Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  A resiliência de adolescentes com doença crónica: o papel do enfermeiro na sua promoção
Autores:  Ângela Maria Sousa Figueiredo; Maria de Lourdes Lopes de Freitas Lomba; Luís Manuel de Jesus Loureiro; Dirce Stein Backes
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2020-01-08
Aceite para publicação:  2020-04-27
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH ARTICLE (ORIGINAL)
Ano:  2020
DOI:  10.12707/RV20008
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: O modo como adolescentes com doença crónica (ADC) lidam com adversidades
relaciona-se com o seu potencial de resiliência, construído também através da relação estabelecida
com enfermeiros.
Objetivos: Identificar intervenções de enfermagem promotoras de resiliência em ADC; avaliar a resiliência
de ADC; e relacionar o seu nível de resiliência com intervenções recebidas.
Metodologia: Estudo misto exploratório sequencial - um primeiro estudo qualitativo, com um grupo
focal de 8 enfermeiros de um hospital pediátrico, elencando-se uma lista de intervenções de enfermagem
promotoras de resiliência (LIER); e um segundo quantitativo, aplicando-se um questionário a 32 ADC
(incluindo a Resilience Scale e a LIER obtida no primeiro estudo).
Resultados: Os enfermeiros enumeram diferentes intervenções de enfermagem promotoras de resiliência.
Numa amostra de 32 ADC, o nível de resiliência é médio, superior nos do foro neurológico e
nas raparigas. Verificou-se baixa correlação entre o nível de resiliência e as intervenções de enfermagem.
Conclusão: Sugere-se a divulgação dos resultados e um investimento crescente para que a promoção
da resiliência dos ADC resulte, inequivocamente, das intervenções de enfermagem.

Palavras-chave
resiliência psicológica; adolescente; doença crónica; enfermagem prática
Bastos, M. A. (2013). O conceito de resiliência na perspetiva de enfermagem. Revista Iberoamericana de Educación e Investigación en Enfermaría, 3(4), 61–70.
Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. São Paulo, Brasil: Edições 70.
Diogo, P. M., & Caeiro, M. J. (2014). O trabalho emocional com adolescentes em situação de doença e hospitalização. Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/262144985_The_emotional_labour_with_teenagers_in_situation_of_disease_and_hospitalization_Proposal_of_an_Algorithm_for_Nursing_Intervention_O_trabalho_emocional_com_adolescentes_em_situacao_de_doenca_e_hospital
Felgueiras, M. C., Festas, C., & Vieira, M. (2010). Adaptação e validação da Resilience Scale® de Wagnild e Young para a cultura portuguesa. Cadernos de Saúde, 3(1), 73-80.
Ferguson, P., & Walker, H. (2014). ‘Getting on with life’: Resilience and normalcy in adolescents living with chronic illness. International Journal of Inclusive Education, 18(3),227-240. doi:10.1080/13603116.2012.676082
Gonçalves, A. M., & Camarneiro, A. P. (2018). Validação da Resilience Scale de Wagnild e Young em contexto de acolhimento residencial de adolescentes. Revista de Enfermagem Referência, 4(17), 107-118. doi:10.12707/RIV17080
Haase, J. E. (2004). The Adolescent Resilience Model as a guide to interventions. Journal of Pediatric Oncology Nursing, 21(5),289-299. doi:10.1177/1043454204267922
Kim, G. M., Lim, J. Y., Kim, E. J., & Park, S. M. (2018). Resilience of patients with chronic diseases: A systematic review. Health and Social Care in the Community, 00, 1-11. doi:10.1111/hsc.12620
Olsson, C. A., Bond, L., Johnson, M. W., Forer, D. L., Boyce, M. F., & Sawyer, S. M. (2003). Adolescent chronic illness: A qualitative study of psychosocial adjustment. Annals of the Academy of Medicine Singapore, 32(1), 43-50.
Ordem dos Enfermeiros. (2010). Guias orientadores de boa prática em enfermagem de saúde infantil e pediátrica. Lisboa, Portugal: Autor.
Pars, H., & Çavusoglu, H.. (2019). Examining the psychological resilience of adolescents with leukemia: A comparative study. FNJN Florence Nightingale Journal of Nursing, 27(2), 104-118. doi:10.26650/fnjn18024
Pais, S., & Menezes, I. (2010). A experiência de vida de crianças e jovens com doença crónica e suas famílias: O papel das associações de apoio no seu empoderamento. Educação, Sociedade & Culturas, 30, 131–144. Recuperado de http://www.fpce.up.pt/ciie/revistaesc/ESC30/n30a10.pdf
Pestana, M. H., & Gageiro, J. N. (2008). Análise de dados para ciências sociais: A complementaridade do SPSS (5ª ed.). Lisboa, Portugal: Sílabo.
Rani, V., Kamboj, S., Malik, A., & Kohli, S. (2015). A study of emotional maturity in relation to self-confidence and insecurity in adolescents. Indian Journal of Positive Psychology, 6(4), 393-396. doi:10.15614/ijpp%2F2015%2Fv6i4%2F127186
Rozemberg, L., Avanci, J., Schenker, M., & Pires, T. (2014). Resiliência, gênero e família na adolescência. Ciência & Saúde Coletiva, 19(3), 673–684. doi:10.1590/1413-81232014193.21902013
Santos, R., S., & Barreto, A. C. M. (2014). Capacidade de resiliência em adolescentes: O olhar da enfermagem. Revista Enfermagem UERJ, 22(3), 359-64.
Santos, G. S., Tavares, C. M., Queiroz, A. B., Almeida, I. S., Pereira, C. S., & Ferreira, R. E. (2017). Mídia virtual como apoio aos adolescentes com doença crônica que buscam informação em saúde. Avances en Enfermería, 35(2), 123-132. doi: 10.15446/av.enferm.v35n2.59859
Santos, S., Santos, E., Ferrão, E., & Figueiredo, C. (2011). Impacto da doença crónica na adolescência. Nascer e Crescer, 20(1), 16–19.
Silva, I. S., Veloso, A. L., & Keating, J. B. (2014). Focus group: Considerações teóricas e metodológicas. Revista Lusófuna de Educação, 26(26), 175–190.
Silveira, R. E., Santos, A. S., & Pereira, G. A. (2014). Consumo de álcool, tabaco e outras drogas entre adolescentes do ensino fundamental de um município brasileiro. Revista de Enfermagem Referência, 4(2), 51-60. doi:10.12707/RIII12112.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_mai2020_e20008_eng.pdf
REF_mai2020_e20008_port.pdf


[ Detalhes da edição ]