Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Questionário de Atitudes de Segurança – Versão Cuidados Intensivos: adaptação e validação para a população portuguesa
Autores:  Ricardo Águas*; Clara de Assis Coelho de Araújo**; Salete Soares***
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2017-05-22
Aceite para publicação:  2017-11-07
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2017
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV17041

Resumo
Enquadramento: A segurança do doente assume uma preocupação crescente, não sendo somente uma preocupação dos gestores, mas mobilizando todos os profissionais de saúde e o cidadão para que sejam atingidos elevados níveis de qualidade.
Objetivo: Traduzir, adaptar e validar o Safety Attitudes Questionnaire – Intensive Care Version (SQA – ICU) para a população portuguesa.
Metodologia: Trata-se de um estudo de caráter metodológico, de abordagem quantitativa, observacional e transversal. A validação do instrumento foi realizada com uma amostra de 120 enfermeiros a desempenhar funções em unidades de cuidados intensivos (UCIs).
Resultados: Os enfermeiros apresentam positiva percepção sobre a segurança do doente, embora reconheçam necessidade de serem trabalhadas algumas áreas específicas.
Conclusão: O Questionário de Atitudes de Segurança – versão cuidados intensivos (QAS – UCI) versão portuguesa demonstrou possuir boas propriedades psicométricas, sendo válido e fiável para a população portuguesa.

Palavras-chave
segurança do paciente; unidades de terapia intensiva; enfermagem; cultura organizacional
Coli, R. C., Anjos, M. F., & Pereira, L. L. (2010). Postura dos enfermeiros de uma unidade de terapia intensiva frente ao erro: Uma abordagem à luz dos referenciais bioéticos. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 18(3), 27-33.
Fernandes, A., & Queirós, P. (2011). Cultura de segurança do doente percecionada por enfermeiros em hospitais distritais portugueses. Revista de Enfermagem Referência, 3(4), 37-48.
Fragata, J. (2006). Risco clínico: Complexidade e performance. Coimbra, Portugal: Almedina.
Fragata, J. (2011). Segurança dos doentes: Uma abordagem prática. Lisboa, Portugal: Lidel.
Fortin, M. F. (2009). Fundamentos e etapas do processo de investigação. Loures, Portugal: Lusodidacta.
Marôco, J. (2010) Análise estatística com o PASW Statistics (ex SPSS). Sintra, Portugal: ReportNumber.
Martinez, L. F., & Ferreira, A. I. (2010). Análise de dadoscom SPSS: Primeiros passos (3ª ed.). Lisboa, Portugal: Escolar Editora.
Maxwell, J. C. (2008). As 17 incontestáveis leis do trabalho em equipe. Rio de Janeiro, Brasil: Thomas Nelson.
Ministério da Saúde, Direção-Geral da Saúde. (2011). Estrutura conceptual da classificação internacional sobre a segurança do doente. Lisboa, Portugal: Autor.
Pronovost, A., & Rubenfeld, G. (2009). Quality in critical care. In J. D. Chiche, R. Moreno, C Putensen, & A. Rhodes (Eds.), Patient safety and quality of care in intensive care medicine (pp. 127-137). Berlin, Deutschland: Mwv Medizinisch Wissenschaftliche Verlagsgesellschaft Ohg.
Ribeiro, J. L. (2010). Metodologia de investigação em psicologia e saúde (3ª ed). Porto, Portugal: Legis Editora/Livpsic.
Rodrigues, I. G. (2011). Satisfação profissional dos enfermeiros de uma unidade de cuidados intensivos (Tese de mestrado). Recuperado de http://hdl.handle. net/10400.14/10893
Rodrigues, V., & Ferreira, A. (2011). Fatores geradores de estresse em enfermeiros de Unidades de Terapia Intensiva. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19(4), 1-9.
Rooney, J. J., Heuvel, L. N., & Lorenzo, D.K. (2002). Reduce human error. How to analyze near misses and sentinel events, determine root causes and implement corrective actions. American Society for Quality, 9, 27-36.
Santos, M. C., Grilo, A., Andrade, G., Guimarães, T., & Gomes, A. (2010). Comunicação em saúde e a segurança do doente: Problemas e desafios. Revista Portuguesa de Saúde Pública, 10, 47-57.
Saraiva, D. F. (2015). Tradução, adaptação cultural e validação do Safety Attitudes Questionnaire: Short Form 2006 para Portugal (Master’s dissertation). Recuperado de http://ubibliorum.ubi.pt/handle/ 10400.6/3429.
Sexton, J. B., Helmreich, R. L., Neilands, T. B., Rowan, K., Vella, K, Boyden, J., ... Thomas, E. J. (2006). The Safety Attitudes Questionnaire: Psychometric properties, benchmarking data, and emerging research. BioMed Central Health Services Research, 6(44), 1-10. Recuperado de http://www.biomedcentral. com/1472-6963/6/44
World Health Organization. (2008). Learning from error. Geneva, Switzerland: Author.
World Health Organization. (2009). Humans factors in patient safety: Review of topics and tools. Geneva, Switzerland, Author.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_dez2017_101to108_eng.pdf.pdf
REF_dez2017_101to108_port.pdf.pdf


[ Detalhes da edição ]