Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Determinantes do acesso ao serviço de urgência por utentes não urgentes
Autores:  Maria dos Anjos Coelho Rodrigues Dixe*; Rui Passadouro**; Teresa Peralta***; Carlos Ferreira****;
Georgina Lourenço*****; Pedro Miguel Lopes de Sousa******
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2017-11-27
Aceite para publicação:  2018-01-29
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2018
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV17095

Resumo
Enquadramento: A utilização dos serviços de urgência (SU) por situações não urgentes constitui uma preocupação a nível nacional e mundial.
Objetivos: Avaliar as características sociodemográficas e o acesso ao SU por utentes não urgentes e identificar os fatores que motivam a sua procura.
Metodologia: Neste estudo transversal recorreu-se a uma entrevista e à consulta dos processos clínicos eletrónicos de 357 doentes triados como não urgentes num SU de um hospital português seguindo-se uma amostragem acidental.
Resultados: Os utentes da amostra são maioritariamente do sexo feminino, de meia-idade, com reduzidas habilitações literárias, que recorrem ao SU, sobretudo no período diurno e por iniciativa própria. Os motivos mais referenciados foram: A minha doença justifica a ida à urgência (91,7%) e Posso realizar os exames todos no mesmo dia (65,6%). A maioria dos utentes (87,9%) teve alta clínica, sendo que 84,9% dos utentes tem acesso ao médico de família.
Conclusão: Foram identificados múltiplos determinantes do acesso ao SU, permitindo apontar sugestões que visam uma utilização racional dos cuidados de saúde.


Palavras-chave
serviços médicos de emergência; serviços de saúde; assistência ao paciente; adulto
Backman, A. S., Lagerlund, M., Svensson, T., Blomqvist, P., & Adami. J. (2012). Use of healthcare information and advice among non-urgent patients visiting emergency department or primary care. Emergency Medicine Journal, 29(12), 1004-1006. doi:10.1136/ emermed-2011-200464
Carret, M. L., Fassa, A. G., & Kawachi, I. (2007). Demand for emergency health service: Factors associated with inappropriate use. BMC Health Services Research, 7, 131. doi:10.1186/1472-6963-7-131
Carret, M. L., Fassa, A. G., & Domingues, M. R. (2009). Inappropriate use of emergency services: A systematic review of prevalence and associated factors. Cadernos de Saúde Pública, 25(1), 7-28. doi:10.1590/S0102- 311X2009000100002
Dias, R. D., Rios, I. C., Canhada, C., Fernandes, M., Letaif, L., Bonfá, E., & Perondi, M. B. (2016). Using the Manchester triage system for refusing nonurgent patients in the emergency department: A 30-day outcome study. Journal Emergency Management, 4(5), 349-364. doi:10.5055/jem.2016.0300
Franchi, C., Cartabia, M., Santalucia, P., Baviera, M., Mannucci. P. M., Fortino, I., … Nobili, A. (2017). Emer¬gency department visits in older people: Pattern of use, contributing factors, geographical differences and outcomes. Aging Clinical and Experimental Research, 29(2), 319-326. doi:10.1007/s40520-016-0550-5
Gentile, S., Vignally, P., Durand, A-C., Gainotti, S., Sambuc, R., & Gerbeaux, P. (2010). Nonurgent patients in the emergency department? A french formula to prevent misuse. BMC Health Services Research, 10, 66. doi:10.1186/1472-6963-10-66
Gomes, M. (2014). O perfil do utilizador abusivo dos serviços de urgência portugueses: Um estudo no Hospital de São João (Dissertação de mestrado). Instituto Politécnico do Porto, Portugal. Recuperado de http://recipp. ipp.pt/bitstream/10400.22/4546/1/DM_MafaldaGomes_2014.pdf
Mendes, F., Mantovani, M., Gemito, M. , & Lopes, M. (2013). A satisfação dos utentes com os cuidados de saúde primários. Revista Enfermagem Referência, 3(9), 17-25. doi:10.12707/RIII1281
McGuigan, T., & Watson, P. (2010). Non-urgent attendance at emergency departments. Emergency Nurse, 18(6), 34-38. Recuperado de http://eds.b.ebscohost. com/eds/pdfviewer/pdfviewer?vid=0&sid=00ff3412-b148-48bb-ba48-9489e168d382%40sessionmgr101
Ng, C. J., Liao, P. J., Chang, Y. C., Kuan, J. T., Chen, J. C., & Hsu, K. H.(2016). Predictive factors for hos-pitalization of nonurgent patients in the emergency department. Medicine, 95(26), e4053. doi:10.1097/ MD.0000000000004053
Novo, L. (2010). A procura de cuidados de saúde no distrito de Viana do Castelo (Dissertação de mestrado). Uni-versidade do Porto, Portugal. Recuperado de https:// repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/45398/2/ Lucia%20Novo%20Dissertao%20A%20Procu¬ra%20de%20Cuidados%20de%20Sade%20no%20 Distrito%20de%20V.pdf
Oliveira, A. (2006). Basic emergency. Acta Médica Portu¬guesa, 19(4), 269-273.
Paiva, J., Silva., A., Almeida, A., Seco, C., Gomes, C., Ribeiro, E., … Silva, R. (2012). Reavaliação da rede nacional de emergência e urgência: Relatório CRRNEU. Recuperado de http://www.portaldasaude.pt/NR/ rdonlyres/0323CC90-45A4-40E4-AA7A-7ACBC8BF6C75/0/ReavaliacaoRedeNacionalEmergenciaUrgancia.pdf
Pereira, S., Silva. A. O., Quintas, M., Almeida. J., Marujo, C., Pizarro, M., … Freitas, A. F. (2001). Appropriate-ness of emergency department visits in a Portuguese university hospital. Annals of Emergency Medicine, 37(6), 580-586. doi:10.1067/mem.2001.114306
Read, J., Varughese, S., & Cameron, P. A. (2014). Determinants of non-urgent emergency department attendance among females in Qatar. Qatar Medical Journal, 14(2), 98-105. doi:10.5339/qmj.2014.16
Rebimbas, C. T. (2013). Avaliação do sistema de triagem de Manchester (Tese de mestrado). Universidade de Coimbra, Faculdade de Medicina, Portugal. Recuperado de https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/35176/1/ Tese%20Catarina%20Rebimbas.pdf
Santos, A. P., Freitas, P., & Martins, H. M. (2014). Manchester triage system version II and resource utilisation in the emergency department. Emergency Medical Journal, 31(2),148–152. doi:10.1136/emermed-2012-201782
Silva, A. (2009). A qualidade do serviço de urgência: Percepções dos utentes e dos prestadores (Dissertação de mestrado). Universidade de Aveiro, Portugal. Recuperado de http:// ria.ua.pt/bitstream/10773/3471/1/2010001235.pdf
Unwin, M., Kinsman, L., & Rigby, S. (2016). Why are we waiting? Patients’ perspectives for accessing emergency department services with non-urgent complaints. International Emergency Nurse, 29, 3-8. doi:10.1016/j. ienj.2016.09.003
Uscher-Pines, L., Pines, J., Kellermann, A., Gillen, E., & Mehrotra, A. (2013). Deciding to visit the emergency departement for non-urgent conditions: A systematic review of the literature. The American Journal of Managed Care, 19(1), 47-59. Recuperado de https:// www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4156292/
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_mar2017_41to52_port.pdf.pdf
REF_mar2017_41to52_eng.pdf.pdf


[ Detalhes da edição ]