Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Perceção parental sobre hábitos e qualidade do sono das crianças em idade pré-escolar
Autores:  Ernestina Maria Batoca Silva*; Paula Alexandra Duarte Simões**; Mónica Cristina dos Santos Amaral de Macedo***; João Carvalho Duarte****; Daniel Marques Silva*****
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2017-11-30
Aceite para publicação:  2018-03-28
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2018
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV17103
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: A qualidade do sono é determinante para o bem-estar durante o dia e para otimizar o desempenho nas atividades de cada criança.
Objetivos: Caracterizar os hábitos e a qualidade de sono percebidos pelos pais das crianças em idade pré-escolar.
Metodologia: Estudo quantitativo, descritivo e correlacional. Amostra não probabilística com 642 pais de crianças que frequentavam o ensino pré-escolar dos concelhos de Albergaria-a-Velha (64,2%) e Águeda (35,8%). Utilizou-se o Índice de Qualidade de Sono de Pittsburgh.
Resultados: Apurou-se que 64,8% das crianças foi classificada como tendo boa qualidade de sono; 47,2% demoram a adormecer entre 16 a 30 minutos; 88,3% dormem entre 09h30 e 10h30 horas; 84% apresentam uma eficiência habitual do sono muito boa; 75,4% referem perturbação do sono; 97,5% não usam medicação para dormir e 76,6% não referem disfunção diurna.
Conclusão: Embora a qualidade do sono seja boa na maioria das crianças, foram identificados vários aspetos preocupantes. Assim, é necessário que seja fornecida educação sobre a higiene do sono aos pais e à comunidade pré-escolar


Palavras-chave
higiene do sono; pré-escolar; enfermeiras e enfermeiros
Bertolazi, A., Fagondes, S., Hoff, L. Dartora, E., Miozzo, I., de Barba, M., & Barreto, S. (2011). Validation of the Brazilian Portuguese version of the Pittsburgh Sleep Quality Index. Sleep Medicine, 12(1), 70-75. doi: 10.1016/j.sleep.2010.04.020
Caldwell, B., & Redeker, N. (2015). Maternal stress and psychological status and sleep in minority preschool children. Public Health Nursing, 32(2), 101-111. doi: 10.1111/phn.12104
Chambel, I. D. (2013). Crenças parentais sobre o sono das crianças em idade pré-escolar (Dissertação de mestrado). Recuperado de http://repositorio.ul.pt/handle/
10451/10538
Cordeiro, M. (2015). Dormir tranquilo. Lisboa, Portugal:
A Esfera dos Livros.
Duarte, J. (2008). Privação do sono, rendimento escolar, equilíbrio psico-afetivo na adolescência (Tese de doutoramento). Recuperado de https://repositorio-aberto.
up.pt/handle/10216/19371
Grandner, M. (2012). Sleep duration across the lifespan: Implications for health. Sleep Medicine Review, 16(3), 199-201. doi: 10.1016/j.smrv.2012.02.001
Guimarães, A. C. (2013). Identificação de hábitos de sono, compreensão do sono e rotinas de sono em crianças de idade escolar: Estudo com crianças e pais (Dissertação de mestrado). Recuperado de http://repositorio.ul.pt/handle/10451/10415
Honaker, S., & Meltzer, L. (2016). Sleep in pediatric primary care: A review of the literature. Sleep Medicine Reviews, 25, 31-39. doi: 10.1016/j.smrv.2015.01.004
Kelly, Y., Kelly, J., & Sacker, A. (2013). Time for bed: Associations with cognitive performance in 7-yearold children: A longitudinal population-based study.
Epidemiology & Community Health, 67(11), 926-931. doi: 10.1136/jech-2012-202024
Lélis, A., Cipriano, M., Cardoso, M., Lima, F., & Araújo, T. (2014). Influência do contexto familiar sobre os transtornos do sono em crianças. Revista Rene, 15(2), 343-353. doi: 10.15253/2175-6783.2014000200020
Monteiro, M. (2014). A importância do sono nas crianças. Lisboa, Portugal: Chiado Editora. Owens, J., & Mindell, J. (2011). Pediatric insomnia. Pediatric Clinics of North America, 58(3), 555-569. doi: 10.1016/j.pcl.2011.03.011
Rangel, M., Batista, C., Pitta, M., Anjo, S., & Leite, A. (2015). Qualidade de sono e prevalência das perturbações do sono em crianças saudáveis em Gaia: Um estudo transversal. Revista Portuguesa de Medicina Geral e Família, 31(4), 256-264. Recuperado de http://www.
rpmgf.pt/ojs/index.php/rpmgf/article/view/11553
Sadeh, A., Tikotzky, L., & Scher, A. (2010). Parenting and infant sleep. Sleep Medicine Reviews, 14(2), 89-96. doi: 10.1016/j.smrv.2009.05.003
Seixas, M. (2009). Avaliação da qualidade de sono na adolescência: Implicações para a saúde física e mental (Dissertação de mestrado). Recuperado de http://bdigital.
ufp.pt/handle/10284/1256
Semedo, E. (2016). 10 mandamentos para crianças: Do nascimento aos 12 anos de idade. Recuperado de http://cdn.worldsleepday.org/wp-content/uploads/2015/09/
WSD-2016-Resources-10-Commandments-for-Children-PT.pdf
Silva, H. C. (2012). Adaptação e validação do Children Sleep Habits Questionnaire e do Sleep Self Report para crianças portuguesas (Dissertação de mestrado). Recuperado de http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/8924/1/678220_Tese.pdf
Talhada, L. C. (2012). Qualidade do sono, saúde e estilos de vida: Estudo com a população activa portuguesa (Dissertação de mestrado). Recuperado de https://ubibliorum.
ubi.pt/handle/10400.6/2663
Teng, A., Bartle, A., Sadeh, A., & Mindell, J. (2012). Infant and toddler sleep in Australia and New Zealand. Journal of Paediatrics and Child Health, 48(3), 268- 273. doi: 10.1111/j.1440-1754.2011.02251.x
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_jun2018_63to72_eng.pdf.pdf
REF_jun2018_63to72_port.pdf.pdf


[ Detalhes da edição ]