Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Avaliação do debriefing estruturado como estratégia pedagógica em enfermagem de saúde familiar
Autores:  Margarida Alexandra Nunes Carramanho Gomes Martins Moreira da Silva; Maria Teresa de Oliveira Soares Tanqueiro; Cristina Maria Figueira Veríssimo; Marília Maria Andrade Marques Conceição Neves; Clarinda Maria Prazeres Ferreira Silva da Rocha Cruzeiro; Verónica Dias Coutinho
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2019-11-06
Aceite para publicação:  2020-01-13
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH ARTICLE (ORIGINAL)
Ano:  2020
DOI:  10.12707/RIV19081
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: O impacto da simulação com debriefing estruturado como estratégia pedagógica na formação em enfermagem é hoje inquestionável, contudo, não se encontraram referências à utilização desta estratégia no ensino de enfermagem em saúde familiar.
Objetivo: Avaliar o debriefing estruturado associado à simulação em consultas de enfermagem à família como estratégia pedagógica.
Metodologia: Estudo quantitativo, descritivo e transversal. Amostra de 169 estudantes, 2º ano, do Curso de Licenciatura em Enfermagem. Aplicada a Escala de Avaliação do Debriefing Associado àSimulação (EADaS), em aula de prática laboratorial.
Resultados: A escala revela média global de 4,25 (DP = 0,400) mínimo 3,03 e máximo 5,00. Verifica-se média mais elevada (M = 4,58; DP = 0,462) na Dimensão Valor Afetivo e mais baixa (M = 3,87; DP = 0,621) na Dimensão Valor Psicossocial. A Dimensão Valor Cognitivo apresenta M = 4,35 pontos e DP = 0,435.
Conclusão: O debriefing estruturado associado à simulação, revelou-se uma estratégia pedagógica adequada à aquisição e desenvolvimento de competências dos estudantes em enfermagem de saúde familiar, facilitando a aprendizagem crítica e reflexiva essencial para intervir na família, devendo implementar-se nesta área.


Palavras-chave
debriefing; simulação; enfermagem familiar
Alarcão, I. (2001). Formação reflexiva. Revista de Enfermagem Referência, 1(6), 53 59. Recuperado de https://rr.esenfc.pt/rr/index.php?module=rr&target=publicationDetails&pesquisa=&id_artigo=2076&id_revista=5&id_edicao=21
Costa, R. R., Medeiros, S. M., Martins, J. C., & Coutinho, V. R. (2019). Percepções de estudantes de enfermagem acerca das dimensões estruturais da simulação clínica. Scientia Medica, 29(1), e32972. Doi:10.15448/1980-6108.2019.1.32972
Coutinho V. R., Martins, J. C., & Pereira, F. (2014). Construção evalidação da Escala de Avaliação do Debriefing associado à Simulação(EADaS). Revista de Enfermagem Referência, 4(2), 41-50. doi: 10.12707/RIII1392
Coutinho, V. R., Martins, J. C., & Pereira, F. (2016). Structured debriefing in nursing simulation: Student`s perceptions. Journal of Nursing Education and Practice, 6(9), 127-134. doi: 10.5430/jnep.v6n9p127
Coutinho, V. R., Martins, J. C., & Pereira, F. (2017). Student’s opinion about feedback Vs structured debriefing: A randomized controlled trial. International Journal of Nursing Didactics, 7(4), 63-68. doi:10.15520/ijnd.2017.vol7.iss4.215.63-68
Decreto-Lei nº 118/2014 de 5 de Agosto. Diário da Republica nº 149/2014 - I Série. Ministério da Saúde. Lisboa, Portugal.
Figueiredo, M. H. (2009). Enfermagem de família: Um contexto do cuidar (Tese de doutoramento). Recuperado de http://hdl.handle.net/10216/20569
Hanson, S. M. (2005). Enfermagem de cuidados de saúde à família: Teoria prática e investigação (2ª ed.). Lisboa, Portugal: Lusociência.
Le Boterf, G. (1997). De la compétence à la navigation professionnelle. Paris, France: Editions d’Organisation.
Martins, M. M. (2004). O adulto doente e a família uma parceria de cuidados. (Dissertação de mestrado). Recuperado de http://hdl.handle.net/10216/64647
Martins, J. (2009). Atuação do enfermeiro no sector de urgências: Gestão para o desenvolvimento de competências. In Malagutti, W. & Cardoso, K. (Eds.), Gestão do serviço de enfermagem no mundo globalizado (pp. 175-189). Rio de Janeiro, Brasil: Rubio.
Martins, J. C. (2017). Aprendizagem e desenvolvimento em contexto de prática simulada. Revista de Enfermagem Referência, 4(12), 155-162. doi: 10.12707/RIV16074
Perrenoud, P. (2001). Porquê construir competências a partir da escola?: Desenvolvimento da autonomia e luta contra as desigualdades. Porto, Portugal: Asa Editoras.
Santos, M. L. (2012). Abordagem sistémica do cuidado à família: Impacto no desempenho profissional do enfermeiro (Tese de doutoramento). Recuperado de http://hdl.handle.net/10451/6979
Segaric, C., & Hall, W. (2005). The family theory: Practice gap a matter of clarity? Nursing Inquiry, 12(3), 210-218. doi: 10.1111/j.1440-1800.2005.00270.x
Silva, M. A., Costa, M. A., & Silva, M. M. (2013). A família em cuidados de saúde primários: Caracterização das atitudes dos enfermeiros. Revista de Enfermagem Referência, 3(11), p. 19-28. doi: 10.12707/RIII13105
Silva, M. A. (2016). Enfermagem de família: Contextos e processos em cuidados de saúde primários (Tese de Doutoramento, Universidade do Porto, Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar,Portugal). Recuperado de https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/84294/2/113541.pdf
Valenzuela-Suazo, S. (2016). La práctica de enfermería como foco de reflexión. Aquichan, 16(4), 415-417. doi: 10.5294/aqui.2016.16.4.1
Wright, L. M., & Leahey M. (2013). Nurses and families: A guide to family assessment and intervention (6ª ed.). Philadelphia, PA: FA Davis Company
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_apr2020_e19081_eng.pdf
REF_apr2020_e19081_port.pdf


[ Detalhes da edição ]