Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Validação da Resilience Scale de Wagnild e Young em contexto de acolhimento residencial de adolescentes
Autores:  Ana Maria Pacheco Mendes Perdigão Costa Gonçalves*; Ana Paula Camarneiro**
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2017-10-02
Aceite para publicação:  2018-03-08
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2018
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV17080
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: O acolhimento residencial pode constituir proteção para os adolescentes, promovendo o desenvolvimento e manutenção da sua resiliência.
Objetivo: Validar, numa amostra de adolescentes em acolhimento residencial, a Resilience Scale (RS) de Wagnild e Young (1993), adaptada para português por Felgueiras, Festas, e Vieira (2010).
Metodologia: Estudo metodológico, de validação da RS, a partir de adaptação portuguesa prévia, numa amostra de 384 adolescentes em acolhimento residencial.
Resultados: A RS, de 25 itens, apresentou elevada consistência interna (α = 0,925). A análise fatorial exploratória revelou uma solução bifatorial (competência pessoal e aceitação de si e da vida) de acordo com a proposta original. Algumas diferenças foram encontradas na alocação de itens. Nos adolescentes, a competência pessoal foi positiva e significativamente correlacionada com a idade. Os rapazes são significativamente mais resilientes (total e dimensões) do que as raparigas, diferença que foi tomada como validade discriminante.
Conclusão: Esta versão portuguesa da escala tem muitas semelhanças com a versão original, distinguindo-se das versões portuguesas já publicadas. Permite a investigação sobre a resiliência em adolescentes em acolhimento residencial.


Palavras-chave
resiliência psicológica; estudos de validação; adolescente; institucionalização; enfermagem
Ahern, N. R., Kiehl, E. M., Sole, M. L., & Byers, J. (2006). A review of instruments measuring resilience. Issues
in Comprehensive Pediatric Nursing, 29(2), 103- 125. doi: 10.1080/01460860600677643
Cordovil, C., Crujo, M., Vilarica, P., & Caldeira da Silva, P. (2011). Resiliencia em criancas e adolescentes
institucionalizados. Acta médica portuguesa, 24(S2), 413-418. Recuperado de https://actamedicaportuguesa. com/revista/index.php/amp/article/viewFile/ 1473/1059
Felgueiras, M. C., Festas, C., & Vieira, M. (2010). Adaptacao e validacao da Resilience Scale de Wagnild e Young para a cultura portuguesa. Cadernos de saú Guilera, G., Pereda, N., Paños, A., & Abad, J. (2015).
Assessing resilience in adolescence: The Spanish adaptation of the Adolescent Resilience Questionnaire. Health and Quality of Life Outcomes, 11(13), 100. doi: 10.1186/s12955-015-0259-8
Koller, S. H., Cerqueira-Santos, E., Morais, N. A., Ribeiro, J., & Martiniano, G. (2004). Juventude brasileira em situação de risco social e pessoal: Projecto de pesquisa inédito. Porto Alegre, Brasil: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Lei n.º 142/2015 de 8 de Setembro. Diário da República nº 175/2015 – 1ª Série. Assembleia da República. Lisboa, Portugal.
Masten, A. S. (2009). Ordinary magic: Lessons from research on resilience in human development. Education Canada, 49(3), 28-32. Recuperado de https://www.edcan.ca/wp-content/uploads/EdCan-2009-v49-n3-Masten.pdf
Mota, C. P., & Matos, P. M. (2010). Adolescentes institucionalizados:O papel das figuras significativas na predição da assertividade, empatia e autocontrolo. Análise Psicológica, 28(2), 245-254. Recuperado de http://www.scielo.mec.pt/pdf/aps/v28n2/v28n2a01.pdf
Oliveira, A., Matos, A. P., Pinheiro, M. R., & Oliveira, S. (2015). Confirmatory factor analysis of the Resilience Scale short form in a Portuguese adolescent sample. Procedia, Social and Behavioral Sciences, 165, 260-266. doi: 10.1016/j.sbspro.2014.12.630
Pesce, R. P., Assis, S. G., Santos, N., & Oliveira, R. V. (2004). Risco e protecção: Em busca de um equilíbrio promotor de resiliência. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20(2), 135-143. doi: 10.1590/S0102-37722004000200006
Pinheiro, M. R., & Matos, A. P. (2013). Exploring the construct validity of the two versions of the Resilience Scale in an Portuguese adolescent sample. The European Journal of Social & Behavioural Sciences, 2(2), 178-189.
Poletto, M., & Koller, S. H. (2008). doi: 10.15405/FutureAcademy/ejsbs(2301-2218).2012.2.5Contextos ecológicos: Promotores de resiliência, factores de risco e proteção. Estudos de Psicologia, 25(3), 405-416. doi: 10.1590/S0103-166X2008000300009
Rutter, M. (1993). Resilience: Some conceptual considerations. Journal of Adolescents Health, 14(8), 626-631. doi: 10.1016/1054-139X(93)90196-V
Rutter, M. (2006). The promotion of resilience in the face of adversity. In A. C. Stewart & J. Dunn (Eds.), Families count: Effects on child and adolescent development (pp. 26-50). Cambridge, NY: Cambridge University Press.
Siqueira, A. C., & Dell’Aglio, D. D. (2006). O impacto da institucionalização na infância e na adolescência: Uma revisão da literatura. Psicologia & Sociedade, 18(1), 71-80. doi: 10.1590/S0102-71822006000100010
Wagnild, G. M., & Young, H. M. (1993). Development and psychometric evaluation of Resilience Scale. Journal of Nursing Measurement, 1(2), 165-178.
Windle, G., Bennett, K., & Noyes, J. (2011). A methodological review of resilience measurement scales. Health and Quality of Life Outcomes, 9(8), 1-18. doi: 10.1186/1477-7525-9-8
Yunes, M. A., & Szymanski, H. (2001). Resiliência: Noção, conceitos afins e considerações críticas. In J. Tavares (Org.), Resiliência e educação (pp. 13-42). São Paulo, Brasil: Cortez.de, 3(1), 73-80.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_jun2018_107to118_eng.pdf.pdf
REF_jun2018_107to118_port.pdf.pdf


[ Detalhes da edição ]