Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Construção de um programa de imaginação guiada para doentes internados em unidades de cuidados paleativos
Autores:  Adriana Coelho*; Vítor Parola**; Olga Fernandes***; Ana Querido****; João Apóstolo*****
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2017-10-02
Aceite para publicação:  2018-03-08
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2018
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV17082
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: Uma das intervenções não farmacológicas cada vez mais implementada em diferentes contextos clínicos é a imaginação guiada (IG). Porém, não existem programas de intervenção de IG desenvolvidos e adaptados aos doentes admitidos em unidades de cuidados paliativos, o que impossibilita a sua implementação. Assim, emerge a necessidade de se desenvolver e validar um programa de IG.
Objetivo: Construir e validar um programa de IG.
Metodologia: Estudo descritivo, seguindo as diretrizes para desenvolvimento de intervenções complexas do Medical
Research Council que consiste em 3 fases: identificação da evidência existente, identificação e/ou desenvolvimento de teoria, modelagem do processo e resultados.
Resultados: O processo de desenvolvimento resultou num programa composto por 2 sessões de IG a serem implementadas numa mesma semana. Resultados provisórios relativamente à implementação de uma sessão de IG sugerem que a intervenção é eficaz na melhoria do conforto.
Conclusão: O programa de IG demonstrou ter características ajustadas ao contexto e população-alvo. A eficácia do programa será provada num estudo quasi-experimental, a desenvolver.


Palavras-chave
cuidados paliativos; enfermagem; enfermagem de cuidados paliativos; imagens guiadas; projetos de pesquisa
Apóstolo, J. L. (2007). O imaginário conduzido no conforto de doentes em contexto psiquiátrico (Tese de doutoramento). Universidade do Porto, Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, Portugal.
Apóstolo, J. L. (2010). O conforto pelas imagens mentais na depressão, ansiedade e stress. Coimbra, Portugal: Imprensa da Universidade de Coimbra/ Escola Superior de Enfermagem de Coimbra.
Apóstolo, J. L., & Kolcaba, K. (2009). The effects of guided imagery on comfort, depression, anxiety, and stress of psychiatric inpatients with depressive disorders. Archives of Psychiatric Nursing, 23(6), 403-411. doi:10.1016/j.apnu.2008.12.003
Coelho, A., Parola, V., Cardoso, D., Escobar-Bravo, M., & Apóstolo, J. (2017). Use of non-pharmacological interventions for comforting patients in palliative care: A scoping review. JBI Database of Systematic Reviews and Implementation Reports, 15(7), 1867-1904. doi:10.11124/JBISRIR-2016-003204
Coelho, A., Parola, V., Escobar-Bravo, M., & Apóstolo, J. (2016). Comfort experience in palliative care: A phenomenological study. BMC Palliative Care, 15(1), 71-79. doi:10.1186/s12904-016-0145-0
Comissão Nacional de Cuidados Paliativos. (2016). Plano Estratégico Para O Desenvolvimento Dos Cuidados Paliativos Biénio 2017-2018.
Craig, P., Dieppe, P., Macintyre, S., Michie, S., Nazareth, I., & Petticrew, M. (2008). Developing and evaluating complex interventions: The new medical research council guidance. BMJ, 337, a1655. doi:10.1136/bmj.a1655
Hart, J. (2008). Guided imagery. Alternative and Complementary Therapies, 14(6), 295-299. doi:10.1089/
act.2008.14604
Hosseini, M., Tirgari, B., Forouzi, M. A., & Jahani, Y. (2016). Guided imagery effects on chemotherapy induced nausea and vomiting in Iranian breast cancer patients. Complementary Therapies in Clinical Practice,
25, 8-12. doi:10.1016/j.ctcp.2016.07.002
Kolcaba, K. Y. (1995). Comfort as process and product, merged in holistic-nursing art. Journal of Holistic Nursing, 13(2), 117-131. doi:10.1177/089801019501300203
Kolcaba, K. Y., & Fox, C. (1999). The effects of guided imagery on comfort of women with early stage breast cancer undergoing radiation therapy. Oncology Nursing Forum, 26(1), 67-72.
Naparstek, B. (1994). Staying well with guided imagery. New York, NY: Warner Books.
Olotu, B. S., Brown, C. M., Barner, J. C., & Lawson, K. A. (2014). Factors associated with hospices’ provision of complementary and alternative medicine. The American Journal of Hospice & Palliative Care, 31(4), 385- 391. doi:10.1177/1049909113489873
Osaka, I., Kurihara, Y., Tanaka, K., Nishizaki, H., Aoki, S., & Adachi, I. (2009). Attitudes toward and current practice of complementary and alternative medicine in Japanese palliative care units. Journal of Palliative Medicine, 12(3), 239-244. doi:10.1089/jpm.2008.0215
Payne, R. A. (2003). Técnicas de relaxamento: Um guia prático para profissionais de saúde (2ª ed.). Loures, Portugal: Lusociência.
Roffe, L., Schmidt, K., & Ernst, E. (2005). A systematic review of guided imagery as an adjuvant cancer therapy. Psycho-Oncology, 14(8), 607-617. doi:10.1002/pon.889
Samuels, M. (2003). Healing with the mind’s eye: Haw toy use guided imagery and visions to heal body, mind and spirit. New Jersey, NJ: John Wiley & Sons.
Spiva, L., Hart, P. L., Gallagher, E., McVay, F., Garcia, M., Malley, K., … Smith, N. (2015). The effects of guided imagery on patients being weaned from mechanical ventilation. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, 2015, 802865. doi:10.1155/2015/802865
Van Kuiken, D. (2004). A meta-analysis of the effect of guided imagery practice on outcomes. Journal of Holistic Nursing, 22(2), 164-179. doi:10.1177/0898010104266066
World Health Organization. (2002). National cancer control programmes: Policies & managerial guidelines (2ª ed.). Geneva, Switzerland: Autor.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_jun2018_23to32_eng.pdf.pdf
REF_jun2018_23to32_port.pdf.pdf


[ Detalhes da edição ]