Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Implementação de bundles na prevenção da infeção após prótese total da anca
Autores:  Matilde Delmina da Silva Martins* ; Alfredo Carlos Preto Fernandes**
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2018-07-19
Aceite para publicação:  2019-02-27
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2019
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV18051

Resumo
Enquadramento: As infeções do local cirúrgico representam uma das mais frequentes infeções associadas aos cuidados de saúde em pacientes hospitalizados.
Objetivo: Analisar o efeito das medidas implementadas para prevenção da infeção do local cirúrgico em pacientes submetidos a colocação de prótese total da anca.
Metodologia: Estudo de coorte retrospetivo. Amostra foi constituída por todos os pacientes submetidos a artroplastia da anca no período de 1 de outubro de 2014 a 31 de setembro de 2016. Elaborou-se uma grelha onde foram inseridos os dados selecionados para o estudo, em conformidade com a norma Feixe de Intervenções de Prevenção de Infeção de local cirúrgico da Direção-Geral da Saúde.
Resultados: Dos 214 participantes, 56,1% eram do sexo masculino, com uma média de idade de 71,04 anos e 19,2% apresentavam diabetes. Registou-se uma taxa global de infeção do local cirúrgico de 6,1%, e uma diminuição de 28,4% após a implementação das bundles de prevenção.
Conclusão: Registou-se diminuição da infeção com a implementação das bundles, sendo relevante a sua implementação.


Palavras-chave
infeção da ferida cirúrgica; artroplastia de quadril; prevenção
Barbosa, M. H., Mendes, M. A., Amaral, J. B., & Mattia,L. A. (2009). Ocorrência de infecção de sítio cirúrgico de um hospital universitário de Minas Gerais. Revista Mineira de Enfermagem, 13(3), 423-427. doi: S1415-27622009000300015
Centers for Disease Control and Prevention. (2017). Recuperado de https://www.cdc.gov/
Direção-Geral da Saúde. (2017). Recuperado de https://www.dgs.pt/
Direção-Geral da Saúde. (2015). Norma 020/2015. Recuperado de https://www.dgs.pt/
Domingos, M. H., Lida, L. I., & Poveda, V. B. (2016). Estratégias de controle glicêmico e a ocorrência de infecção do sítio cirúrgico: Revisão sistemática. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 50(5), 868-874. doi: 10.1590/S0080-623420160000600022
Dourado, E. D. (2017). Fatores predisponentes de infecção de sítio cirúrgico: Uma revisão da literatura. Trabalho não publicado. Recuperado de https://repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/235/11749/1/21395477.pdf
Ercole, F. F., Franco, L. M., Macieira, T. G., Wenceslau, L. C., Resende, H. I., & Chianca, T. C. (2011). Risco para infecção de sítio cirúrgico em pacientes submetidos a cirurgias ortopédicas. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19(6). Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rlae/v19n6/pt_12.pdf
Fundação Calouste Gulbenkian. (2015). Programa stop infeção hospitalar. Recuperado de http://www.stopinfecaohospitalar.com/
Franco, L. M., Ercole, F. F., & Mattia, A. D. (2015). Infecção cirúrgica em pacientes submetidos a cirurgia ortopédica com implante. Revista Sobecc, 20(3), 163-170. doi: 10.5327/Z1414-4425201500030007
Goveia, V. R., Mendoza, I. Y., Couto, B. R., Ferreira, J. A., Paiva, E. B., Guimarães, G. L., & Stoianoff, M. A. (2015). Perfil dos pacientes submetidos à artroplastia do quadril em hospital de ensino. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, 42(2), 106-110. doi: 10.1590/0100-69912015002007
Lenza, M., Ferraz, S. D., Viola, D. C., Filho, R. J., Neto, M. C., & Ferretti, M. (2013). Epidemiologia da artroplastia total de quadril e de joelho: Estudo transversal. Revista Einstein, 11(2), 197-202. doi: 10.1590/S1679-45082013000200011
Oliveira, A. C.,Ciosak, S. I.,Ferraz, E. M., & Grinbaum, R. S. (2006). Infecção da ferida cirúrgica em pacientes submetidos à cirurgia. Revista Médica de Minas Gerais, 16(1), 18- 23. Recuperado de http://rmmg.org/artigo/detalhes/246#
Pereira, B. R., Mendoza, I. Y., Couto, B. R., Ercole, F. F., & Goveia, V. R. (2014). Artroplastia do quadril: Prevenção de infecção do sítio cirúrgico. Revista Sobecc, 19(4), 181-187. doi: 10.5327/Z1414-4425201400040002
Pontes, J. P., Mendes, F. F., Vasconcelos, M. M., & Batista, N. R. (2018). Avaliação e manejo perioperatório de pacientes com diabetes melito: Um desafio para o anestesiologista. Brasilian Journal of Anesthesiology, 68(1), 75-86. doi: 10.1016/j.bjan.2017.04.017PORDATA. (2015). Retrato de Portugal. Recuperado de https://www.pordata.pt/Municipios/Retratos/2017/ Retrato+de+Portugal-54
Ribeiro, J. C., Santos, C. B., Bellusse, G. C., Rezende, V. D., & Galvão, C. M. (2013). Ocorrência e fatores de risco para infecção de sítio cirúrgico em cirurgias ortopédicas. Acta Paulista de Enfermagem, 6(4), 353-359. doi: 10.1590/S0103-21002013000400009
Santos, G. C., Baylão, A. F., Borges, S. C., Silva, L. A., Batista, M. H., & Leite, G.R. (2015). Incidência e fatores de risco de infecção de sítio cirúrgico: Revisão integrativa. Revista Eletrônica Graduação/Pós Graduação em Educação UFG/REJ, 11(1). doi: 10.5216/rir.v11i1.34142
Shuman, E. K., Urquhart, A., & Malani, P. N. (2012). Management and prevention of prosthetic joint infection. Infection Disease Clinical North América, 26(1), 29-39. doi: 10.1016/j.idc.2011.09.011
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_jun2019_101to110_eng.pdf.pdf
REF_jun2019_101to110_port.pdf.pdf


[ Detalhes da edição ]