Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Dificuldades dos estudantes do curso de licenciatura de enfermagem no ensino clínico: perceção das principais causas
Autores:  Rosa Cândida de Carvalho Pereira de Melo*; Paulo Joaquim Queirós**; Luiza Hiromi Tanaka***; Paulo Jorge Costa****; Catarina Isabel de Deus Bogalho*****; Patrícia Isabel da Silva Faria Oliveira******
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2017-07-07
Aceite para publicação:  2017-10-17
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2017
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV17059

Resumo
Enquadramento: O ensino clínico desenvolvido no curso de licenciatura em enfermagem fomenta o desenvolvimento do
pensamento crítico, aquisição de competências e confronto com a complexidade dos cuidados em contexto real.
Objetivos: Identificar as dificuldades dos estudantes na interação com as pessoas cuidadas no ensino clínico e identificar as
principais causas subjacentes.
Metodologia: Estudo descritivo com abordagem quanti-qualitativa, nos estudantes do 2º ano de licenciatura em enfermagem
em contexto de ensino clínico. Colheita de dados realizada através de questionário semiestruturado. Dados quantitativos
analisados no IBM SPSS Statistics 23.0 e qualitativos utilizando a técnica de Bardin.
Resultados: Foram incluídos 90 estudantes, predominantemente do sexo feminino (81,11%), com idade compreendida
entre os 19 e 31 anos. As dificuldades identificadas foram comunicar com pessoas pouco comunicativas, ou que não comunicam
verbalmente, agitadas, confusas, desorientadas e/ou agressivas. As principais causas foram défice de formação na área
da comunicação e inexperiência na aplicação de técnicas relacionais.
Conclusão: Afigura-se como muito importante o investimento na formação dos estudantes utilizando metodologias de
cuidar que promovam a sistematização e operacionalização da relação.

Palavras-chave
estudantes de enfermagem; relações enfermeiro-paciente; comunicação
Baptista, R., Martins, J., Pereira, M., & Mazzo, A. (2014). Simulação de alta-fidelidade no Curso de Enfermagem: Ganhos percebidos pelos estudantes.Revista de Enfermagem Referência, 4(3), 135-144.
Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.
Chan, Z., & Lai, C. (2016). The nurse-patient communication: Voices from nursing students. International Journal of Adolescent Medicine and Health, (Jul. 2). doi 10.1515/ijamh-2016-0023
Figueiredo, A. M., Melo, R. C., & Ribeiro, O. (2016). Formação sobre Metodologia de Cuidados Humanitude: contributo para a melhoria da qualidade dos cuidados. In Atas do Congresso Internacional Desafios da Qualidade em Instituições de Ensino, Unidade de Investigação em Ciências da Saúde (pp. 60-65). Coimbra, Portugal: ESEnfC, UICISA: E.
Hughes, J. C., & Beatty, A. (2013). Understanding the person with dementia: a clinicophilosophical case discussion. Advances in Psychiatric Treatment, 19(5), 337–343. doi:10.1192/apt.bp.112.011098
Kim, H. S. (2010). The nature of theoretical thinking in nursing (3rd ed.) New York, NY: Springer.
Lea, E., Marlow, A., Bramble, M., Andrews, S., Crisp, E., Eccleston, C., … Robinson, A. (2014). Learning opportunities in a residential aged care facility: The role of supported placements for first-year nursing students. Journal of Nursing Education, 53(7), 410-414. doi:10.3928/01484834-20140620-02.
Lopes, R., Azeredo, Z., & Rodrigues, R. (2012). Competências relacionais: Necessidades sentidas pelos estudantes de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 20(6), 1081-1090. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rlae/v20n6/pt_10.pdf
Melo, R. & Raposo, N. (2007). Desenvolvimento de competências relacionais de ajuda: Estudo com estudantes de enfermagem. Revista Portuguesa de Pedagogia, 41(1), 189-209.
Melo, R., Salgueiro, N., & Araújo, J. (2015). Cuidar de pessoas com alterações cognitivas: Dificuldades em ensino clínico. In Livro de Atas do II Congresso Internacional de Saúde (pp. 49-55). Gaia, Portugal: IICISGP.
Melo, R., Soares, I., Manso, M., Gaspar, V., & Melo, A. (2017). Redução da agitação nas pessoas idosas com demência durante os cuidados de higiene: Contributo da humanitude. Millenium, 2(espec. 2), 57-63.
Öztürk, H., Çilingir, T., & Şenel, P. (2013) Communication problems experienced by nursing students in clinics. Procedia: Social and Behavioral Sciences, 93, 2227 – 2232. doi:10.1016/j.sbspro.2013.10.194
Parlamento Europeu, Conselho da União Europeia. (2015). Directiva 2005/36/CE de 7 de Setembro do Parlamento Europeu e do Conselho relativa ao reconhecimento das qualificações profissionais. Jornal Oficial da União Europeia. Recuperado de http://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:32005L0036&from=PT
Peixoto, T., & Peixoto, N. (2017). Pensamento crítico dos estudantes de enfermagem em ensino clínico: Uma revisão integrativa. Revista de Enfermagem Referência, Série 4(13), 125-138. Recuperado de https://doi.org/10.12707/RIV16029.
Rua, M. (2012). De aluno a enfermeiro: Desenvolvimento de competências em contexto de ensino clínico. Loures, Portugal: Lusociência.
Scerri, A., & Scerri, C. (2013). Nursing students’ knowledge and attitudes towards dementia: A questionnaire survey. Nurse Education Today, 33(9), 962-968. doi: 10.1016/j.nedt.2012.11.001.
Sun, F., Long, A., Tseng, Y., Huang, H., You, J., & Chiang, C. (2016). Undergraduate student nurses’ lived experiences of anxiety during their first clinical practicum: A phenomenological study. Nurse Education Today, 37, 21–26. http://dx.doi. org/10.1016/j.nedt.2015.11.001
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_dez2017_55to64_eng.pdf.pdf
REF_dez2017_55to64_port.pdf.pdf


[ Detalhes da edição ]