Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  A expectativa do casal sobre o plano de parto
Autores:  Teresa Maria de Campos Silva; Marlene Isabel Lopes
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2019-11-28
Aceite para publicação:  2020-02-26
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH ARTICLE (ORIGINAL)
Ano:  2020
DOI:  10.12707/RIV19095
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: O plano de parto (PP) é um processo reflexivo e de tomada de decisão do casal grávido, exposto num documento escrito, promovendo uma melhor comunicação com os profissionais de saúde e a autonomia das mulheres.
Objetivo: O presente estudo, inserido numa investigação mais vasta, teve como objetivo descrever a expectativa do casal sobre o PP.
Metodologia: Estudo qualitativo, tipo exploratório-descritivo. Os participantes foram 10 casais que frequentaram o programa de preparação para o parto de uma maternidade do centro de Portugal. Oinstrumento de recolha de dados foi a entrevista semiestruturada e a análise dos dados, realizada com o método de análise de conteúdo de Bardin e com o software NVivo10.
Resultados: Metade dos participantes não conheciam o conceito de PP, mas reconhecem a importância da discussão das suas preferências com um Enfermeiro Especialista em Saúde Materna e Obstétrica para uma experiência de parto positiva.
Conclusão: Este estudo pode permitir a inovação e melhoria na assistência segura à mulher/casal, respondendo eficazmente às suas expectativas e necessidades.


Palavras-chave
plano de parto; enfermeiro especialista em saúde materna e obstétrica; empoderamento para a saúde; expectativa; tomada de decisão
Afshar, Y., Mei, J., & Gregory, K. (2016). Birth plans: Birth preferences or labor manifesto. Gynecology & Obstetrics Case Reports, 2(1),12. Recuperado de : https://gynecology-obstetrics.imedpub.com/birth-plans-birth-preferences-or-labor-manifesto.php?aid=8656
Aragon, M., Chhoa, E., Dayan, R., Kluftinger, A., Lohn, Z., & Buhler, K. (2013). Perspectives of expectant women and health care providers on birth plans. Journal of Obstetrics and Gynaecology
Canada, 35(11), 979-985. doi:10.1016/S1701-2163(15)30785-4 Bailey, J. M., Crane, P., & Nugent, C. E. (2008). Childbirth education and birth plans. Obstetrics and Gynecology Clinics of North America, 35(3), 497-509. doi:10.1016/j.ogc.2008.04.005
Bardin, L. (2013). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.
Cook, K., & Loomis, C. (2012). The impact of choice and control on women´s childbirth experiences. The Journal of Perinatal Education, 21(3), 158-168. doi:10.1891/1058-1243.21.3.158
Divall, B., Spiby, H., Nolan, M., & Slade, P. (2017). Plans, preferences or going with the flow: An online exploration of women’s views and experiences of birth plans. Midwifery, 54, 29-34. doi:10.1016/j.midw.2017.07.020
Hidalgo-Lopezosa, P., Hidalgo-Maestre, M., & Rodríguez-Borrego, M. A. (2017). Birth plan compliance and its relation to maternal and neonatal outcomes. Revista Latino-Americana Enfermagem, 25, e2953. doi:10.1590/1518-8345.2007.2953
Kaufman, T. (2007). Evolution of the birth plan. The Journal of Perinatal Education, 16(3), 47-52. doi:10.1624/105812407X217985
Kitzinger, S. (1992). Sheila Kitzinger´s letter from England: Birth plans. Birth, 19(1), 36-37. doi:10.1111/j.1523-536x.1992.tb00373.x
Lopes, M. I. (2019). A expetativa do casal sobre o plano de parto (Dissertação de mestrado). Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Portugal. Recuperado de http://web.esenfc.pt/?url=J09yShAZ
Lothian, J. (2006). Birth plans: The good, the bad, and the future. Journal of Obstetric, Gynecologic, and Neonatal Nursing: JOGNN, 35(2), 295-303. doi:10.1111/j.1552-6909.2006.00042.x
Nunes, L. (2013). Considerações éticas a atender nos trabalhos de investigação académica de enfermagem. Departamento de Enfermagem. Instituto Politécnico de Setúbal, Escola Superior de Saúde. Recuperado de https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/4547/1/consid%20eticas%20na%20investig%20academica%20em%20enfermagem.pdf
Ordem dos Enfermeiros, Mesa do Colégio da Especialidade de Saúde Materna e Obstétrica. (2012). Parecer n.º 7/2012: Plano de parto. Lisboa, Portugal: Autor. Recuperado de https://www.ordemenfermeiros.pt/arquivo/documentos/Documents/MCEESMO_Parecer_7_2012_Plano_de_parto.pdf
Ordem dos Enfermeiros. (2015). Livro de bolso: Enfermeiros especialistas em saúde materna e obstétrica/parteiras. Lisboa, Portugal: Autor. Recuperado de https://www.ordemenfermeiros.pt/media/8891/livrobolso_eesmo.pdf
Pennell, A., Salo-Coombs, V., Herring, A., Spielman, F., & Fecho, K. (2011). Anaesthesia and analgesia-related preferences and outcomes of women who have birth plans. Journal of Midwifery & Women’s Health, 56(4), 376-381. doi:10.1111/j.1542-2011.2011.00032.x
Sardo, D., & Pinheiro, A. (2018). Birth plan: Portuguese women’s perceptions. The European Proceedings of Social & Behavioural Sciences, 102-112. doi:10.15405/epsbs.2018.11.11
Whitford, H., Entwistle, V., Teijlingen, E., Aitchison, P., Davidson, T., Humphrey, T., & Tucker, J. (2014). Use of a birth plan within woman-held maternity records: A qualitative study with women and staff in Northeast Scotland. Birth, 41(3), 283-289. doi:10.1111/birt.12109
World Health Organization. (2018). WHO recommendations: Intrapartum care for a positive childbirth experience. Recuperado de https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/260178/ 9789241550215-eng.pdf;jsessionid=3403B5A4778758180F5ACE8A1393ABA1?sequence=1
Yam, E., Grossman, A., Goldman, L., & García, S. (2007). Introducingn birth plans in Mexico: An exploratory study in a hospital serving low-income Mexicans. Birth, 34(1), 42-48. doi:10.1111/j.1523-536X.2006.00124.x.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_apr2020_e19095_eng.pdf
REF_apr2020_e19095_port.pdf


[ Detalhes da edição ]