Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Metodologia de cuidado humanitude: dificuldades e benefícios da sua implementação na prática
Autores:  Ana Margarida Gomes Figueiredo*; Rosa Cândida Carvalho Pereira de Melo**; Olivério de Paiva Ribeiro***
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2017-07-31
Aceite para publicação:  2018-03-08
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2018
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV17063
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: A metodologia de cuidado humanitude (MCH), através de uma sequência estruturada de procedimentos cuidativos humanitude, permite operacionalizar a humanização dos cuidados.
Objetivos: Conhecer a perceção dos enfermeiros sobre as dificuldades na implementação da MCH e os benefícios da sua aplicação na prática.
Metodologia: Estudo exploratório descritivo, de natureza qualitativa que envolveu a participação de 7 enfermeiros com formação sobre MCH. Os dados foram colhidos através de entrevistas semiestruturadas e o tratamento dos dados seguiu a técnica de análise de conteúdo.
Resultados: Da análise dos discursos emergiram dificuldades na implementação da MCH relacionadas com fatores pessoais e organizacionais. Os principais benefícios da implementação desta metodologia abrangem os profissionais, as pessoas cuidadas e as instituições.
Conclusão: Dados os benefícios identificados na implementação da MCH, torna-se fundamental ter em conta os fatores que dificultam este processo, e desenvolver algumas estratégias como o envolvimento dos líderes, no sentido de criarem as condições para uma efetiva apropriação e consolidação na práxis.


Palavras-chave
cuidado humanitude; cuidados de enfermagem; relações enfermeiro-paciente; humanização da assistência
Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.
Biquand, S., & Zittel, B. (2012). Care giving and nursing, work conditions and humanitude®. Work, 41, 1828-1831. doi: 10.3233/WOR-2012-0392-182.
Costa, O., Galvão, A., & Baptista, G., (2014). Humanitude: Empreender qualidade em saúde. In C. Moura, M. J. Monteiro, & V. Rodrigues, Novos olhares na saúde, 322-334. Chaves, Portugal: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.
Gineste, Y., & Pellissier, J. (2008). Humanitude, compreender a velhice. Lisboa, Portugal: Instituto Piaget.
Honda, M., Ito, M., Ishikawa, S., Takebayashi, Y., & Tierney, L. (2016). Reduction of behavioral psychological symptoms of dementia by multimodal comprehensive care for vulnerable geriatric patients in a acute care Hospital: A case series. Case Reports in Medicine, 1-4. doi.org/10.1155/2016/4813196
Lei n.º 156/2015 de 16 de setembro. Diário da República, nº 181/2015, I Série, 8059-8105. Ordem dos Enfermeiros.
Lisboa, P Lopes, N. (1995). Da investigação à qualidade: As condicionantes contextuais. Enfermagem, 6, 34-39.
Melo, R., Pereira, C., Fernandes, E., Freitas, N., & Melo, A. (2017). Prevenção de quebras cutâneas no idoso dependente: Contributo da metodologia de cuidar humanitude. Millenium, 2(3), 45-51.
Melo, R., Queirós, P., Tanaka, L., Salgueiro, N., Alves, R., Araújo, J. & Rodrigues, M. (2017). Estado da arte da implementação da metodologia de cuidado humanitude em Portugal. Revista de Enfermagem Referência, 4(13), 53-62. doi: 10.12707/RIV17019.
Melo, R., Queirós, P., Tanaka, L., Costa, P., Bogalho, C., & Oliveira, P. (2017). Dificuldades dos estudantes do curso de licenciatura de enfermagem no ensino clínico: Perceção das principais causas. Revista de Enfermagem Referência, 4(15), 55-64. doi:10.12707/RIV17059
Melo, R., Soares, I., Manso, M., Gaspar, V., & Melo, A. (2017). Redução da agitação nas pessoas idosas com demência durante os cuidados de higiene: Contributo da metodologia de cuidar humanitude. Millenium, 2(2), 57-63. doi: 10.29352/mill0202e.04
Phaneuf, M. (2007). O conceito de humanitude: Uma aplicação aos cuidados de enfermagem gerais. Recuperado de http://www.infiressources.ca/fer/depotdocuments/O_conceito_de_humanitude_-_uma_aplicacao_aos_cuidados_de_enfermagem_gerais.pdf
Salgueiro, N. (2014). Humanitude, um imperativo do nosso tempo. Coimbra, Portugal: IGM Portugal–Humanitude.
Simões, M., Rodrigues, M., & Salgueiro, N. (2011). Importância e aplicabilidade aos cuidados de enfermagem do método de cuidados de humanitude Gineste-Marescotti. Revista de Enfermagem Referência, 3(4), 69-79.
Simões, M., Salgueiro, N., & Rodrigues, M. (2012). Cuidar em humanitude: Estudo aplicado em cuidados continuados. Revista de Enfermagem Referência, 3(6), 80-93. doi:10.12707/RIII1177
Watson, J. (2002). Enfermagem: ciência humana e cuidar- uma teoria de enfermagem. Loures, Portugal: Lusociência.orBardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.
Biquand, S., & Zittel, B. (2012). Care giving and nursing, work conditions and humanitude®. Work, 41, 1828-1831. doi: 10.3233/WOR-2012-0392-182.
Costa, O., Galvão, A., & Baptista, G., (2014). Humanitude: Empreender qualidade em saúde. In C. Moura, M. J. Monteiro, & V. Rodrigues, Novos olhares na saúde, 322-334. Chaves, Portugal: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.
Gineste, Y., & Pellissier, J. (2008). Humanitude, compreender a velhice. Lisboa, Portugal: Instituto Piaget.
Honda, M., Ito, M., Ishikawa, S., Takebayashi, Y., & Tierney, L. (2016). Reduction of behavioral psychological symptoms of dementia by multimodal comprehensive care for vulnerable geriatric patients in a acute care Hospital: A case series. Case Reports in Medicine, 1-4. doi.org/10.1155/2016/4813196
Lei n.º 156/2015 de 16 de setembro. Diário da República, nº 181/2015, I Série, 8059-8105. Ordem dos Enfermeiros.
Lisboa, P Lopes, N. (1995). Da investigação à qualidade: As condicionantes contextuais. Enfermagem, 6, 34-39.
Melo, R., Pereira, C., Fernandes, E., Freitas, N., & Melo, A. (2017). Prevenção de quebras cutâneas no idoso dependente: Contributo da metodologia de cuidar humanitude. Millenium, 2(3), 45-51.
Melo, R., Queirós, P., Tanaka, L., Salgueiro, N., Alves, R., Araújo, J. & Rodrigues, M. (2017). Estado da arte da implementação da metodologia de cuidado humanitude em Portugal. Revista de Enfermagem Referência, 4(13), 53-62. doi: 10.12707/RIV17019.
Melo, R., Queirós, P., Tanaka, L., Costa, P., Bogalho, C., & Oliveira, P. (2017). Dificuldades dos estudantes do curso de licenciatura de enfermagem no ensino clínico: Perceção das principais causas. Revista de Enfermagem Referência, 4(15), 55-64. doi:10.12707/RIV17059
Melo, R., Soares, I., Manso, M., Gaspar, V., & Melo, A. (2017). Redução da agitação nas pessoas idosas com demência durante os cuidados de higiene: Contributo da metodologia de cuidar humanitude. Millenium, 2(2), 57-63. doi: 10.29352/mill0202e.04
Phaneuf, M. (2007). O conceito de humanitude: Uma aplicação aos cuidados de enfermagem gerais. Recuperado de http://www.infiressources.ca/fer/depotdocuments/O_conceito_de_humanitude_-_uma_aplicacao_aos_cuidados_de_enfermagem_gerais.pdf
Salgueiro, N. (2014). Humanitude, um imperativo do nosso tempo. Coimbra, Portugal: IGM Portugal–Humanitude.
Simões, M., Rodrigues, M., & Salgueiro, N. (2011). Importância e aplicabilidade aos cuidados de enfermagem do método de cuidados de humanitude Gineste-Marescotti. Revista de Enfermagem Referência, 3(4), 69-79.
Simões, M., Salgueiro, N., & Rodrigues, M. (2012). Cuidar em humanitude: Estudo aplicado em cuidados continuados. Revista de Enfermagem Referência, 3(6), 80-93. doi:10.12707/RIII1177
Watson, J. (2002). Enfermagem: ciência humana e cuidar- uma teoria de enfermagem. Loures, Portugal: Lusociência.

Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_jun2018_53to62_eng.pdf.pdf
REF_jun2018_53to62_port.pdf.pdf


[ Detalhes da edição ]