Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Consulta de pré-natal na atenção primária à saúde: fragilidades e potencialidades da intervenção de enfermeiros brasileiros
Autores:  Graciela Dutra Sehnem; Laísa Saldanha de Saldanha; Jaqueline Arboit; Aline Cammarano Ribeiro; Francielle Morais de Paula
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2019-07-30
Aceite para publicação:  2019-12-10
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2019
DOI:  10.12707/RIV19050
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: Para assegurar a qualidade do período pré-natal e reduzir a morbimortalidade materna
e neonatal, os enfermeiros que exercem funções na atenção primária à saúde precisam de realizar consultas
pré-natais voltadas para a identificação e prevenção de desfechos perinatais desaforáveis.
Objetivo: Conhecer as fragilidades e potencialidades da intervenção do enfermeiro na consulta de pré-natal.
Metodologia: Estudo qualitativo, do tipo descritivo, realizado no primeiro semestre de 2018. Participaram
11 enfermeiras vinculadas às unidades da estratégia saúde da família de um município do sul do Brasil.
Foram realizadas entrevistas semiestruturadas e analisadas pela análise de conteúdo temática.
Resultados: Como fragilidades, a morosidade na entrega dos exames solicitados no pré-natal, o déficit
de profissionais para compor as equipas multiprofissionais e a dificuldade no entendimento das gestantes
acerca da importância do pré-natal. Como potencialidades, a variedade de intervenções clínicas, o vínculo
entre o profissional e a gestante e o uso de protocolos municipais.
Conclusão: O presente estudo permitiu conhecer pontos relevantes que podem influenciar a qualidade
da atenção pré-natal realizada pelo enfermeiro.

Palavras-chave
atenção primária à saúde; cuidado pré-natal; enfermagem
Aires, C. M., Ferreira, I. M., Santos, A. T., & Sousa, M. R. (2016). Empowerment na gravidez: Estudo de adaptação da Empowerment Scale for Pregnant Women para o contexto português. Revista de Enfermagem Referência, 9(10), 49-57. doi:10.12707/RIV16033
Akter, M. K., Yimyam, S., Chareonsanti, J., & Tiansawad, S. (2018). The challenges of prenatal care for Bangladeshi women: A qualitative study. International Nursing Review, 65(4), 534-541. doi:10.1111/inr.12466
Alnuaimi, K., Oweis, A., & Habtoosh, H. (2019). Exploring woman- nurse interaction in a Jordanian antenatal clinic: A qualitative study. Midwifery, 72, 1-6. doi:10.1016/j.midw.2019.01.008
Bortoli, C. F., Bisognin, P., Wilhelm, L. A., Prates, L. A., Sehnem, G. D., & Ressel, L. B. (2017). Factors that enable the performance of nurses in prenatal. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, 9(4), 978-983. doi:10.9789/2175-5361.2017.v9i4.978-983
Dodou, H. D., Rodrigues, D. P., & Oriá, M. O. (2017). The care of women in the context of maternity: Challenges and ways to humanize. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, 9(1), 222-230. doi:10.9789/2175-5361.2017.v9i1.222-230
Gomes, C. B., Dias, R. S., Silva, W. G., Pacheco, M. A., Sousa, F. G., & Loyola, C. M. (2019). Prenatal nursing consultation: Narratives of pregnant women and nurses. Texto & Contexto Enfermagem, 28, e20170544. doi:10.1590/1980-265x-tce-2017-0544
Ickovics, J. R., Lewis, J. B., Cunningham, S. D., Thomas, J., & Magriples, U. (2019). Transforming prenatal care: multidisciplinary team science improves a broad range of maternal–child outcomes. The American Psychologist, 74(3), 343-355. doi:10.1037/amp0000435
Minayo, M. C. (2014). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde (14ª ed.). São Paulo, Brasil: Hucitec. Ministério da Saúde. (2016). Protocolos da atenção básica: Saúde dasmulheres. Brasília, Brasil: Autor. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolos_atencao_basica_saude_mulheres.pdf
Ministério da Saúde. (2013). Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília, Brasil: Autor. Recuperado de http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_32.pdf
Nunes, J. T., Gomes, K. R., Rodrigues, M. T., & Mascarenhas, M. D. (2016). Qualidade da assistência pré-natal no Brasil: Revisão de artigos publicados de 2005 a 2015. Cadernos Saúde Coletiva, 24(2), 252-261. doi:10.1590/1414-462X201600020171
Oliveira, D. C., & Mandu, E. N. (2015). Women with high-risk pregnancy: Experiences and perceptions of needs and care. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 19(1), 93-101. doi:10.5935/1414-8145.20150013
Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Diário Oficial da União nº 183 – Secção 1. Ministério da Saúde. Brasília, Brasil. Recuperado de http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/19308123/do1-2017-09-22-portaria-n-2-436-de-21-de-setembro-de-2017-19308031
Quental, L. L., Nascimento, L. C., Leal, L. C., Davim, R. M., & Cunha, I. C. (2017). Práticas educativas com gestantes na atenção primária à saúde. Revista de Enfermagem UFPE on line, 11(sup. 12), 5370-5381. doi:10.5205/1981-8963-v11i12a23138p5370-5381-2017
Saavedra, J. S., & Cesar, J. A. (2015). Uso de diferentes critérios para avaliação da inadequação do pré-natal: Um estudo de base populacional no extremo Sul do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 31(5), 1003-1004. doi:10.1590/0201-311X00085014
Seven, M., Akyüz, A., Eroglu, K., Daack-Hirsch, S., & Skirton, H. (2017). Women’s knowledge and use of prenatal screening tests. Journal of clinical nursing, 26(13-14), 1869-1877. doi:10.1111/jocn.13494
Strefling, I. S., Borba, C. B., Soares, M. C., Demori, C. C., Vaz, C. H., & Santos, C. P. (2017). Perceptions of puerperas on nursing care in joint accommodation. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, 9(2), 333-339. doi:10.9789/2175-5361.2017.v9i2.333-339
Van der Sand, I. C., Ressel, L. B., Monticelli, M., & Schirmer, J. (2016). Self-attention in pregnancy for women living in rural area: A ethnographic study. Texto & Contexto Enfermagem, 25(4), e2510015. doi:10.1590/0104-07072016002510015
Vargas, G. S., Alves, V. H., Rodrigues, D. P., Branco, M. B., Souza, R. M., & Guerra, J. V. (2016). Atuação dos profissionais de saúde da estratégia saúde da família: Promoção da prática do aleitamento materno. Revista Baiana de Enfermagem, 30(2), 1-9. doi:10.18471/rbe.v30i2.14848
Viellas, E. F., Domingues, R. M., Dias, M. A., Gama, S. G., Theme Filha, M. M., Costa, J. V., & Leal, M. C. (2014). Prenatal care in Brazil. Cadernos de Saúde Pública, 30(sup.1), S1-S15. doi:10.1590/0102-311X00126013
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_jan2020_e19050_port.pdf
REF_jan2020_e19050_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]