Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Prevalência de flebite da venopunção periférica: fatores associados
Autores:  Alexandra Sofia Pires Nobre*; Matilde Delmina da Silva Martins**
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2017-06-27
Aceite para publicação:  2018-01-08
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2018
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV17058

Resumo
Enquadramento: A flebite apresenta-se como um evento adverso de importância epidemiológica, apontando valores entre 25,8% e 55,6%, considerados elevados.
Objetivo: Identificar a prevalência de flebite na venopunção periférica em doentes internados numa instituição de saúde do norte de Portugal, durante o mês de maio de 2017, e analisar os fatores de risco associados.
Metodologia: Estudo de coorte prospetivo. A recolha de dados decorreu no mês de maio de 2017, numa unidade hospitalar do norte de Portugal recorrendo à Phlebitis Scale versão portuguesa e ao processo clínico, para dados sociodemográficos e clínicos. A amostra ficou constituída por 58 doentes.
Resultados: Dos participantes, 53,4% eram do género feminino, com média de idade de 64 anos, a média de tempo de permanência do cateter venoso periférico (CVP) foi de 3,25 dias. A taxa de flebite foi de 36,7%, predominando o grau I (63%).
Conclusão: Associou-se a flebite ao tempo de permanência do CVP. Sugere-se a realização de outros estudos, e ações de sensibilização dos enfermeiros, para a necessidade de avaliação do tipo e grau de flebite.


Palavras-chave
cateterismo periférico; flebite; enfermagem
Administração Regional de Saúde do Norte. (2013). Programa de Prevenção e Controlo de Infeção e Resistência aos Antimicrobianos (PPCIRA). Porto, Portugal: Autor.
Braga, L. M., Oliveira, A. S., Henriques, M. A., Rodrigues, M. A., Rodrigues, C. J., Pereira, S. A., & Parreira, P. M. (2016). Tradução e adaptação da Phlebitis Scale para a população portuguesa. Revista de Enfermagem Referência, 4(11), 101-109. doi: 10.12707/RIV16048
Capdevila, J. A. (2013). El catéter periférico: El gran olvidado de la infección nosocomial. Revista Española de Quimioterapia, 26(1), 13-17. Retrieved from http:// seq.es/seq/0214-3429/26/1/capdevila.pdf
Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças. (2011). ECDC: Excelência na prevenção e controlo das doenças infecciosas. Recuperado de http://www. ecdc.europa.eu/pt/publications/Publications/1105_ COR_ECDC_Brochure_2011.pdf
Direção-Geral da Saúde. (2009). Programa Nacional de prevenção e controlo de infeção associada aos cuidados de saúde. Lisboa, Portugal: Autor.
Direção-Geral da Saúde, & Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge. (2006). Recomendações para a pre-venção da infecção associada aos dispositivos intravasculares. Lisboa, Portugal: Autor.
Direção-Geral da Saúde. (2015). Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos em números. Lisboa, Portugal: Autor.
Enes, S., Optiz, S., Faro, A., & Pedreira, M. (2016). Phlebitis associated with peripheral intravenous catheters in adults admitted to hospital in the Western Brazilian Amazon. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 4(2), 263-271. doi: 10.1590/S0080- 623420160000200012
Magerote, N., Lima, M., Silva, J., Correia, L., & Secoli, S. (2011). Associação entre flebite e retirada de cateteres intravenosos periféricos. Texto Contexto Enfermagem, 20(3), 486-492. doi: 10.1590/S0104- 07072011000300009
Martins, J. C. A. (2008). Investigação em Enfermagem: alguns apontamentos sobre a dimensão ética. Pensar Enfermagem. Lisboa. ISSN 0873- 8904. Vol. 12, N.º 2, p. 62-66
Menegueti, M. G., Canini, S. R., Bellissimo-Rodrigues, F., & Laus, A. M. (2015). Avaliação dos programas de controle de infecção hospitalar em serviços de saúde. Revista Latino-Americana Enfermagem, 23(1), 98- 105. doi: 10.1590/0104-1169.0113.2530
Nassaji-Zavareh, M, & Ghorbani, R. (2007). Peripheral intravenous catheter-related phlebitis and related risk factors. Singapore Medical Journal, 48(8), 733-736. Retrieved from http://smj.sma.org.sg/4808/4808a4.pdf
O’Grady, N. P., Alexander, M., Burns, L. A., Dellinger, E. P., Garland, J. Heard, S. O., . . . Healthcare Infection Control Practices Advisory Committee. (2011). Guidelines for the prevention of intravascular cath¬eter-related infections. Clinical Infectious Diseases, 52(9), e162-e193. doi: 10.1093/cid/cir257
Oliveira, A. S., & Parreira, P. M. (2010). Intervenções de enfermagem e flebites decorrentes de cateteres venosos periféricos. Revisão da literatura. Revista de Enfermagem Referência, 3(2), 137-147. doi: 10.12707/RIII1027
Pereira, M., Souza, A., Tipple, A., & Prado, M. (2005). A Infeção Hospitalar e as suas implicações para o cuidar da Enfermagem. Texto Contexto Enfermagem, 14(2), 250-257 doi.10.1590/S0104-07072005000200013.
Pina, E., Paiva, J. A., Nogueira, P., & Silva, M. G. (2013). Prevalência de infeção adquirida no hospital e do uso de antimicrobianos nos hospitais portugueses – Inquérito 2012. Lisboa: Direção-Geral de Saúde.
Souza, A. E., Oliveira, J. L., Dias, D. C., & Nicola, A. L. (2015). Prevalencia de flebitis en pacientes adultos in-gresados en hospital universitario. Revista RENE, 16(1), 114-122. doi: 10.15253/2175-6783.2015000100015
Tertuliano, A., Borges, J., Fortunato, R., Oliveira, A. L., & Poveda, V. (2014). Flebite em acessos venosos periféricos de pacientes de um Hospital do Vale do Paraíba. REME - Rev Min Enferm., 18(2), 334-339 doi: 10.5935/1415-2762.20140026.
Urbanetto, J. S., Peixoto, C. G., & May, T. A. (2016). Incidência de flebites durante o uso e após a retirada de cateter intravenoso periférico. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 24, e2746 doi: 10.1590/1518- 8345.0604.2746
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_mar2017_127to138_eng.pdf.pdf
REF_mar2017_127to138_port.pdf.pdf


[ Detalhes da edição ]