caso foi selecionado por conveniência e a informação recolhida através da observação, da análise aos registos eletrónicos de enfermagem e de uma entrevista semiestruturada.
Resultados: A pessoa e o contexto envolvidos numa transição são duas realidades que não se repetem e que influenciam o curso do processo de transição.
Conclusão: O modelo de transição de Afaf Meleis permite compreender o processo de transição vivido pela pessoa com ileostomia quanto à natureza, condições e padrões de resposta envolvidos.


Palavras-chave
teoria de enfermagem; ostomia; ileostomia
Bowling, A. (2014). Research methods in health: Investigating health and health services (4th ed.). New York, NY: McGraw Hill Education.
Brown, H. & Randle, J. (2005). Living with a stoma: A review of the literature. Gastroenterology, 14(1), 74-81.
Burch, J. (2015). Examining stoma care guidance for nurses. Gastrointestinal Nursing, 3(6), 17-25.
Dalavi, S. B., Vedpalsingh, T. H., Bankar, S. S., Ahmed, M. H. S. & Bhosale, D. N. (2015). Familial adenomatous polyposis (FAP): A case study and review of literature. Journal of Clinical and Diagnostic Research, 9(3), 5-6. doi: 10.7860/JCDR/2015/11636.5696.
El-Tawil, A., & Nightingale, P. (2013). Living with stoma: Long-term effects on patients’ quality of life. Journal of Clinical & Cellular Immunology. Advance online publication. Recuperado de http://dx.doi.org/10.4172/ 2155-9899.1000145
Kralik, D., Visentin, K., & van Loon, A. (2006). Transition: A literature review. Journal of Advanced Nursing, 55(3), 320-329.
Meleis, A. I. (2015). Transitions theory. In M. C., Smith & Parker, M. E., Parker (2015). Nursing theories & nursing practice (4th ed), pp. 361-380. Philadelphia, PA: F. A. Davis Company.
Meleis, A. (2010). Transitions theory: Middle-range and situation-specific theories in nursing research and practice. New York, NY: Springer.
Meleis, A., Sawyer, L. M., Im, E. O., Hilfinger Messias, D. K. & Schumacher, K. (2000). Experiencing transitions: An emerging middle-range theory. Advances in Nursing Science, 23(1), 12-28.
Registered Nurses’ Association of Ontario. (2009). Ostomy care and management: Clinical best practice guidelines. Toronto, Canada: Author.
Santos, V. (2015). A estomaterapia através dos tempos. In V. Santos & I. Cesaretti (Eds.). Assistência em estomaterapia: Cuidando de pessoas com estomia (capítulo 1). São Paulo, Brasil: Atheneu.
Silva, C. R., Cardoso, T. M., Gomes, A. M., Santos, C. S., & Brito, M. A. (2016). Construção do formulário de avaliação da competência de autocuidado na pessoa com ostomia de eliminação intestinal. Revista de Enfermagem Referência, 4(11), 21-30.
Smith, J. A., Spiers, J., Simpson, P., & Nicholls, A. R. (2016). The psychological challenges of living with an ileostomy: An interpretative phenomenological analysis. Health Psychology, 36(12), 143-151. doi.10.1037/hea0000427
Stake, R. E. (1995). The art of case study research. Thousand Oaks, CA: Sage. Vonk-Klaassen, S., de Vocht, H., den Ouden, M., Eddes,E., & Schuurmans, M. J. (2016). Ostomy-related problems and their impact on quality of life of colorectal cancer ostomates: A systematic review. Quality of Life Research, 25(1), 125-133. doi:10.1007/s11136-015-1050-3
Youn-Jung, S., & Mi-Ae, Y. (2015). Transitional care for older adults with chronic illnesses as a vulnerable population: Theoretical framework and future directions in nursing. Journal Korean Academy Nursing, 45(6), 919-927. doi: 10.4040/jkan.2015.45.6.919
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_Sept2017_111to120_eng.pdf
REF_Sept2017_111to120_port.pdf


[ Detalhes da edição ]