Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Fatores de risco associados ao desenvolvimento de complicações do estoma de eliminação e da pele periestomal
Autores:  Igor Emanuel Soares Pinto*; Sílvia Maria Moreira Queirós**; Cármen Dolores Ribeiro Queirós***; Carla Regina
Rodrigues da Silva****; Célia Samarina Vilaça de Brito Santos*****; Maria Alice Correia de Brito******
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2017-04-09
Aceite para publicação:  2017-10-19
Secção:  ARTIGOS DE REVISÃO / REVIEW PAPERS ARTIGOS_TEÓRICOS-ENSAIOS / THEORETICAL PAPERS/ESSAYS
Ano:  2017
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV17071

Resumo
Enquadramento: A confeção de um estoma constitui-se como um evento gerador de mudanças influenciado por diversos fatores, nomeadamente a presença de complicações do estoma e/ou pele periestomal. Estima-se que 80% das pessoas com ostomia experienciam, pelo menos, uma complicação relacionada com o estoma ao longo da sua vida.
Objetivos: Identificar os fatores de risco associados ao desenvolvimento de complicações do estoma de eliminação e da pele periestomal.
Metodologia: Revisão da literatura, com base na estratégia metodológica do Instituto Joanna Briggs para Scoping Reviews. Foram identificados 1492 artigos, sendo incluídos para análise 22.
Resultados: A maioria dos fatores de risco para o desenvolvimento de complicações não é modificável. Dos sensíveis à intervenção do enfermeiro evidenciam-se a educação pré e pós-operatória, a marcação do local do estoma e o acompanhamento após a alta hospitalar.
Conclusão: O reconhecimento de fatores de risco associados ao desenvolvimento de complicações do estoma permite ao enfermeiro, por um lado, identificar precocemente indicadores de vulnerabilidade nos seus clientes e, por outro lado, intervir de forma mais efetiva.


Palavras-chave
ostomia; fatores de risco; cuidados de enfermagem
Di Gesaro, A. (2012). Self-care and patient empowerment in stoma management. Gastrointestinal Nursing, 10(2), 19–23. doi:10.12968/gasn.2012.10.2.19
Formijne Jonkers, H. A., Draaisma, W. A., Roskott, A. M., van Overbeeke, A. J., Broeders, I. A., & Consten, E. C. (2012). Early complications after stoma formation: A prospective cohort study in 100 patients with 1-year follow-up. International Journal Of Colorectal Disease, 27(8), 1095–1099. doi: 10.1007/s00384-012-1413-y
Hellman, J., & Lago, C. P. (1990). Dermatologic complications in colostomy and ileostomy patients. International Journal of Dermatology, 29(2), 129–133.
Jayarajah, U., Samarasekara, A. M., & Samarasekera, D. N. (2016). A study of long-term complications associated with enteral ostomy and their contributory factors. BMC Research Notes, 9, 500. doi: 10.1186/s13104-016-2304-z
Millan, M., Tegido, M., Biondo, S., & García-Granero, E. (2010). Preoperative stoma siting and education by stomatherapists of colorectal cancer patients: A descriptive study in twelve Spanish colorectal surgical units. Colorectal Disease, 12(7), e88–e92. doi:10.1111/j.1463-1318.2009.01942.x
Nybaek, H., Knudsen, D. B., Laursen, T. N., Karlsmark, T., & Jemec, G. B. (2010). Quality of life assessment among patients with peristomal skin disease. European Journal of Gastroenterology & Hepatology, 22(2), 139–143. doi:10.1097/MEG. 0b013e32832ca054
Pereira, Â. L., & Bachion, M. M. (2008). Atualidades em revisão sistemática de literatura, critérios de força e grau de recomendação de evidência. Revista Gaúcha de Enfermagem, 27(4), 491.
Person, B., Ifargan, R., Lachter, J., Duek, S. D., Kluger, Y., & Assalia, A. (2012). The impact of preoperative stoma site marking on the incidence of complications, quality of life, and patient’s independence. Diseases Of The Colon And Rectum, 55(7), 783–787. doi:10.1097/DCR.0b013e31825763f0
Peters, M., Godfrey, C., McInerney, P., Soares, C., Hanan, K., & Parker, D. (2015). The Joanna Briggs Institute Reviewers’ Manual 2015: Methodology for JBI Scoping Reviews. Recuperado de http://espace. library.uq.edu.au/view/UQ:371443
Pinto, I. E., Santos, C. S., Brito, M. A., & Queirós, S. M. (2016). Propriedades psicométricas do formulário desenvolvimento da competência de autocuidado da pessoa com ostomia de eliminação intestinal. Revista de Enfermagem Referência, 4(8), 75–84. doi:10.12707/RIV15044
Pittman, J. A. (2011). Ostomy complications and associated risk factors: Development and testing of two instruments (Tese de doutoramento). Indiana University, School of Nursing. Recuperado de https://scholarworks.iupui.edu/handle/1805/2640.
Pittman, J., Kozell, K., & Gray, M. (2009). Should WOC nurses measure health-related quality of life in patients undergoing intestinal ostomysurgery? Journal of Wound, Ostomy, and Continence Nursing, 36(3), 254–265. doi:10.1097/WON.0b013e3181a39347
Slater, R. C. (2010). Managing quality of life in the older person with a stoma. British Journal of Community Nursing, 15(10), 480–484. doi: 10.12968/bjcn.2010.15.10.78728
Sung, Y. H., Kwon, I., Jo, S., & Park, S. (2010). Factors affecting ostomy-related complications in Korea. Journal Of Wound, Ostomy, And Continence Nursing, 37(2), 166–172. doi:10.1097/WON.0b013e3181cf7b76
Vonk-Klaassen, S. M., de Vocht, H. M., den Ouden, M. E., Eddes, E. H., & Schuurmans, M. J. (2016). Ostomy-related problems and their impact on quality of life of colorectal cancer ostomates: A systematic review. Quality of Life Research, 25, 125–133. doi:10.1007/s11136-015-1050-3
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_dez20171_155to156_port.pdf.pdf
REF_dez20171_155to156_eng.pdf.pdf


[ Detalhes da edição ]