Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  A pessoa com enfarte agudo do miocárdio no serviço de urgência: fatores que influenciam o tempo de atendimento
Autores:  Sónia Oliveira de Matos Soares*; Paulo Alexandre Carvalho Ferreira**
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2017-06-14
Aceite para publicação:  2017-11-03
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2017
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV17053

Resumo
Enquadramento: No tratamento do enfarte agudo do miocárdio (EAM) à medida que o tempo entre o início dos sintomas e a reperfusão aumenta, a mortalidade e morbilidade também aumentam.
Objetivo: Analisar os tempos de atendimentos (TAtd) das pessoas com EAM que recorreram aos serviços de urgência (SU) e identificar fatores que influenciem esses tempos.
Metodologia: Estudo retrospetivo, quantitativo, descritivo e correlacional. Foram analisados os processos clínicos de 412 pessoas, admitidas no SU em 2014 e 2015.
Resultados: Obtivemos 65% de pessoas com EAM sem supra desnivelamento do segmento ST (EAMSST) e 35% com supra desnivelamento do segmento ST (EAMCST). O tempo entre a admissão da pessoa e a realização de eletrocardiograma (ECG) foi em média de 1h40. Das 126 pessoas com EAMCST, 114 realizaram intervenção coronária percutânea (ICP) primária com um tempo médio de 7h19 e 12 realizaram fibrinólise com média de 1h19.
Conclusão: A idade, a presença de tabagismo, a ausência de diabetes, o tipo de transporte e o período de admissão no SU mostraram influência nos TAtd.

Palavras-chave
enfarte agudo do miocárdio; atendimento de urgência; enfermagem
American College of Cardiology Foundation (ACCF) / American Heart Association (AHA). (2013). 2013 ACCF/AHA Guideline for the Management of ST-Elevation Myocardial Infarction. A Report of the American College of Cardiology Foundation/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines. Circulation, 127, 362-425. doi: 10.1161/CIR.0b013e3182742cf6
Carapeto, S. (2012). Via Verde Coronária e Enfarte Agudo do Miocárdio: Tempo médio entre a admissão no Serviço de Urgência Central e a reperfusão por Angioplastia Primária (Tese de Mestrado). Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Portugal.
Direcção-Geral da Saúde. (2014). Portugal – Doenças Cérebro-Cardiovasculares em números – 2014. Lisboa, Portugal. DC: Autor. ISSN: 2183-0681
European Society of Cardiology. (2012). EAM – STEMI.Recomendações para o tratamento do enfarte agudo do miocárdio em doentes com elevação persistente do segmento ST. France: Autor.
Gouvêa, V.E., Reis, M.A., Gouvêa, G., Lima, H., & Abuabara, A. (2015). Avaliação do Sistema de Triagem de Manchester na Síndrome Coronariana Aguda.
International Journal of Cardiovascular Sciences, 28(2), 107-113. Recuperado de http://www.onlineijcs.org/exportar-pdf/387/v28n2a05.pdf doi: 10.5935/2359-4802.20150019
Instituto Nacional de Estatística. (2014). Risco de Morrer 2012. INE, I.P., Lisboa. Portugal.
Kanth,. R., Ittaman, S. & Rezkalla, S. (2013). Circadian Patterns of ST Elevation Myocardial Infarction in the New Millennium. Clinical Medicine & Research, 11(2), 66-72. Recuperado de http://www.clinmedres.org/content/11/2/66.full.pdf.
Kostis, W., Demissie, K., Marcella, S., Shao, Y., Wilson, A. & Moreyra, A. (2007). Weekend versus Weekday Admission and Mortality from Myocardial Infarction.
The new england journal of medicine, 356(11), 1099-1109. Recuperado de www.nejm.org.
Magid, D., Wang, Y.,Herrin, J., McNamara, R., Bradley,E., Curtis, J., …Krumholz, H. (2005). Relationship between time of day, day of week, timeliness of reperfusion,and in-hospital mortality for patients with acute ST-segment elevation myocardial infarction.
JAMA, 294(7), 803-812. Recuperado de http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16106005
Menees, D., Peterson, E., Wang, Y., Curtis, J., Messenger,J., Rumsfeld, J., & Gurm, H. (2013). Door-to-Balloon Time and Mortality among Patients Undergoing
Primary PCI. The new england journal of medicine,369(10). Recuperado de http://www.nejm.org/doi/pdf/10.1056/NEJMoa1208200.
Sousa, P. (2015). Comentário a «Doença Cardiovascular na Europa em 2014: atualização dos resultados epidemiológicos». Revista Portuguesa de Cardiologia,34(5), 381-382. Recuperado de http://www.elsevier.pt/pt/revistas/revista-portuguesa-cardiologia-334/pdf/S0870255115001055/S300/
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_dez2017_31to42_eng.pdf.pdf
REF_dez2017_31to42_port.pdf.pdf


[ Detalhes da edição ]