Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Consumo de substâncias psicoativas em pacientes com tuberculose: adesão ao tratamento e interface com Intervenção Breve
Autores:  Sônia Suelí Souza do Espírito Santo; Angela Maria Mendes Abreu; Luciana Fernandes Portela; Larissa Rodrigues Mattos; Louise Anne Reis da Paixao; Riany Moura Rocha Brites; Tereza Maria Mendes Diniz de Andrade Barroso
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2019-11-28
Aceite para publicação:  2020-02-19
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2020
DOI:  10.12707/RIV19093

Resumo
Enquadramento: O consumo de substâncias psicoativas associado à tuberculose estabelece uma urgente
questão de saúde pública.
Objetivo: Caracterizar o perfil e o consumo das substâncias psicoativas dos pacientes em tratamento da tuberculose e analisar a relação entre as variáveis de saúde, o consumo e a adesão ao tratamento, na perspetiva da Intervenção Breve (IB).
Metodologia: Estudo descritivo correlacional, com 114 pacientes, utilizando o Self-Reporting Questionnaire e o Alcohol Smoking and Substance Involvement Screening Test, no período de 2016 a 2017.
Resultados: Os fumadores que consumiam álcool (p = 0,058) e aqueles que relataram não ter doenças crónicas (p = 0,024) apresentaram necessidade de receber IB. O consumo de cannabis destacou-se entre os fumadores (p = 0,009). Relativamente à frequência da adesão ao tratamento, 40% faziam uso de tabaco, 21,1% uso de álcool, 10,5% uso de cannabis e 13,7% de cocaína.
Conclusão: Verificou-se a vulnerabilidade desta população em relação ao consumo de substâncias psicoativas quanto à adesão ao tratamento.

Palavras-chave
tuberculose; adesão ao tratamento; rastreamento; substâncias psicoativas; enfermagem
Abreu, A. M., Parreira, P. M., Souza, M. H., & Barroso, T. M. (2016). Perfil do consumo de substâncias psicoativas e sua relação com as características sociodemográficas: Uma contribuição para intervenção breve na atenção primária à saúde . Texto Contexto Enfermagem, 25(4), e1450015.doi: 10.1590/0104-07072016001450015
Araújo, G. S., Pereira, S. M., & Santos, D. N. (2014). Revisão sobre tuberculose e transtornos mentais comuns. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, 5(2), 716-726. Recuperado de https://periodicos.unb.
br/index.php/rgs/article/view/465/442
Babor, T. F., Del Boca, F., & Bray, J. W. (2017). Screening, brief Intervention and referral to treatment: Implications of SAMHSA’s SBIRT initiative for substance abuse policy and practice. Addiction, 112 (Suppl. 2), 110–117. doi:10.1111/add.13675
Caron-Ruffino, M., & Ruffino-Netto, A. (1979). Associação entre alcoolismo e tuberculose pulmonar. Revista Saúde Pública, 13(3), 183-194. doi:10.1590/S0034-89101979000300003
Cassiano, J. G. (2014).Tuberculose pulmonar e o uso de drogas ilícitas: Entre o abandono e a cura (Dissertação de mestrado). Universidade federal do Ceará, Brasil. Recuperado de http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/9093
Fundação Oswaldo Cruz, Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde. (2017). III Levantamento nacional sobre o uso de drogas pela população brasileira. Recuperado de https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/34614
Furlan, M. C., Oliveira, S. P., & Marcon, S. S. (2012). Fatores associados ao abandono do tratamento de tuberculose no estado do Paraná. Acta Paulista de Enfermagem, 25(esp.), 108-114. doi:10.1590/S0103-21002012000800017
Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. (2019). Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil (2ª ed.). Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_recomendacoes_controle_tuberculose_brasil_2_ed.pdf
Monteiro, L. H., Denardi, T. C., Silva, C. A., Caixeta, F. C., Oliveira, M. V., Silva, P.C., … Lucchese, R. (2015). Diagnósticos e prescrições de enfermagem para pacientes com tuberculose: Oferecendo subsídios para a equipe de enfermagem. Enciclopédia Bioesfera, 11(20), 323-329. Recuperado de http://www.conhecer.org.br/enciclop/2015a/diagnosticos.pdf
Orofino, R. L., Brasil, P. E., Trajman, A., Schmaltz, C. A., Dalcolmo, M., & Rolla, V. C. (2012). Preditores dos desfechos do tratamento da tuberculose. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 38(1), 88-97. doi:10.1590/S1806-37132012000100013
Pavão, A. L., Werneck, G. L., & Campos, M. R. ( 2013). Autoavaliação do estado de saúde e a associação com fatores sociodemográficos, hábitos de vida e morbidade na população: Um inquérito nacional. Cadernos de Saúde Pública, 29(4),723-734. doi:10.1590/S0102-311X2013000400010
Peltzer, K., Naidoo, P., Louw, J., Matseke, G., Zuma, K., McHunu, G., Mabaso, M. ( 2013). Screening and brief interventions for hazardous and harmful alcohol use among patients with active tuberculosis attending primary public care clinics in South Africa: Results from a cluster randomized controlled trial. Biomed Central Public Health, 31, 13-69. doi:10.1186/1471-2458-13-699
Reiners, A. A., Azevedo, R. C., Vieira, M. A., & Arruda, A. L. (2008). Produção bibliográfica sobre adesão/não-adesão de pessoas ao tratamento de saúde. Ciência & Saúde Coletiva,13(suppl.2), 2209-2306. doi:10.1590/S1413-81232008000900034
Shenoy, R., Das, M., Mansoor, H., Anicete, R., Wangshu, L., Meren., S. IsaakidiS, P. (2015). Double trouble: Tuberculosis and substance abuse in Nagaland, India. Public Health Action, 5(3), 180-182. doi:10.5588/pha.15.0019
United Nations Office on Drugs and Crime (2019). World drug report.
Recuperado de https://wdr.unodc.org/wdr2019/prelaunch/prelaunchpresentation_WDR_2019.pdf
World Health Organization. (2016). The health and social effects of non medical cannabis use. Recuperado de https://www.who.int/substance_abuse/publications/msbcannabis.pdf
World Health Organization. (2018). Global tuberculosis report. Re cuperado de https://reliefweb.int/report/world/global-tuberculosis-report-2018
World Health Organization. (2019). Global tuberculosis report 2019. Recuperado de https://www.who.int/tb/publications/global_report/en/
Zuze, C. L., & Silva,G. B. (2012). O enfermeiro frente à realidade do crack: Vivências. Revista Eletrônica de Extensão da URI, 8(14),126-136. Recuperado de https://slidex.tips/download/o-enfermeiro-frente-a-realidade-do-crack
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_fev2020_e19093_port.pdf
REF_fev2020_e19093_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]