Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Sintomatologia musculoesquelética dos enfermeiros no contexto hospitalar: contributo do enfermeiro de reabilitação
Autores:  Maria Isabel Rebelo Lopes de Moura*; Maria Manuela Ferreira Pereira da Silva Martins**; Olga Maria Pimenta Lopes Ribeiro***
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2019-06-18
Aceite para publicação:  2019-09-03
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2019
DOI:  https://doi.org/10.12707/RIV19035
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: Os enfermeiros integram a classe profissional maioritária no Serviço Nacional de Saúde, sendo que o trabalho que desenvolvem condiciona o seu bem-estar musculoesquelético.
Objetivo: Conhecer a prevalência da sintomatologia musculoesquelética dos enfermeiros, identificando simultaneamente os fatores de risco.
Metodologia: Estudo quantitativo, de carácter descritivo e correlacional, concretizado num centro hospitalar de Portugal. A técnica de amostragem foi não probabilística por conveniência, obtendo-se uma amostra de 260 enfermeiros. Como instrumento de colheita de dados utilizou-se o questionário, dividido em duas partes (dados sociodemográficos/profissionais e Questionário Nórdico Musculoesquelético).
Resultados: A maioria dos enfermeiros (65,1%) apresenta sintomatologia ao nível do sistema musculoesquelético, sendo que a coluna lombar é o segmento mais afetado. O género feminino, o aumento da idade, do índice de massa corporal, do tempo de exercício profissional e a carga horária estão relacionados com o agravamento dos sintomas.
Conclusão: Os resultados apontam para a necessidade de sensibilizar os enfermeiros para os fatores de risco, bem como incentivar a adoção de estratégias, como a ginástica laboral, para minimizar sintomatologia musculoesquelética.

Palavras-chave
enfermeiras e enfermeiros; hospitais; fatores de risco; dor musculoesquelética
Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho. (2019). Lesões musculosqueléticas. Recuperado de https://osha.europa.eu/pt/themes/musculoskeletal-disorders
American Nurses Association. (2011). 2011 ANA health & safety survey. Recuperado de http://www.nursingworld.org/MainMenuCategories/WorkplaceSafety/
Healthy-Work-Environment/Work-Environment/2011-HealthSafetySurvey.html
Carpenter, H., & Dawson, M. (2015). Keeping nurses healthy, safe, and well. American Nurse Today, 10(9), 6-8. Recuperado de https://www.americannursetoday.com/wp-content/uploads/2015/09/Special-Report-Workforce-Keeping.pdf
Cordeiro, A. R. (2015). Lesões músculo-esqueléticas ligadas ao trabalho em enfermeiros: prevalência e fatores determinantes (Dissertação de mestrado). Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, Portugal. Recuperado de http://repositorio.ipv.pt/handle/10400.19/3136
Direção-Geral da Saúde. (2008). Lesões musculoesqueléticas relacionadas com o trabalho: Guia de orientação para prevenção. Lisboa, Portugal: Autor. Recuperado de https://www.dgs.pt/documentos-e-publicacoes/lesoes-musculoesqueleticas-relacionadas-com-o-trabalho-pdf.aspx
Duarte, M. S., Goncalves, N. R., Ferreira, G. N., & Cunha, R. G. (2017). O impacto de um programa de ginástica laboral mensurado através do questionário nórdico de sintomas. Revista Científica de Saúde do Centro Universitário Belo-Horizonte, 10(1), 1-12. Recuperado de https://revistas.unibh.br/dcbas/article/view/2007/pdf
Fernandes, C. S., Couto, G., Carvalho, R., Fernandes, D., & Ferreira, P. (2018). Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho autorreferidos por profissionais de saúde de um hospital em Portugal. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, 16(3), 353-359. doi:10.5327/Z1679443520180230
Jerónimo, J. M. (2013). Estudo da prevalência e fatores de risco de lesões musculoesqueléticas ligadas ao trabalho em enfermeiros (Dissertação de mestrado). Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Portugal.
Jeronimo, J., & Cruz, A. (2014). Estudo da prevalência e fatores de risco de lesões musculosqueléticas ligadas ao trabalho em enfermagem. Revista Investigação em Enfermagem, 9(9), 35-46. Recuperado de http://www.eformasau.pt/files/Revistas/RIE9/RIE9_1.pdf#page=35
Lima, A. C., Magnago, T. S., Prochnow, A., Ceron, M. D., Schardong, A. C., & Scalcon, C. B. (2014). Fatores associados a dor musculosquelética em trabalhadores de enfermagem hospitalar. Revista de Enfermagem UERJ, 22(4), 526-532. Recuperado de http://www.facenf.uerj.br/v22n4/v22n4a15.pdf
Martins, J. M. (2008). Perceção do risco de desenvolvimento de lesões músculo-esqueléticas em atividade de enfermagem (Dissertação de mestrado). Universidade do Minho, Portugal. Recuperado de http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/8169
Mesquita, C. C., Ribeiro, J. C. & Moreira, P. (2010). Portuguese version of standardized Nordic musculoskeletal questionnaire: cross cultural and reliability. Journal of Public Health. doi:10.1007%2Fs10389-010-0331-0
Neves, M., & Serranheira, F. (2014). A formação de profissionais de saúde para a prevenção de lesões musculosqueléticas ligadas ao trabalho a nível da coluna lombar: Uma revisão sistemática. Revista Portuguesa de Saúde Pública, 32(1), 89-105. doi:10.1016/j.rpsp.2014.01.001
Oliveira, J. (2017). Relatório e contas 2017. Recuperado de http://chtmad.com/docs_internos/relatorio_contas_2017.pdf
Regulamento no 350/2015 de 22 de junho. Diário da República nº 119/15 - II Série. Ordem dos Enfermeiros. Lisboa, Portugal.
Ribeiro, M. I. (2015). Avaliação das condições de risco ergonómico dos trabalhadores no serviço de neurocirurgia (Dissertação de mestrado). Universidade do Porto, Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar,
Portugal. Recuperado de https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/82510/2/113462.pdf
Santos, M., & Almeida, A. (2012). Enfermagem na equipa de saúde ocupacional. Revista de Enfermagem Referência, 3(6), 147-155. doi:10.12707/RIII1195
Serranheira, F., Cotrim, T., Rodrigues, V., Nunes, C., & Sousa-Uva, A. (2012). Lesões musculosqueléticas ligadas ao trabalho em enfermeiros portugueses: ≪Ossos do oficio≫ ou doenças relacionadas com o trabalho? Revista Portuguesa Saúde Pública, 30(2),193-203. doi:10.1016/j.rpsp.2012.10.001
Torres, M., Carneiro, P., & Arezes, P. (2017). LMERT em enfermeiros que prestam cuidados em contexto de internamento cirúrgico. International Journal
on Working Conditions, 14, 33-49. Recuperado de http://ricot.com.pt/artigos/1/IJWC.14_Torres,Carneiro&Arezes_p.33.49.pdf
Yan, P., Li, F., Zhang, L., Yang, Y., Huang, A., Wang, Y., & Yao, H. (2017). Prevalence of work-related musculoskeletal disorders in the nurses working in Hospital of Xinjiang Uygur Autonomous region. Pain Research and Management, 2017(51), 1-7. doi:10.1155/2017/5757108
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_dec2019_121to132_port.pdf
REF_dec2019_121to132_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]