Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Abordagem na sala de emergência: dotação adequada de recursos de enfermagem
Autores:  Maria Teresa Ferreira; Joaquim Filipe Fernandes; Rui Alberto Jesus; Isabel Maria Araújo
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2019-11-11
Aceite para publicação:  2020-03-16
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH PAPER (ORIGINAL)
Ano:  2020
DOI:  10.12707/RIV19086
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: O prognóstico da pessoa em situação crítica na sala de emergência depende da eficácia da atuação da equipa que a assiste.
Objetivos: Perceber e justificar a necessidade de alocar um enfermeiro que tenha como função a abordagem em exclusivo a clientes da sala de emergência num hospital da região de Lisboa e Vale do Tejo com um serviço de urgência polivalente.
Metodologia: Estudo retrospetivo, descritivo, exploratório, quantitativo. 3185 clientes críticos, recolha de informação por grelha de observação. Análise estatística foi realizada com o software IBM SPSS Statistics, versão 25.0. Recorreu-se ao teste de Kruskal-Wallis e Qui-quadrado.
Resultados: No ano de 2017, na sala de emergência admitiram-se em média 9 clientes por dia, os
cuidados diretos prestados exigiram em média 45,4 minutos, 65% foram admitidos na unidade de in
ternamento médico-cirúrgico do serviço de urgência ou na área de observação clínica do mesmo serviço.
Conclusão: Emerge a necessidade de garantir dotação adequada aquando da prestação de cuidados à pessoa em situação crítica, sendo necessário um enfermeiro para funções exclusivas à sala de emergência.

Palavras-chave
emergência; sala de emergência; enfermagem; dotação segura
Administração Central do Sistema de Saúde. (2015). Manual de recomendações técnicas para serviços de urgências: RT 11/2015. Recuperado de http://www2.acss.min-saude.pt/Portals/0/Urg%-C3%AAncias_%20final.pdf
Aehlert, B. (2007). Emergência em cardiologia: Suporte avançado de vida em cardiologia. Recuperado de https://docero.com.br/doc/n0n81s0
Barreira, I., Martins, M., Silva, N., Preto, P., & Preto, L. (2019). Resultados da implementação do protocolo da via verde do acidente vascular cerebral num hospital português. Revista de Enfermagem Referência, 4(22),117-126. doi: 10.12707/RIV18085
Direção-Geral da Saúde. (2018). Circular normativa 002/2018: Sistemas de triagem dos serviços de urgência e referenciação interna imediata. Recuperado de https://www.dgs.pt/directrizes-da-dgs/normas-e-circulares-normativas/norma-n-0022018-de-090120181.aspx
Direção-Geral da Saúde. (2016). Manual de standards: Unidades de urgência e emergência. Recuperado de https://www.dgs.pt/departamento-da-qualidade-na-saude/ficheiros-anexos/manual_de_standards_servicos-de-urgencia-e-emergencia_me-26-1_01_print.aspx
Direção-Geral da Saúde. (2001). Rede de referenciação hospitalar de urgência/emergência. Recuperado de from https://www.dgs.pt/planeamento-de-saude/hospitais/redes-HYPERLINK “https://www.dgs.pt/planeamento-de-saude/hospitais/redes-referenciacao-hospitalar/rede-de-referenciacao-hospitalar-de-”referenciacao-hospitalar/rede-de-referenciacao-hospitalar-de-urgenciaemergencia.aspx
Fernandes, S. M., Branco, M. A., & Rodrigues, P. A. (2019). A pessoa em situação crítica submetida a ventilação não invasiva num serviço de urgência. Revista de Enfermagem Referência, 4(22), 13-22. doi:10.12707/RIV19027
Ferreira, F., Andrade, J., Mesquita, A., Campello, G., Dias, C., & Granja, C. (2008). Sala de emergência: Análise e avaliação de um modelo orgânico funcional. Revista Portuguesa de Cardiologia, 27(7-8), 889-900.
Freitas, M. J., & Parreira, P. M. (2013). Dotação segura para a prática de enfermagem: Operacionalidade do conceito e o seu impacto nos resultados. Revista de Enfermagem Referência, 3(10), 171-178. doi: 10.12707/RIII12125
Hall, L. (2005). Quality work environments for nurse and patient safety. Toronto, Canadá: Jones and Bartlett Publishers. Recuperado de https:/ https://books.google.pt/books?id=nJu-2fNDgFhYC&pg=PP6&lpg=PP6&dq=Quality+work+environments+for+nurse+and+patient+safety.+Sudbury:+Jones+and+Bartlett&source=bl&ots=SZYW9FbJL1&sig=ACfU3U2TuB- 5J2gGdrR6iGxcRRTjrUH2hA&hl=pt-PT&sa=-X&ved=2ahUKEwjRnsj1zYvnAhUXDGMBHfgMDMYQ6AEwAnoECAYQAQ#v=onepage&q=Quality%20work%20environments%20for%20nurse%20and%20patient%20safety.% 20Sudbury%3A%20Jones%20and%20Bartlett&f=false
Massada, R. (2002). Avaliação e ressuscitação do doente com trauma grave: Normas de orientação clínica e administrativa. Porto, Portugal: Medisa. Recuperado de http://files.jvilelas.webnode.pt/200000147-5cb905db2e/Avalia%C3%A7%C3%A3o%20e%20Ressuscita%C3%A7%C3%A3o%20do%20doente%20com%20trauma.pdf
Ordem dos Enfermeiros. (2014). Norma para o cálculo de dotações seguras dos cuidados de enfermagem. Recuperado de https://www.ordemenfermeiros.pt/media/8332/pontoquatro_norma_de_dotacoesseguras_ dos_cuidados_de_enfermagem_ag_30_05_2014_aprovado_por_maioria_proteg.pdf
Ordem dos Enfermeiros. (2018). Parecer emitido pela mesa do colégio da especialidade em enfermagem médico-cirúrgica 14/2018. Recuperado de https://www.ordemenfermeiros.pt/media/8287/parecern%C2%BA-14_2018_rectificado.pdf
Paixão, T. C., Campanharo, C. R., Lopes, M. C., Okuno, M. F., & Batista, R.E. (2015). Dimensionamento de enfermagem em sala de emergência de um hospital-escola. Revista Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, 49(3), 486-493. doi: 10.1590/S0080-623420150000300017
The Joint Commission. (2011). Sentinel event alert. Recuperado de http://www.jointcommission.org/assets/1/18/SEA_48.pdf
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_mar2020_e19086_port.pdf
REF_mar2020_e19086_eng.pdf


[ Detalhes da edição ]