Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Estratégia de saúde familiar no Brasil: análise microbiológica na sala de vacinação
Autores:  Heloísa Helena Barroso; Jaqueline Gonçala Vaz Pereira Miranda; Maria Jesus Barreto Cruz; Fulgêncio Antônio Santos; Cíntia Maria Rodrigues
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2019-11-04
Aceite para publicação:  2020-01-15
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2020
DOI:  10.12707/RIV19080
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: As unidades de Estratégia Saúde da Família (ESF) são uma referência no atendimento primário à população, tendo as salas de vacinação como principal procura do serviço. É importante destacar que uma higienização inadequada desse ambiente, apresenta maior probabilidade de causar infeções aos pacientes.
Objetivo: Verificar a associação entre a contaminação microbiológica e a assistência prestada na sala de vacinação de uma ESF no Brasil.
Metodologia: Estudo descritivo e exploratório, com amostragem para 3 superfícies da sala de vacinação.
Resultados: Os resultados evidenciaram 58 unidades formadoras de colónias (UFC), para bactérias e fungos, na agulha de vacina, mais de 300 UFC de bactérias, nas amostras da geladeira e mesa, e mais de 300 UFC de fungos nos mesmos locais.
Conclusão: Neste estudo foi possível observar falhas da higienização na sala de vacinação, através do crescimento microbiológico, sugerindo que uma higienização inadequada influencia na assistência prestada, tornando necessárias ações estratégicas que visem a melhoria da qualidade e segurança na sala de vacinação.

Palavras-chave
estratégia saúde da família; cuidados de enfermagem; análise microbiológica; vacinação
Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2016). Programa nacional de prevenção e controle de infecções relacionadas à assistência à saúde (2016- 2020). Recuperado de http://portal.anvisa.gov.br/documents/33852/3074175/PNPCIRAS+2016-2020/f3eb-5d51-616c-49fa-8003-0dcb8604e7d9
Arantes, l. J., Eri-Shimizu, H., & Merchán-Hamann, E. (2016). Contribuições e desafios da estratégia saúde da família na atenção primária à saúde no Brasil: Revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, 21(5), 1499-1509. doi:10.1590/1413-81232015215.19602015
Bisetto, L. H., & Ciosak, S. I. (2017). Análise da ocorrência de evento adverso pós-vacinação decorrente de erro de imunização. Revista Brasileira de Enfermagem, 70(1), 87-95. doi:10.1590/0034-7167-2016-0034
Cordeiro, P. M., Leandro, L. M., Vandesmet, V. C., Júnior, D. L., & Mendes, C. F. (2016). Análise microbiológica de assentos e alça de teto em transportes coletivos da cidade Juazeiro do Norte, Ceará. Revista Interfaces, 4(12), 69-74. doi:10.16891/2317-434X.v4.e12.a2017.
Centers for Disease Control and Prevention. (2016). Infections associated with health care. Recuperado de https://www.cdc.gov/hai/index.html
Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. (2015). Parecer COREN-SP 010/2009: Troca de agulha para administração de medicamento por via intramuscular. Recuperado de https://portal.coren-sp.gov.br/sites/default/files/Parecer%2010.2009.pdf
Duarte, D. D., Oliveira, V. C., Guimarães, E. A., & Viegas, S. M. (2019). Acesso à vacinação na atenção primária na voz do usuário: Sentidos e sentimentos frente ao atendimento. Escola Anna Nery, 23(1), e20180250. doi:10.1590/2177-9465-EAN-2018-0250
Fontoura, F. P., Gonçalves, C. G., & Soares, V. M. (2016). Condições e ambiente de trabalho em uma lavanderia hospitalar: Percepção dos trabalhadores. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 41, e 51. doi:10.1590/2317-6369000097414
Langoni, H., Guimarães, F. F., Costa, E. O., Joaquim, S. F., & Menozzi, B. D. (2015). Celularidade do leite e unidades formadoras de colônias nas mastites causadas por Staphylococcus coagulase positiva e coagulase negativa. Pesquisa Veterinária Brasileira, 35(6), 518-524. doi: 10.1590/S0100-736X2015000600005
Medeiros, S. G., Neto, A. V., Saraiva, C. O., Barbosa, M. L., & Santos, V. E. (2019). Avaliação da segurança no cuidado com vacinas: Construção e validação de protocolo. Acta Paulista de Enfermagem, 32(1), 53-64. doi:10.1590/1982-0194201900008
Ministério da Saúde. (2014). Manual de normas e procedimentos para vacinação. Recuperado de https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_procedimentos_vacinacao.pdf
Mitchell, B. G., Hall, L., White, N., Barnett, A. G., Halton, K.,Paterson, D. L., & Page, K. (2019). An environmental cleaning bundle and health-care-associated infections in hospitals (REACH): A multicentre, randomised trial. The Lancet Infectious Diseases, 19(4), 410-418. doi: 10.1016/S1473-3099(18)30714-X
Ribeiro, A. B., Melo, C. T., & Tavares, D. R. (2018). A impor tância da atuação do enfermeiro na sala de vacina: Uma revisão integrativa. Revista de Enfermagem da UFJF, 3(1), 33-44. doi:10.34019/2446-5739.2017.v3.3914
Ribeiro, L. F, Lopes, E. M., Kishi, L. T., Ribeiro, L. F., Menegueti, M. G., Gaspar, G. G., . . . Guazzaroni, M. E. (2019). Microbial community profiling in intensive care units expose limitations in current sanitary standards. Frontiers in Public Health, 7(240), 1-14. doi:10.3389/fpubh.2019.00240
Rosado, A. S., & Silva, F. L. (2016). Evaluating the effectiveness of antiseptics in the hands of health professionals. Revista Saúde em Foco, 3(1), 01-09. Recuperado de http://www4.fsanet.com.br/revista/index.php/saudeemfoco/article/view/949/1005
Sales, V. M., Oliveira, E., Gonçalves, F. R., & Melo, C. C (2014). Análise microbiológica de superfícies inanimadas de uma unidade de terapia intensiva e a segurança do paciente. Revista de Enfermagem Referência, 4(3), 45-53. doi:10.12707/RIII1293
Semmelweis, I. (1988). The etiology, concept and prophylaxis of childbed fever. The challenge of epidemiology, 46-59. Recuperado de https://graphics8.nytimes.com/images/blogs/freakonomics/pdf/the%20etiology,%20concept%20and%20prophylaxis%20of%20childbed%20fever.pdf
Siqueira, L. G., Martins, A. M., Versiani, C. C., Almeida, L. A., Oliveira, C. S., Nascimento, J. E., . . . Bezerra, R. C. (2017). Avaliação da organização e funcionamento das salas de vacina na atenção primária à saúde em Montes Claros, Minas Gerais. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 26(3), 557-568. doi:10.5123/s1679-49742017000300013.
Starfield, B. (2002). Atenção primária: Equilíbrio entre necessidade de saúde, serviços e tecnologia. Recuperado de https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/0253.pdf
Vasconcelos, K. C., Rocha, S. A., & Ayres, J. A. (2012). Avaliação normativa das salas de vacinas na rede pública de saúde do Município de Marília, Estado de São Paulo, Brasil, 2008-2009. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 21(1), 167-176. doi:10.5123/S1679-49742012000100017
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_fev2020_e19080_port.pdf
REF_fev2020_e19080_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]