Websites | Serviços | Webmail | Ferramentas | Área reservada

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional
Título:  Educação permanente na rede de atenção às mulheres em situação de violência
Autores:  Marli Aparecida Rocha de Souza; Aida Maris Peres; Terezinha Maria Mafioletti
Orientadores: 
Recebido para publicação:  2019-12-26
Aceite para publicação:  2020-04-15
Secção:  ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)/RESEARCH ARTICLE (ORIGINAL)
Ano:  2020
DOI:  10.12707/RV20003
Facebook Twitter LinkedIn

Resumo
Enquadramento: A educação permanente em saúde é uma estratégia para transformar a realidade
quotidiana dos profissionais por ações educativas. Procurou-se a sua aplicação na prática diária dos
que realizam atendimento à mulher em situação de violência.
Objetivo: Identificar desafios para capacitação e desenvolvimento dos profissionais que atuam numa
rede intersetorial de atenção às mulheres em situação de violência.
Metodologia: Estudo qualitativo, realizada por meio de entrevistas semiestruturadas com 49 profissionais
de uma rede intersetorial de atenção à mulher em situação de violência, entre outubro de 2016
a abril de 2017, na região Sul do Brasil. As entrevistas foram transcritas e o software IRAMUTEQ®
processou análises textuais denominadas com classificação hierárquica descendente, similitude e nuvem
de palavras.
Resultados: Identificaram-se os desafios articulação em rede, formação profissional, comunicação
intersetorial e interface entre serviços de saúde, social e educação.
Conclusão: Educação permanente em saúde foi evidenciada como uma estratégia eficaz para a consolidação
de avanços na rede intersetorial.

Palavras-chave
violência contra a mulher; colaboração intersetorial; educação permanente; capacitação em serviço
Arboit, J., Padoin, S. M., Vieira, L. B., Paula, C. C., Costa, M. C., & Cortes, L. F. (2017). Health care for women in situations of violence: Discoordination of network professionals. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 51(e03207). doi:10.1590/S1980-220X2016013603207.
Angela, A. C., & Raquel, B. C. (2018). Conflitos éticos e limitações do atendimento médico à mulher vítima de violência de gênero. Revista Bioética, 26(1), 77-86. doi:10.1590/1983-80422018261228.
Bandeira, L. M. (2014). Violência de gênero: A construção de um campo teórico e de investigação. Sociedade e Estado, 29(2), 449- 469. doi:10.1590/S0102-69922014000200008.
Barufaldi, L. A., Souto, R. M., Correia, R. S., Montenegro, M. M., Pinto, I. V., Silva, M. M., & Lima, C. M. (2017). Gender violence: A comparison of mortality from aggression against women who have and have not previously reported violence. Ciência & Saúde Coletiva, 22(9), 2929-2938. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/csc/v22n9/1413-8123-csc-22-09-2929.pdf.
Camargo, B. V., & Justo, A. M. (2018). Tutorial para uso do software IRAMUTEQ. Recuperado de http://iramuteq.org/documentation/fichiers/tutoriel-portugais-22-11-2018.
Domínguez Fernández, M., Martínez Silva, I. M., Vázquez-Portomeñe, F., & Rodríguez Calvo, M. S. (2017). Características y consecuencias de la violencia de género: Estudio de casos confirmados por sentencia judicial. Revista Española de Medicina Legal, 43(3), 115-122. doi: 10.1016/j.reml.2017.05.001
Hassen, M., & Vieira, E. M. (2017). Percepções dos profissionais de uma rede intersetorial sobre o atendimento a mulheres em situação de violência. Interface - Comunicação, Saúde e Educação, 21(60), 51-62. doi:10.1590/1807-57622015.0357.
Lemos, F. M. & Silva, G. G. (2018). Educação permanente em saúde: O estado da arte. Revista Interdisciplinar de Promoção da Saúde, 1(3), 207. doi:10.17058/rips.v1i3.12867.
Loeffen, M. J., Daemen, J., Wester, F. P., Laurant, M. G., Lo Fo Wong, S. H., & Lagro-Janssen, A. L. (2017). Mentor mother support for mothers experiencing intimate partner violence in family practice: A qualitative study of three different perspectives on the facilitators and barriers of implementation. The European Journal of General Practice, 23(1), 27–34. Recuperado de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5774271/doi.org/10.1080/13814788.2016.1267724.
Macedo, C. S., & Almeida, M. A. (2017). O acolhimento de mulheres vítimas de violência doméstica. Revista Multidisciplinar e de Psicologia,10(33). doi:10.14295/idonline.v10i33.609.
Mafioletti, T. M., Peres, A. M., Larocca, L. M., & Fontoura, M. P. (2018.) Violence against women: Historical trajectory of a care program (Curitiba - 1997-2014). Revista Brasileira de Enfermagem, 71(6), 2907-2915. doi:10.1590/0034-7167-2017-0583.
Mafioletti, T. M. (2018). Análise do programa mulher de verdade na rede de atenção à mulher em situação de violência (Tese de doutoramento). Universidade Federal do Paraná. Curitiba, PR, Brasil. Recuperado de https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/54974/R%20-%20T%20-%20TEREZINHA%20MARIA%20MAFIOLETTI.pdf?sequence=1&isAllowed=y
Mantler, T., & Wolfe, B. (2017). A rural shelter in Ontario adapting to adress the changing needs of women who have experience intmate partner violence: A qualitative case study. Rural Remote Health, 17(1), 3987. doi:10.22605/RRH3987.
Reis, M. J., Lopes, M. H. B. M., & Osis, M. J. D. (2017). It’s much worse than dying’: the experiences of female victims of sexual violence. Journal of Clinical Nursing, 26(15-16), 2353-2361. doi:10.1111/jocn.13247.
Senge, P. R. (2018). A Quinta Disciplina: Arte e Prática da Organização que Aprende (Ed. rev.). São Paulo, Brasil: Best Seller.
Santos, W. J., & Freitas, M. I. F. (2017). Fragilidades e potencialidadesda rede de atendimento às mulheres em situação de violência por parceiro íntimo. Revista Mineira de Enfermagem. Recuperado de: https://www.reme.org.br/artigo/detalhes/1186 .
Silva, K. L., Matos, J. A., & França, B. D. (2017). The construction of permanent education in the process of health work in the state of Minas Gerais, Brazil. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 21(4), e20170060. doi:10.1590/2177-9465-ean-2017-0060.
Souza, M. A., Wall, M. L., Thuler, A. C., Lowen, I. M., & Peres, A. M. (2018). The use of IRAMUTEQ software for data analysis in qualitative research. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 52(e03353). doi:10.1590/S1980-220X2017015003353.
Suryavanshi, N., Naik, S., Waghmare, S., Gupte, N., Khan, S., Mave, V., … Shankar, A. (2018). Gender-based violence screening methods preferred by women visiting a public hospital in Pune, India. BMC Womens Health, 18(1),19. doi:10.1186/s12905-018-0515-2.
Winters, J. R., Heidemann, I. T., Maia, A. R., & Durand, M. K. (2018). Empowerment of women in situations of social vulnerability. Revista de Enfermagem Referência, 4(18), 83-99. doi:10.12707/RIV18018.
Texto integral
Total: 0 registo(s)
REF_mai2020_e20003_eng.pdf
REF_mai2020_e20003_port.pdf


[ Detalhes da edição ]